Es­qui­zo­fre­nia: o tra­ta­men­to pre­co­ce re­duz os da­nos

Ana Maria - - MODA -

Aes­qui­zo­fre­nia é um trans­tor­no men­tal gra­ve de evo­lu­ção crô­ni­ca que atin­ge cer­ca de 1% da po­pu­la­ção e en­vol­ve sin­to­mas de am­plo es­pec­tro. Atu­al­men­te, pes­qui­sa­do­res pro­cu­ram clas­si­fi­car me­lhor a do­en­ça, dei­xan­do de de­fi­ni-la, equi­vo­ca­da­men­te, co­mo es­qui­zo­fre­nia pa­ra­noi­ca, por exem­plo, cu­jo di­ag­nós­ti­co era da­do à pes­soa que se sen­tia per­se­gui­da. O que traz be­ne­fí­ci­os é o apoio e o tra­ta­men­to pre­co­ce. As­sim, o di­ag­nós­ti­co atu­al im­pli­ca em ha­ver ao me­nos dois dos se­guin­tes sin­to­mas (e um des­ses sin­to­mas de­ve ser um dos três pri­mei­ros da lis­ta a se­guir): alu­ci­na­ções; de­lí­ri­os; dis­cur­so de­sor­ga­ni­za­do; com­por­ta­men­to de­sor­ga­ni­za­do; sin­to­mas ne­ga­ti­vos. Mas o que é alu­ci­na­ção? É a per­cep­ção de al­go ine­xis­ten­te por meio dos cin­co sen­ti­dos (ou­vir vo­zes que não exis­tem, sen­tir chei­ro, sa­bor, ver, ter sen­sa­ção tá­til de coi­sas que só acon­te­cem no sis­te­ma sen­so­ri­al do in­di­ví­duo). E de­lí­rio? É acre­di­tar num fa­to que não é re­al. Ou in­ter­pre­tar al­go que acon­te­ce de ma­nei­ra di­fe­ren­te da re­a­li­da­de. Já os sin­to­mas ne­ga­ti­vos re­pre­sen­tam o iso­la­men­to, a bai­xa ex­pres­são de afe­to, pou­ca co­mu­ni­ca­ção e di­fi­cul­da­de de se cui­dar e or­ga­ni­zar. Es­qui­zo­frê­ni­cos po­dem se re­cu­pe­rar e le­var uma vi­da nor­mal (exis­te a re­cu­pe­ra­ção, mas não a cu­ra) ou, opos­ta­men­te, a do­en­ça po­de ser in­ca­pa­ci­tan­te. Por is­so, medidas pre­ven­ti­vas são fun­da­men­tais. His­tó­ri­co fa­mi­li­ar de es­qui­zo­fre­nia po­de au­men­tar o ris­co, de mo­do que aten­ção ao trans­tor­no é re­do­bra­da. O uso de subs­tân­ci­as co­mo a ma­co­nha tam­bém po­de pre­ci­pi­tar o sur­to. Em to­do ca­so, após o pri­mei­ro epi­só­dio, é fun­da­men­tal dar con­ti­nui­da­de ao tra­ta­men­to, pa­ra evi­tar re­caí­das

(ca­da re­caí­da pi­o­ra a con­di­ção ce­re­bral). An­ti­de­pres­si­vos e an­si­o­lí­ti­cos fa­zem par­te do tra­ta­men­to, mas ele cos­tu­ma ser fo­ca­do em an­tip­si­có­ti­cos. Psi­có­lo­gos, as­sis­ten­tes so­ci­ais e te­ra­peu­tas ocu­pa­ci­o­nais com­põem a equi­pe mul­ti­dis­ci­pli­nar.

“Es­qui­zo­frê­ni­cos po­dem se re­cu­pe­rar e le­var uma

vi­da nor­mal (exis­te a re­cu­pe­ra­ção, mas não a cu­ra) ou, opos­ta­men­te,

a do­en­ça po­de ser in­ca­pa­ci­tan­te. Por is­so, medidas pre­ven­ti­vas são fun­da­men­tais”

LUIZ SCOCCA É psi­qui­a­tra com mais de 20 anos de aten­di­men­to em con­sul­tó­rio pró­prio, além da par­ti­ci­pa­ção em gru­pos de es­tu­do, con­gres­sos e pro­je­tos so­ci­ais. For­ma­do pe­la USP e mem­bro das as­so­ci­a­ções bra­si­lei­ra e ame­ri­ca­na de psi­qui­a­tria: ABP e APA.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.