Agra­de­cer só nos faz crescer!

Ana Maria - - | MENSAGEM DA KARLINHA | - KAR­LA PRE­CI­O­SO

Dê va­lor a tu­do o que a vi­da lhe ofe­re­ce. O agra­de­ci­men­to só nos faz crescer... e acal­ma a men­te

Con­ver­sa en­tre ami­gas

“Sou mui­to an­si­o­sa e sei o quan­to is­so é ruim e ain­da pre­ju­di­ca a mi­nha saú­de. Ape­sar de que­rer mu­dar pa­ra me sen­tir mais tran­qui­la, não con­si­go re­la­xar e se­guir com cal­ma. O que pos­so fa­zer?”

Amai­o­ria de nós ten­de a re­cla­mar mui­to e agra­de­cer pou­co. Aliás, vi­ve­mos nu­ma bus­ca in­ces­san­te, em que quan­to mai­o­res as nos­sas con­quis­tas, mai­o­res são os nos­sos de­se­jos. E as­sim nun­ca es­ta­mos ple­na­men­te sa­tis­fei­tas... Con­cor­da? Mas, se em vez de se las­ti­mar vo­cê de­ci­dir agra­de­cer, lo­go se da­rá con­ta das inú­me­ras bên­çãos que re­ce­be – e ve­rá que o que tem po­de ser su­fi­ci­en­te. Por is­so, agra­de­ça sem­pre. Dê mais va­lor a tu­do o que a vi­da lhe ofe­re­ce. O agra­de­ci­men­to nos faz crescer e ain

da acal­ma a men­te. Além dis­so, um co­ra­ção gra­to pro­pi­cia o mais vir­tu­o­so dos pra­ze­res, que é a li­ber­ta­ção da an­si­e­da­de, dos ape­gos e do des­con­ten­ta­men­to. No li­vro En­tu­si­as­mo (Editora Siddha Yo­ga Dham Brasil), o au­tor Gu­ru­mayi Chid­vi­la­sa­nan­da diz: “Quan­do nos tor­na­mos gra­tos, re­ce­be­mos um tan­to. Quan­do ex­pres­sa­mos nos­sa gra­ti­dão, re­ce­be­mos um tan­to a mais. Es­ta é a lei da na­tu­re­za”. É is­so: sen­do gra­ta, o ca­mi­nho pa­ra al­can­çar o que al­me­ja se tor­na mais cur­to e tran­qui­lo. Boa se­ma­na e fi­que com Deus.

Leia ou­tras men­sa­gens da Kar­li­nha em: ana­ma­ria.uol.com.br

W. G., por e-mail

Se vo­cê diz que não con­se­gue mu­dar, não con­se­gui­rá mes­mo! Mu­dan­ças são de­cor­ren­tes da for­ça de von­ta­de. Sei que não é tão sim­ples as­sim, mas, en­quan­to não pro­var pa­ra si mes­ma que é mais for­te que a an­si­e­da­de, con­ti­nu­a­rá se­guin­do a mes­ma tri­lha. E, co­mo per­cor­rer uma es­tra­da re­ta du­ran­te mui­to tem­po po­de se tor­nar bem can­sa­ti­vo, va­le ten­tar al­guns des­vi­os, ain­da que vo­cê tro­pe­ce al­gu­mas ve­zes. Ao se le­van­tar, acre­di­te, vo­cê já se sen­ti­rá for­te pa­ra ven­cer o pró­xi­mo de­sa­fio. E as­sim a pes­soa an­si­o­sa da­rá lu­gar a uma mu­lher de­ci­di­da. Dê um pas­so por vez e, aos pou­cos, per­ce­be­rá que só a se­re­ni­da­de é ca­paz de abrir seus olhos pa­ra as so­lu­ções e a fe­li­ci­da­de de fa­to. Boa sor­te!

Sua ami­ga, Kar­li­nha

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.