An­tes de se en­tre­gar, lu­te!

Ana Maria - - MENSAGEM DA KARLINHA - KAR­LA PRE­CI­O­SO

An­tes de de­sa­ni­mar, lem­bre-se de que só al­can­ça o su­ces­so quem in­sis­te, ape­sar dos pe­sa­res

Con­ver­sa en­tre ami­gas “Co­nhe­ci uma pes­soa e acha­va que nos­sa re­la­ção não pas­sa­va de ami­za­de. Mas, com o pas­sar do tem­po, me apai­xo­nei. Acon­te­ce que ele é meu me­lhor ami­go e não sei o que eu fa­ço...”

Em al­gum mo­men­to, a vi­da vai nos dar uma ras­tei­ra. Não há co­mo fu­gir! E is­so ten­de a nos fa­zer sen­tir des­mo­ti­va­das, sem im­por­tân­cia mes­mo. Gran­de er­ro! Amas­sa­das ou in­tei­ras, ma­gras ou gor­das, al­tas ou bai­xas, ja­mais per­de­mos o va­lor. Se­ja a si­tu­a­ção boa ou ruim, con­ti­nu­a­mos ca­pa­zes. Por­tan­to, an­tes de de­sa­ni­mar por­que fra­cas­sou aqui ou ali, lem­bre-se de que só al­can­ça o su­ces­so quem in­sis­te, ape­sar dos pe­sa­res. An­tes de cons­truir a Dis­ney­lân­dia, Walt Dis­ney (1901-1966) tam­bém amar

gou a fa­lên­cia vá­ri­as ve­zes. Mas ele nun­ca se sen­tiu in­ca­paz. Pe­lo con­trá­rio: ca­da tom­bo que levava era um in­cen­ti­vo pa­ra se re­er­guer e con­ti­nu­ar lu­tan­do. Não é à toa que se tor­nou um exem­plo de su­ces­so e su­pe­ra­ção. As­sim acon­te­ce com to­dos que per­se­guem seus so­nhos. En­tão, an­tes de se en­tre­gar, pen­se: ain­da há mui­tas ten­ta­ti­vas a fa­zer, mui­ta gen­te pa­ra pro­cu­rar, mui­tas con­quis­tas pa­ra al­can­çar. Não há li­mi­tes pa­ra quem não de­sis­te. An­tes de se en­tre­gar, lu­te! Boa se­ma­na e fi­que com Deus.

Leia ou­tras men­sa­gens da Kar­li­nha em: ana­ma­ria.uol.com.br

F. V., por e-mail

Ge­ral­men­te, ama­mos quem nos faz bem e nos iden­ti­fi­ca­mos. Por is­so, se apai­xo­nar por um ami­go não é coi­sa do ou­tro mun­do! O pro­ble­ma é o tal ró­tu­lo “meu me­lhor ami­go”. Is­so faz vo­cê achar que o amor car­nal não po­de exis­tir en­tre vo­cês. Que bo­ba­gem! Per­mi­ta que es­se sen­ti­men­to ve­nha à to­na. De­cla­re-se. Uma ho­ra ele tem que sa­ber.

En­quan­to vo­cê guar­dar pa­ra si o que sen­te, não vai sa­ber se o sen­ti­men­to é re­cí­pro­co ou não.

Vai que ele sen­te o mes­mo e tam­bém es­tá in­se­gu­ro em se de­cla­rar? Re­sol­va lo­go a si­tu­a­ção. Che­ga de vi­ver na an­gús­tia e in­cer­te­za. Se a re­cí­pro­ca não for ver­da­dei­ra, bo­la pra fren­te. O que não dá pa­ra fa­zer é su­fo­car o amor. Cor­ra o ris­co!

Sua ami­ga, Kar­li­nha

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.