ADO­LES­CÊN­CIA dos cães e ga­tos

Acre­di­te: as­sim co­mo nós, eles pas­sam por is­so. Abai­xo, sai­ba o que ocor­re nes­sa fa­se e de que for­ma vo­cê de­ve agir pa­ra ga­ran­tir o bem-es­tar do seu pe­lu­do

Ana Maria - - BICHOS - Jú­lia Ar­bex

CA­CHOR­RO

“A ado­les­cên­cia de um cão sur­ge aos 6 me­ses de ida­de e vai até pou­co mais de 1 ano. A pro­du­ção mai­or de hormô­ni­os acar­re­ta em mu­dan­ças de in­te­res­ses e po­de com­pli­car a re­la­ção dos pets com seus tu­to­res”, ex­pli­ca Clei­ton Ru­po­lo, ve­te­ri­ná­rio da Nu­tri­re. Se­gun­do ele, é im­por­tan­te que to­dos da ca­sa usem as mes­mas pa­la­vras de co­man­do e com­pre­en­dam que tu­do o que o ani­mal apren­der ago­ra vai le­var pa­ra a fa­se adul­ta. Quan­do o cão já é ades­tra­do, po­de acon­te­cer de não obe­de­cer co­mo an­tes e, por is­so, pa­ci­ên­cia é o se­gre­do da co­mu­ni­ca­ção efi­ci­en­te. Além dis­so, o pe­lu­do po­de fi­car mais co­ra­jo­so e ins­ti­ga­do. Mui­tas fê­me­as, por exem­plo, não acei­tam a com­pa­nhia de ou­tras fê­me­as – o que po­de ge­rar con­fron­tos. Já os ma­chos cos­tu­mam se in­te­res­sar pe­las fê­me­as e mar­cam ter­ri­tó­rio, po­den­do ge­rar bri­gas com ou­tros ma­chos. “Não se es­que­ça de dei­xar sem­pre cla­ro qu­em é o lí­der, po­rém evi­te pu­ni­ções, gri­tos e xin­ga­men­tos. Is­so só afas­ta seu cão­zi­nho de vo­cê. Afe­to é sem­pre a me­lhor for­ma de li­dar com a re­bel­dia do seu pet”, afir­ma.

GA­TO

Nes­ta fa­se (en­tre 1 e 2 anos), os fe­li­nos cos­tu­mam dor­mir mais do que quan­do eram fi­lho­tes. Por­tan­to, não es­tra­nhe se o ani­mal des­can­sar por 15 ou 16 ho­ras por dia. Ru­po­lo tam­bém aler­ta pa­ra os mó­veis es­tra­ga­dos. “Se vo­cê não de­se­ja ter so­fás e pol­tro­nas ar­ra­nha­das, in­vis­ta em um ar­ra­nha­dor, pois o ga­ti­nho ado­les­cen­te é ex­tre­ma­men­te cu­ri­o­so e qual­quer am­bi­en­te po­de ter coi­sas in­te­res­san­tes e atra­ti­vas pa­ra afi­ar as unhas.” Ape­sar de as brin­ca­dei­ras ain­da se­rem a gran­de atra­ção do ga­to ado­les­cen­te, ou­tra ques­tão im­por­tan­te é a de­mar­ca­ção do ter­ri­tó­rio – fei­ta pe­los ma­chos e pe­las fê­me­as. “O xi­xi fo­ra da cai­xa de areia é a for­ma mais co­mum de o ani­mal de­mons­trar que aque­le am­bi­en­te é de­le e de mais nin­guém. A cas­tra­ção é a al­ter­na­ti­va mais se­gu­ra de evi­tar es­se com­por­ta­men­to, além de ser im­por­tan­tís­si­ma pa­ra a saú­de do fe­li­no”, afir­ma. E, in­de­pen­den­te­men­te de o seu com­pa­nhei­ro ser fi­lho­te, ado­les­cen­te, adul­to ou ido­so, se­ja afe­tu­o­sa com ele. “Há mui­tos mi­tos em tor­no dos ga­tos e um de­les é de que não são ape­ga­dos às pes­so­as. Is­so não é ver­da­de, pois es­ses ani­mais tam­bém se sen­tem aco­lhi­dos, cui­da­dos e se­gu­ros quan­do es­tão com seus tu­to­res”, fi­na­li­za.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.