Diretor pro­me­te con­tra­ta­ções de pe­so

Agora - - Vencer -

Pa­ra con­ven­cer Fá­bio Ca­ril­le a vol­tar ao Co­rinthi­ans, o clu­be lhe apre­sen­tou um pro­je­to. Ne­le, há a pro­mes­sa de for­mar um elen­co for­te pa­ra 2019, ca­paz de dis­pu­tar tí­tu­los e, prin­ci­pal­men­te, evi­tar o su­fo­co que o Ti­mão passou no se­gun­do se­mes­tre des­te ano, qu­an­do lu­tou con­tra o re­bai­xa­men­to no Cam­pe­o­na­to Bra­si­lei­ro.

Em en­tre­vis­ta ao Ago­ra ,o diretor de fu­te­bol da equi­pe al­vi­ne­gra, Duí­lio Mon­tei­ro Al­ves, fa­lou so­bre o pla­ne­ja­men­to do Ti­mão pa­ra o ano que vem e avi­sou que pe­lo me­nos qu­a­tro jo­ga­do­res de pe­so se­rão con­tra­ta­dos, en­tre eles um meia e um ata­can­te, ca­rên­ci­as do atu­al elen­co.

“O clu­be tra­ba­lha com a ideia de tra­zer de três a qu­a­tro re­for­ços [de pe­so]. Já trou­xe­mos mui­tos ga­ro­tos que fo­ram apos­tas no de­cor­rer de 2018. Al­guns de­ram re­sul­ta­do ago­ra no fim do ano. Ou­tros, ain­da não. Mas a di­re­to­ria pre­ten­de, sim, tra­zer de três a qu­a­tro atle­tas mais ex­pe­ri­en­tes pa­ra que pos­sa for­mar uma mes­cla ne­ces­sá­ria pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to dos mais jo­vens.”

“Pa­ra o ata­que, te­rá a vol­ta do Gustavo, que fez um gran­de cam­pe­o­na­to na Sé­rie B, foi o ar­ti­lhei­ro. É um que re­tor­na. Mas a gen­te ain­da tra­ba­lha pa­ra re­for­çar o ata­que, que foi um dos pro­ble­mas que o ti­me te­ve nes­te ano. Um meia é uma po­si­ção que bus­ca­mos tam­bém.”

“Ló­gi­co que o Co­rinthi­ans tem de ter os pés no chão, com res­pon­sa­bi­li­da­de. Nes­te ano, não fi­ze­mos lou­cu­ras, tra­ba­lha­mos em ci­ma des­se te­to sa­la­ri­al pa­ra co­lo­car as con­tas em or­dem o má­xi­mo pos­sí­vel. O clu­be tra­ba­lha, sim, com es­se te­to [de R$ 450 mil] e com jo­ga­do­res abai­xo dis­so tam­bém. Mas a gen­te não po­de fa­lar [a pa­la­vra] nun­ca no fu­te­bol.”

“Ló­gi­co que o Ca­ril­le te­ve uma pre­o­cu­pa­ção em sa­ber. Não de jo­ga­do­res es­pe­cí­fi­cos, mas qual a ideia de in­ves­ti­men­to do Co­rinthi­ans. Mas ele se mos­trou tam­bém mui­to se­gu­ro e confiante com o gru­po de jo­ga­do­res que nós te­mos. Al­gu­mas pe­ças a gen­te já bus­ca­va an­tes de acer­tar a vol­ta de­le. O Co­rinthi­ans tem sem­pre que fa­zer o me­lhor. Não fi­ze­mos um bom fim de ano, um bom Bra­si­lei­ro, sa­be­mos das ne­ces­si­da­des. E o Ca­ril­le acom­pa­nha e ago­ra nos ori­en­ta so­bre o que quer pa­ra o ti­me.”

“Não que­ro ci­tar no­mes. Tem al­guns jo­ga­do­res que o clu­be vem bus­can­do, com quem vem con­ver­san­do, mas se fa­lar em no­mes atra­pa­lha a ne­go­ci­a­ção. Tem mui­tos clu­bes bus­can­do re­for­ços. O Co­rinthi­ans pre­fe­re tra­ba­lhar qui­e­to pa­ra que te­nha su­ces­so na ne­go­ci­a­ção e tam­bém pa­ra não cri­ar uma ex­pec­ta­ti­va na tor­ci­da.”

“O Tar­del­li é um no­me que sur­ge no Co­rinthi­ans há cin­co anos, a ca­da seis me­ses. Is­so por ele ser um gran­de jo­ga­dor, não te­nho dú­vi­da ne­nhu­ma de que ele jo­ga­ria na maioria dos clu­bes. No Co­rinthi­ans, com cer­te­za. Ló­gi­co que in­te­res­sa, co­mo pa­ra qual­quer ou­tro clu­be. Mas é uma ne­go­ci­a­ção mui­to di­fí­cil, ele en­cer­rou ago­ra um con­tra­to no fu­te­bol chi­nês, tem ofer­tas de ou­tros clu­bes do mun­do to­do. En­tão, é um no­me com o qual a gen­te to­ma mui­to cui­da­do.”

“Sem­pre é uma pre­o­cu­pa­ção [a re­no­va­ção]. Ago­ra, de­pen­de sem­pre das du­as par­tes. A di­re­to­ria vem con­ver­san­do com ele já faz al­gum tem­po, não é de ho­je, mas não che­ga­mos a um acor­do. Ele tem in­te­res­se em fi­car, o Co­rinthi­ans tam­bém quer mui­to que ele fi­que. Ti­ve­mos al­gu­mas con­ver­sas e ago­ra a pró­xi­ma fi­cou pa­ra a re­a­pre­sen­ta­ção [em ja­nei­ro]. A dí­vi­da [com os em­pre­sá­ri­os que o trou­xe­ram] não atra­pa­lha. É uma ques­tão con­tra­tu­al com ele: tem­po, sa­lá­rio... É uma ne­go­ci­a­ção. Mas não de­pen­de de ter­cei­ros, não. É mais uma par­te en­tre o clu­be e o Ro­me­ro.”

“A gen­te te­ve al­gu­mas son­da­gens, mas ne­nhu­ma pro­pos­ta ofi­ci­al. Nem do Bo­rus­sia Dort­mund nem de ne­nhum ou­tro. Não po­de­mos tra­ba­lhar em ci­ma de uma hi­pó­te­se. Não dá pa­ra fa­lar que só va­mos ven­der aci­ma ou abai­xo da mul­ta res­ci­só­ria. Ló­gi­co que o Co­rinthi­ans vê pa­ra ele um gran­de fu­tu­ro, é ti­tu­lar da equi­pe. Mas não dá pa­ra tra­ba­lhar em ci­ma de va­lo­res que são só es­pe­cu­la­ções, va­mos es­pe­rar pro­pos­tas ofi­ci­ais pa­ra que a gen­te pos­sa pen­sar. A ideia é que o Pe­dri­nho fi­que mais tem­po no Co­rinthi­ans.”

“Um ti­me co­mo o Co­rinthi­ans tem de en­trar sem­pre pa­ra ga­nhar to­dos os cam­pe­o­na­tos. Não dá pa­ra de­fi­nir a pri­o­ri­da­de.”

Ru­bens Ca­val­la­ri/folhapress

O diretor de fu­te­bol Duí­lio Mon­tei­ro Al­ves du­ran­te en­tre­vis­ta exclusiva ao Ago­ra no Par­que São Jor­ge

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.