A ca­da 2 di­as, ex-as­ses­sor de Flá­vio Bol­so­na­ro fa­zia sa­que

Mo­vi­men­ta­ção na con­ta ban­cá­ria de ex-fun­ci­o­ná­rio de ga­bi­ne­te na Alerj cha­mou a aten­ção

Agora - - Brasil - (FSP)

O ex-mo­to­ris­ta de­pu­ta­do es­ta­du­al e se­na­dor elei­to Flá­vio Bol­so­na­ro (PSL-RJ) fez 176 sa­ques de di­nhei­ro em es­pé­cie de sua con­ta em 2016. A mo­vi­men­ta­ção dá uma mé­dia de uma re­ti­ra­da a ca­da dois di­as.

O Co­af (Con­se­lho de Con­tro­le de Ati­vi­da­des Fi­nan­cei­ras) apon­tou uma mo­vi­men­ta­ção fi­nan­cei­ra atí­pi­ca de R$ 1,2 mi­lhões do ex-as­ses­sor par­la­men­tar e po­li­ci­al mi­li­tar Fa­brí­cio José Car­los de Qu­ei­roz na­que­le ano. Es­se va­lor in­clui tan­to sa­ques co­mo trans­fe­rên­ci­as, cré­di­tos em su­as con­tas.

Cerca de um quar­to do va­lor sus­pei­to (R$ 324,8 mil) foi mo­vi­men­ta­do por meio de sa­ques. As retiradas va­ri­a­vam de R$ 100 a R$ 14.000.

Em 10 de agos­to de 2016, por exem­plo, Qu­ei­roz fez cin­co retiradas que, so­ma­das, dão R$ 18.450. To­dos os sa­ques fo­ram em va­lo­res abai­xo de R$ 10 mil, a par­tir do qual o Co­af aler­ta au­to­ma­ti­ca­men­te as au­to­ri­da­des fis­cais. Hou­ve 59 de­pó­si­tos em di­nhei­ro vi­vo na con­ta, que vão de R$ 400 a R$ 12.700.

Pro­cu­ra­do­res afir­mam que o uso de di­nhei­ro vi­vo em tran­sa­ções ban­cá­ri­as cos­tu­ma ter co­mo ob­je­ti­vo ocul­tar o des­ti­na­tá­rio ou re­me­ten­te dos re­cur­sos. A prá­ti­ca di­fi­cul­ta o iden­ti­fi­ca­ção dos res­pon­sá­veis pe­las tran­sa­ções.

As in­for­ma­ções fa­zem par­te do re­la­tó­rio do Co­af da Ope­ra­ção Fur­na da On­ça, que pren­deu dez de­pu­ta­dos es­ta­du­ais do Rio de Ja­nei­ro. O Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral so­li­ci­tou ao ór­gão de con­tro­le fi­nan­cei­ro os ca­sos de mo­vi­men­ta­ção atí­pi­ca en­vol­ven­do fun­ci­o­ná­ri­os da As­sem­bleia Le­gis­la­ti­va do Rio.

Os da­dos so­bre o po­li­ci­al mi­li­tar cha­ma­ram a aten­ção por, en­tre ou­tros mo­ti­vos, re­gis­trar “mo­vi­men­ta­ções em es­pé­cie re­a­li­za­das por cli­en­tes cu­jas ati­vi­da­des pos­su­am co­mo ca­rac­te­rís­ti­ca a uti­li­za­ção de ou­tros ins­tru­men­tos de trans­fe­rên­cia de re­cur­sos”.

Qu­ei­roz tam­bém apre­sen­tou, pa­ra o Co­af, “mo­vi­men­ta­ção de re­cur­sos in­com­pa­tí­vel com o pa­trimô­nio”. Ele tinha uma ren­da de R$ 23 mil men­sais e um pa­trimô­nio de cerca de R$ 700 mil.

Nem Flá­vio Bol­so­na­ro, de­pu­ta­do es­ta­du­al, nem Qu­ei­roz são al­vo de in­ves­ti­ga­ções.

Res­pos­ta

Flá­vio Bol­so­na­ro afir­mou que man­tém a con­fi­an­ça no ex-mo­to­ris­ta e que foi co­brar ex­pli­ca­ções de­le. “Ho­je o Fa­brí­cio Qu­ei­roz con­ver­sou co­mi­go. Ele me re­la­tou uma his­tó­ria bas­tan­te plau­sí­vel e ga­ran­tiu que não te­ria ne­nhu­ma ile­ga­li­da­de nas su­as mo­vi­men­ta­ções. As­sim que ele for cha­ma­do ao Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, vai dar os de­vi­dos es­cla­re­ci­men­tos”.

Re­pro­du­ção/ins­tra­gram

O ex-as­ses­sor Fa­brí­cio José Car­los de Qu­ei­roz com o pre­si­den­te elei­to Jair Bol­so­na­ro (PSL), em 2013.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.