Cri­an­ças e ado­les­cen­tes têm pres­são al­ta, sim!

Ana Maria - - VOCÊ E A GAROTADA - D. M., por e-mail

Meu filho de 11 anos es­tá aci­ma do pe­so e foi di­ag­nos­ti­ca­do com pres­são al­ta. Fi­quei as­sus­ta­da... Es­se não é um mal ape­nas de adul­tos?”

“Es­ti­ma-se que en­tre 25 e 30% da po­pu­la­ção mun­di­al adul­ta se­ja por­ta­do­ra de pres­são al­ta. Mui­to as­so­ci­a­da pe­los lei­gos com a ve­lhi­ce, na ver­da­de, sa­be-se que em um nú­me­ro con­si­de­rá­vel de ca­sos ela se ini­cia ain­da na in­fân­cia

ou ado­les­cên­cia”

A hi­per­ten­são é um gra­ve pro­ble­ma de saú­de pú­bli­ca em to­do o mun­do. Ne­nhu­ma ou­tra do­en­ça crô­ni­ca é tão co­mum. Es­ti­ma-se que en­tre 25 e 30% da po­pu­la­ção mun­di­al adul­ta se­ja por­ta­do­ra de pres­são al­ta. Mui­to as­so­ci­a­da pe­los lei­gos com a ve­lhi­ce, na ver­da­de, sa­be­se que em um nú­me­ro con­si­de­rá­vel de ca­sos ela se ini­cia ain­da na in­fân­cia ou na ado­les­cên­cia. A mai­or par­te dos hi­per­ten­sos não tem uma cau­sa úni­ca evi­den­te pa­ra o seu apa­re­ci­men­to e, por is­so, cha­ma­mos o pro­ble­ma de “pri­má­rio”. Uma par­ce­la pe­que­na da po­pu­la­ção po­de ter a for­ma “se­cun­dá­ria”, em que uma cau­sa úni­ca é iden­ti­fi­ca­da, tra­ta­da e o qua­dro eli­mi­na­do (“cu­ra­do”). É fun­da­men­tal que os mé­di­cos, in­cluin­do o pe­di­a­tra, fi­quem aten­tos pa­ra a me­di­da fre­quen­te e ade­qua­da da pres­são.

Ape­nas nos úl­ti­mos 40 anos, a ques­tão da hi­per­ten­são re­ce­beu a de­vi­da aten­ção na po­pu­la­ção de cri­an­ças e ado­les­cen­tes, com a pu­bli­ca­ção de nor­mas e di­re­tri­zes pa­ra sua ava­li­a­ção. Sus­pei­tan­do-se do mal, uma in­ves­ti­ga­ção es­pe­cí­fi­ca de­ve ser re­a­li­za­da, le­van­do em con­ta a ida­de da cri­an­ça e o grau de ele­va­ção da pres­são. Só as­sim o tra­ta­men­to ade­qua­do po­de ser re­a­li­za­do.

Além das cau­sas, é pre­ci­so tam­bém se pre­o­cu­par com as con­sequên­ci­as da do­en­ça so­bre os cha­ma­dos “ór­gãos-al­vo” (co­ra­ção, cé­re­bro, rins, re­ti­na, en­tre ou­tros). Si­tu­a­ções co­mo o in­far­to agu­do do mi­o­cár­dio (IAM) e o acidente vas­cu­lar ce­re­bral (AVC) têm o pro­ble­ma co­mo um im­por­tan­te fa­tor de ris­co. En­con­trar pre­co­ce­men­te os ca­sos de ele­va­ção per­sis­ten­te da pres­são per­mi­te re­a­li­zar ade­qua­da­men­te a in­ves­ti­ga­ção e o tra­ta­men­to. O re­sul­ta­do é a di­mi­nui­ção de mor­tes e ou­tros ma­les gra­ves, es­pe­ci­al­men­te os car­di­o­vas­cu­la­res.

ABEL MAGALHÃES Car­di­o­lo­gis­ta e clí­ni­co ge­ral. Gra­du­a­do em me­di­ci­na e re­si­dên­cia em clí­ni­ca mé­di­ca pe­la Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral do Rio de Ja­nei­ro; mes­tra­do em ci­ên­ci­as da re­a­bi­li­ta­ção pe­la Re­de SARAH; mes­tra­do e dou­to­ra­do em car­di­o­lo­gia pe­la Fa­cul­da­de de Me­di­ci­na da UFRJ.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.