Deus es­tá nas coin­ci­dên­ci­as

Agora - - Vencer - Vi­tor Gu­e­des é jor­na­lis­ta, ZL, equi­li­bra­do e pai do Ba­sí­lio

Cor­rer, brin­car, jo­gar bo­la. Re­cla­mar da li­ção de ca­sa da es­co­la. A ale­gria da vi­da es­tá no ges­to pri­má­rio. Que ho­je se cha­ma en­si­no fun­da­men­tal. Me­ra ques­tão de no­men­cla­tu­ra. À ve­ra, mu­dou tu­do. E não mu­dou ri­go­ro­sa­men­te na­da. Ain­da so­mos os mes­mos. E vi­ve­mos. Co­mo nos­sos pais. Ou­tro ce­ná­rio, a mes­ma his­tó­ria. A se­nha do wifi, de ago­ra, é a fi­cha do fli­pe­ra­ma de ou­tro­ra. Ata­ri aten­de por Plays­ta­ti­on. To­do mun­do ti­ra a sua cas­qui­nha. An­tes era uma ou du­as bo­las, ago­ra o sor­ve­te é por qui­lo. Ah, ras­pa­di­nha é sem­pre ras­pa­di­nha. Pas­sa­ram os anos, mu­dou a gos­to­sa. Pa­ra o pa­pai, ca­nho­to des­de a aber­tu­ra de Ti­e­ta, o de­se­jo aten­dia por Isa­do­ra; pa­ra o fi­lho, to­do di­rei­to, Anit­ta, “vai, ma­lan­dra”, é a de­lí­cia da ho­ra. O “da ho­ra” do ve­lho, usa­do nos anos 80, é o mes­mo do fi­lho, em uso nos no­vos anos 10, se­gun­da dé­ca­da des­te mi­lê­nio. Ga­ro­ti­nho pe­ral­ta. Ma­mãe sa­be tu­do, co­mo Ma­ria Do­lo­res, a vo­vó, tam­bém sa­bia, mas fin­ge que não é com ela, que nem des­con­fia. Se­gue o bon­de, cha­ma o Uber, con­ti­nua a vi­da. Caiu em de­su­so o “su­pim­pa”. O “bo­be­ou, a gen­te pim­ba”. Caiu tam­bém, pa­ra sem­pre, a fi­cha. Não exis­te mais nem o car­tão. Des­li­gar o bi­pe pa­ra ir pa­ra a gan­daia, apli­que. Quem sa­be faz a ho­ra. Na­da de K7, re­mix. Ago­ra tu­do, in­clu­si­ve show, som, é no Spo­tify, no Net­flix. Não ro­la mais Aqua­play pa­ra os di­as sem Co­rinthi­ans na TV. An­ti­ga­men­te, pa­ra o pai, Co­rinthi­ans era com o vô no ra­di­nho de pi­lha AM. An­tes dos re­vo­lu­ci­o­ná­ri­os fo­nes do walk­man. Ahn, o que é AM? É aque­las es­ta­ções que nin­guém mais con­se­gue sin­to­ni­zar? Ahan. Is­so mes­mo. O so­fri­men­to pe­lo Co­rinthi­ans se­gue o mes­mo. É o des­ti­no. De pai pa­ra o fi­lho. Que não sa­be o que é se­le­tor de te­le­vi­sor bran­co e pre­to. Nem nun­ca chu­tou uma bo­la de ca­po­tão. Mas que her­dou o amor pe­lo fu­te­bol de bo­tão. No dia 10, de­pois de ama­nhã, Ba­sí­lio che­ga aos 10. E empata a ida­de do pai. Pa­re­ce que foi on­tem. “O adul­to não exis­te. O ho­mem é um me­ni­no pe­re­ne.” Nel­son Ro­dri­gues sa­bia e, eter­no, sem­pre sa­be­rá das coi­sas. Mas, co­mo una­ni­mi­da­de é bur­ra, errou em uma: “As gran­des con­vi­vên­ci­as es­tão a um mi­lí­me­tro do té­dio.” Não pa­ra quem, há 10 anos, vol­tou a ser me­ni­no ao con­vi­ver com Ba­sí­lio. “Deus es­tá nas coin­ci­dên­ci­as.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.