Va­le a pe­na ten­tar no­va­men­te!

Ana Maria - - | MENSAGEM DA KARLINHA | - KAR­LA PRE­CI­O­SO

Si­ga em fren­te de ca­be­ça er­gui­da. É en­fren­tan­do as

di­fi­cul­da­des que vo­cê fi­ca mais for­te, acre­di­te

Con­ver­sa en­tre ami­gas

“Amo mi­nha noi­va, mas caí em ten­ta­ção e a traí. Me sin­to in­co­mo­da­do por tê-la en­ga­na­do, po­rém fi­co re­ce­o­so de con­tar a ver­da­de e ela não me per­do­ar. Es­tou mui­to con­fu­so.

O que eu fa­ço?”

Quan­do vo­cê pas­sar por um mo­men­to di­fí­cil, não pen­se que seus es­for­ços se­rão em vão. Con­ti­nue lu­tan­do, por­que tu­do o que acon­te­ce ago­ra é ne­ces­sá­rio pa­ra vo­cê vi­ver me­lhor ama­nhã. Não de­sa­ni­me, per­sis­ta. Ten­te quan­tas ve­zes jul­gar ne­ces­sá­rio. Por­que a lu­ta pe­la fe­li­ci­da­de na­da mais é que a so­ma de nos­sas pe­que­nas ba­ta­lhas diá­ri­as... Sim, vez ou ou­tra, vo­cê po­de até se sen­tir en­fra­que­ci­da, mas nem por is­so se con­si­de­re der­ro­ta­da. Na mai­o­ria das ve­zes, nos­so apa­ren­te fra­cas­so é

jus­ta­men­te a por­ta que nos con­du­zi­rá a um no­vo e bom ca­mi­nho. Por­tan­to, si­ga em fren­te de ca­be­ça er­gui­da. É en­fren­tan­do as di­fi­cul­da­des que vo­cê fi­ca mais for­te. É su­pe­ran­do os li­mi­tes que vo­cê cres­ce. É re­sol­ven­do os pro­ble­mas que vo­cê ama­du­re­ce. É de­sa­fi­an­do o pe­ri­go que vo­cê des­co­bre a co­ra­gem. É is­so: quan­do a dor te pe­gar, não mur­mu­re nem ques­ti­o­ne. Sim­ples­men­te acre­di­te que aqui­lo é pas­sa­gei­ro e ne­ces­sá­rio pa­ra trans­for­mar (pa­ra me­lhor) a sua vi­da. Boa se­ma­na e fi­que com Deus.

Leia ou­tras men­sa­gens da Kar­li­nha em: ana­ma­ria.uol.com.br

R. B., por e-mail

Não tem na­da pi­or que uma pes­soa des­co­brir que foi en­ga­na­da. Por­tan­to, mes­mo que a ver­da­de doa, é me­lhor op­tar por ela (sem fa­lar que men­ti­ra tem per­na cur­ta e o mal­fei­to nem per­na tem). Con­fes­se o seu des­li­ze e sua chan­ce de ser per­do­a­do se­rá mai­or. Já se ela des­co­brir so­zi­nha, não vai mais con­fi­ar em vo­cê. E sem con­fi­an­ça não há re­la­ção. Fo­ra is­so, quem men­te pas­sa a con­vi­ver com os fan­tas­mas da men­ti­ra em si e o do me­do de ser des­co­ber­to. En­tão, re­fli­ta se va­le a pe­na co­lo­car em ris­co uma re­la­ção só­li­da em tro­ca de um bre­ve mo­men­to de pra­zer. As­su­ma seu er­ro. É mais fá­cil re­le­var uma fra­que­za mo­men­tâ­nea do que uma eter­na men­ti­ra.

Sua ami­ga, Kar­li­nha

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.