Tra­ba­lha­dor po­bre não con­se­gue be­ne­fí­cio por tem­po de con­tri­bui­ção

Agora - - Grana - (FSP)

Pe­las re­gras atu­ais do INSS, quem não con­se­gue se man­ter num em­pre­go com car­tei­ra as­si­na­da por um lon­go pra­zo tem que se apo­sen­tar por ida­de, num pa­ta­mar pró­xi­mo do mí­ni­mo es­tu­da­do pe­la equi­pe econô­mi­ca.

Quan­do um ido­so po­bre (65 anos) não atin­ge nem os 15 anos mí­ni­mos de con­tri­bui­ção exi­gi­dos, ele aca­ba re­ce­ben­do um au­xí­lio as­sis­ten­ci­al —o BPC (Be­ne­fí­cio de Pres­ta­ção Con­ti­nu­a­da)— no va­lor do sa­lá­rio mí­ni­mo.

“Os mais po­bres já se apo­sen­tam nu­ma ida­de mais ele­va­da”, diz o se­cre­tá­ri­o­ad­jun­to de Pre­vi­dên­cia, Le­o­nar­do Ro­lim.

Nos es­ta­dos mais po­bres, mes­mo aque­las pes­so­as que con­se­guem atin­gir os cri­té­ri­os da aposentadoria por tem­po de con­tri­bui­ção, aca­bam se apo­sen­tan­do mais tar­de que nas re­giões mais de­sen­vol­vi­das.

O go­ver­no pre­ci­sa­rá ali­nhar bem a ba­se no Con­gres­so pa­ra apro­var a re­for­ma, que de­pen­de do aval de três quin­tos da Câ­ma­ra e do Se­na­do. Os es­ta­dos mais afe­ta­dos fo­ram gran­des elei­to­res de Bol­so­na­ro.

In­te­gran­te do con­se­lho con­sul­ti­vo cri­a­do por Pau­lo Gu­e­des pa­ra a re­for­ma, o eco­no­mis­ta Pau­lo Taf­ner de­fen­de que a cri­a­ção da ida­de mí­ni­ma é qu­es­tão de jus­ti­ça so­ci­al. “Pa­ra os mais po­bres, a ida­de de aposentadoria é al­ta e pa­ra ri­cos, bai­xa. O sis­te­ma trans­fe­re mui­to mais di­nhei­ro pa­ra quem tem mais ren­da. Es­sa de­si­gual­da­de mos­tra que a Pre­vi­dên­cia tem pro­ble­ma e que é pre­ci­so fa­zer mu­dan­ças.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.