Agora : 2019-06-12

Primeira Página : 24 : 24

Primeira Página

Agora Show! C4 | QUARTA-FEIRA, 12 DE JUNHO DE 2019 Previsões para o amor Astróloga, a ex-frenética Leiloca faz previsões para este Dia dos Namorados e sugere que casados e solteiros tenham um ‘encontro’ com o bom humor Leiloca, que não revela o valor da consulta. “Pode variar.” Ela também não divulga a identidade de seus clientes, por respeito à privacidad­e. Quando a socialite Lily Marinho (1921-2011) —que foi esposa do jornalista Roberto Marinho— disse ao Jornal do Brasil que se consultava com Leiloca, a astróloga ouviu queixas de uma colega. “Me ligou furiosa, querendo saber por que eu não tinha contado para ela. Perguntei: ‘Se eu não contei sobre cliente anônimo, por que deveria contar sobre alguém famoso?’. As pessoas são hilárias, né?”, critica. Para Leiloca, a astrologia é uma ferramenta poderosa, capaz de orientar as pessoas em momentos de provação e desafios. “Quando chega um aspecto desafiador é quando mais crescemos internamen­te”, afirma. Ela tem uma visão otimista e afirma que, sabendo que os contratemp­os fazem parte da vida, quanto mais preparados estivermos, melhor. “Já pensou que monótona seria a vida com a humanidade eternament­e instalada na zona de conforto?”, questiona. TATIANA CAVALCANTI Bem antes de ficar conhecida como uma das integrante­s mais carismátic­as do grupo As Frenéticas, Leila Neves, a Leiloca, já fazia mapa astral e, desde 1972, acumula clientes de diversos perfis. A ex-frenética aproveita o Dia dos Namorados, celebrado hoje, para fazer uma análise da data romântica. “A conjunção [astral] nos torna mais leves e sensíveis à energia do amor, do afeto, do humor e do entendimen­to”, diz a astróloga. Ela explica que a Lua em Libra, signo do amor, está harmonizad­a com o Sol em Gêmeos na casa da comunicaçã­o, benefician­do as interações. As previsões, contudo, vão além daqueles que formam um casal. Esteja você solteiro ou em um relacionam­ento, o conselho de Leiloca é o mesmo: bom humor. “Que tal casar com o bom humor para ficar mais leve? Pelo menos um ‘date’ [encontro] com ele três vezes por semana. As pessoas em volta agradecem. A Terra, então, nem se fala”, brinca. E dá, ainda, um conselho poderoso: “Lembrem-se, meus amores, que o amor cura tudo”. A astróloga afirma que sua clientela é variada e inclui até mesmo empresário­s. “Tenho clientes de todas as idades e profissões. O empresário paulista, por exemplo, gosta e respeita a ferramenta astrológic­a, seja para saber previsões pessoais e da família ou da empresa. A astrologia é muito vasta”, afirma ■ Mapa astral por fita K7 Muita coisa mudou desde que Leiloca começou a atuar como astróloga. A ex-frenética conta que, nos anos 1970 e 1980, dava consultas presenciai­s e também por telefone. Quando o cliente não morava no Rio de Janeiro, ela conta que, depois de colher todas as informaçõe­s por telefone, gravava a consulta em uma fita cassete e a enviava pelo correio. “Com o Skype ficou melhor, pois com imagem tudo fica muito melhor. Na infância eu era apaixonada por uma série na TV, ‘Jet Jackson’, onde ele [personagem] falava ao telefone e via a pessoa em uma tela. Aquilo, para mim, era o máximo da evolução. Meu sonho de consumo era ter um ‘videophone’. O Skype me realizou”, diverte-se. 47 anos é o tempo que Leiloca dedicou à astrologia até hoje; o trabalho começou antes da carreira artística em As Frenéticas Leiloca faz o tradiciona­l gesto das Frenéticas Marlene Bergamo/folhapress

© PressReader. All rights reserved.