Em fa­mí­lia

Agora - - Editorial - Pre­si­den­te: Edi­tor Res­pon­sá­vel:

En­tre ja­nei­ro de 2016 e ja­nei­ro de 2017, o po­li­ci­al mi­li­tar Fa­brí­cio José Car­los de Qu­ei­roz fez mo­vi­men­ta­ções ban­cá­ri­as no va­lor de R$ 1,2 mi­lhão, uma quan­tia que pa­re­ce mui­to aci­ma da sua re­a­li­da­de fi­nan­cei­ra.

Na­que­la épo­ca, Qu­ei­roz tra­ba­lha­va co­mo as­ses­sor par­la­men­tar do de­pu­ta­do es­ta­du­al Flá­vio Bol­so­na­ro (PSL-RJ), que é fi­lho do pre­si­den­te elei­to, Jair Bol­so­na­ro, e ga­nhou uma ca­dei­ra no Se­na­do no pró­xi­mo ano.

Se­gun­do re­la­tó­rio de um ór­gão ofi­ci­al de con­tro­le, en­tre as tran­sa­ções de Qu­ei­roz es­ta­ria um che­que de R$ 24 mil des­ti­na­do a Mi­chel­le Bol­so­na­ro, fu­tu­ra pri­mei­ra-da­ma do país.

Re­ve­la­das pe­lo jornal O Es­ta­do de S. Pau­lo, es­sas in­for­ma­ções cau­sam pre­o­cu­pa­ção no mo­men­to em que os bra­si­lei­ros es­pe­ram uma no­va Pre­si­dên­cia cer­ca­da de pro­mes­sas de mo­ra­li­da­de e de com­ba­te à cor­rup­ção.

Se an­tes era um dos fu­tu­ros mi­nis­tros de Bol­so­na­ro, Onyx Lo­ren­zo­ni, que es­ta­va en­ro­la­do com de­nún­cia de cai­xa 2, ago­ra é o pró­prio nú­cleo fa­mi­li­ar do pre­si­den­te elei­to que pre­ci­sa dar ex­pli­ca­ções à opi­nião pú­bli­ca. Afi­nal, de on­de veio a gra­na à dis­po­si­ção do as­ses­sor par­la­men­tar? Por que ele tinha que gra­na a pa­gar pa­ra Mi­chel­le Bol­so­na­ro?

O ca­so tor­na-se mais ne­bu­lo­so ao se sa­ber que o tal as­ses­sor tam­bém fez um de­pó­si­to em fa­vor de sua fi­lha, que até ou­tro dia tra­ba­lha­va no ga­bi­ne­te de Jair Bol­so­na­ro.

Pa­ra que não ha­ja dú­vi­das so­bre a con­du­ta do fu­tu­ro che­fe do Exe­cu­ti­vo e de seus fa­mi­li­a­res, é pre­ci­so que o ca­so se­ja es­cla­re­ci­do lo­go. As ex­pli­ca­ções for­ne­ci­das até ago­ra ain­da não dão con­ta da di­nhei­ra­ma. Gru­po Fo­lha

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.