SIM­PLES, CRU E ( UM POU­CO) MALVADO

O grun­ge po­de não tert du­ra­do mui­to tem­po, mas foi o bas­tan­te pa­ra pro­vo­car uma m mu­dan­ça que ain­da ho­je se faz sen­tir no rock, ao le­var o un­der­ground pa­ra as pa­ra­das mu­si­cais

ALMANAQUE DO ROCK - EDIÇÃO DE COLECIONADOR - - Sexta Era -

Quan­do se fa­la em rock dos anos 90, é

di­fí­cil não vir à ca­be­ça a palavra grun­ge, uma es­pé­cie de hí­bri­do en­tre o hard rock, o ga­ra­ge rock dos anos 60 e o punk. Com cer­te­za, foi o fenô­me­no mais in­flu­en­te e mar­can­te da­que­la épo­ca, um di­vi­sor de águas na his­tó­ria do rock. Mas não foi só is­so, a sex­ta era do rock tam­bém fi­cou mar­ca­da pe­las ban­das in­gle­sas co­mo Oa­sis, Pulp e Ste­re­opho­nics e fi­gu­ras mais al­ter­na­ti­vas, bem re­pre­sen­ta­das por PJ Har­vey e Ra­di­ohe­ad. Tam­bém hou­ve ino­va­ções no he­avy me­tal, que viu a fu­são de ele­men­tos ele­trô­ni­cos com as ex­pe­ri­men­ta­ções do cha­ma­do som in­dus­tri­al e do rap, cri­an­do as raí­zes do “nu me­tal”.

O GRUN­GE

Pro­va­vel­men­te a pri­mei­ra ban­da de Se­at­tle (e do mun­do) que se en­cai­xa no ró­tu­lo “grun­ge” é o Gre­en Ri­ver, cu­jo som po­de ser des­cri­to co­mo um cru­za­men­to en­tre o Sto­o­ges e o Black Sab­bath. O gru­po aca­bou em 1988, mas deu ori­gem a du­as das mais im­por­tan­tes ban­das da dé­ca­da se­guin­te: Mudho­ney e Pe­arl Jam. Fe­liz­men­te, o Gre­en Ri­ver não es­ta­va só, na mes­ma épo­ca já des­pon­ta­vam ban­das co­mo o Sound­gar­den e o The Mel­vins, que con­tri­buí­ram e in­flu­en­ci­a­ram to­da a ce­na que nas­ce­ria em Se­at­tle e re­gião. Em mar­ço de 1986, foi lan­ça­do aque­le que mui­tos con­si­de­ram a pe­dra fun­da­men­tal do es­ti­lo: a co­le­tâ­nea De­ep Six, com fai­xas das três ban­das ci­ta­das mais Mal­funkshun, Skinyard e The U-Men. Na ver­da­de, a ex­plo­são do Nir­va­na, em 1991, re­ve­lou uma ce­na que já fer­via há al­gum tem­po. De re­pen­te, ál­buns que já es­ta­vam es­que­ci­dos pe­las pró­pri­as ban­das ad­qui­ri­ram im­por­tân­cia. Mas não foi só: ávi­dos por “no­vos Nir­va­nas”, pro­du­to­res do mun­do to­do as­si­na­vam com qual­quer ban­da que fi­zes­se al­go pe­sa­do. Po­de-se di­zer que es­sa ge­ra­ção fez o ca­mi­nho in­ver­so dos punks da dé­ca­da de 70: ti­rou o rock pe­sa­do e su­jo do un­der­ground e o le­vou pa­ra as pa­ra­das de su­ces­so.

O fenô­me­no grun­ge, en­tre­tan­to, so­freu um gran­de gol­pe com a mor­te de Kurt Co­bain. Por sor­te, pra­ti­ca­men­te ao mes­mo tem­po, na Ca­li­fór­nia, sur­gia uma no­va le­va de ban­das. Com ba­se no he­avy me­tal, mas in­flu­en­ci­a­dos pe­lo grun­ge bem co­mo ou­tras ten­dên­ci­as nem tão li­ga­das ao rock, mas igual­men­te con­tes­ta­do­ras, co­mo o hip hop e a música ele­trô­ni­ca mais un­der­ground (ou “in­dus­tri­al”), gru­pos co­mo Korn e Def­to­nes fi­ze­ram a ca­be­ça da mo­le­ca­da. Em pou­co tem­po, um no­vo sub­gê­ne­ro nas­cia, por uns cha­ma­do de “nu me­tal”, por ou­tros de “new me­tal” e ain­da, “al­ter­na­ti­ve me­tal”. Fãs mais pre­sos ao me­tal tra­di­ci­o­nal tor­ce­ram o na­riz, mas o no­vo es­ti­lo pre­en­cheu o es­pa­ço que fi­ca­ra va­go com o fim da on­da de Se­at­tle. Pa­ra o bem ou pa­ra o mal.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.