Bur­nout: a sín­dro­me do es­go­ta­men­to pro­fis­si­o­nal

Ana Maria - - A MENTE DA GENTE -

AOr­ga­ni­za­ção Mun­di­al de Saú­de (OMS) ele­vou a ex­pres­são bur­nout ao sta­tus de trans­tor­no men­tal. Mas, afi­nal, do que se tra­ta? É o es­go­ta­men­to pro­fis­si­o­nal, ou se­ja, um dis­túr­bio psí­qui­co ca­rac­te­ri­za­do pe­lo es­ta­do de ten­são emo­ci­o­nal e es­tres­se pro­vo­ca­dos por con­di­ções de tra­ba­lho. Na ver­da­de, a cri­a­ção do con­cei­to nos anos 70 con­ti­nua sen­do um di­le­ma, por­que bur­nout é um con­jun­to de si­nais e sintomas de­pres­si­vos. En­tão se­ria uma “de­pres­são” com uma cau­sa es­pe­cí­fi­ca: o tra­ba­lho. Por is­so, não se de­ve usar a pa­la­vra em ou­tra si­tu­a­ção, co­mo “cui­dar da fa­mí­lia es­tá me le­van­do a um bur­nout”. A sín­dro­me con­sis­te em três gran­des quei­xas: exaus­tão, dis­tan­ci­a­men­to ou de­sin­te­res­se pe­lo tra­ba­lho e que­da na per­for­man­ce ha­bi­tu­al. To­dos sa­be­mos do so­fri­men­to que po­de ser cau­sa­do pe­lo tra­ba­lho por con­ta da co­bran­ça, pres­são, pre­o­cu­pa­ção com o de­sem­pe­nho, por me­tas ca­da vez mai­o­res e re­co­nhe­ci­men­to nem sem­pre à al­tu­ra. Mas é im­por­tan­te fi­car aten­ta aos si­nais de que tu­do is­so vem fa­zen­do mal. Vo­cê já foi cho­rar no ba­nhei­ro da em­pre­sa, por exem­plo? Ou che­ga cho­ran­do em ca­sa por con­ta de co­mo se sen­tiu lá? Ir pa­ra o tra­ba­lho que já foi um pra­zer vi­rou tor­tu­ra? Se res­pon­deu sim a es­sas ques­tões, po­de ser que vo­cê es­te­ja so­fren­do des­se mal e, por­tan­to, pre­ci­sa se tra­tar. Só o mé­di­co po­de­rá fa­zer o di­ag­nós­ti­co cor­re­to e pres­cre­ver o tra­ta­men­to, in­cluin­do aí o uso de me­di­ca­men­tos, co­mo an­ti­de­pres­si­vos, an­si­o­lí­ti­cos e es­ti­mu­lan­tes, sem­pre que hou­ver sintomas de hu­mor de­pres­si­vo, ru­mi­na­ções, sen­ti­men­tos de an­gús­tia, de­ses­pe­ran­ça, des­con­cen­tra­ção, an­si­e­da­de, insô­nia, al­te­ra­ções de ape­ti­te e pe­so.

Te­ra­pia tam­bém é par­te fun­da­men­tal pa­ra o tra­ta­men­to, as­sim co­mo o afas­ta­men­to tem­po­rá­rio do tra­ba­lho, até por­que, na mai­o­ria das ve­zes, só de pen­sar ne­le a pes­soa já en­tra em pânico. Cui­da­do! Fi­que bem aten­ta aos si­nais e não he­si­te em bus­car aju­da.

“A sín­dro­me con­sis­te em três gran­des quei­xas: exaus­tão, dis­tan­ci­a­men­to ou de­sin­te­res­se pe­lo tra­ba­lho e que­da na per­for­man­ce ha­bi­tu­al. É im­por­tan­te fi­car aten­ta aos si­nais e pro­cu­rar aju­da pro­fis­si­o­nal”

LUIZ SCOCCA É psi­qui­a­tra com mais de 20 anos de aten­di­men­to em con­sul­tó­rio pró­prio, além da par­ti­ci­pa­ção em gru­pos de es­tu­do, con­gres­sos e pro­je­tos so­ci­ais. For­ma­do pe­la USP e mem­bro das as­so­ci­a­ções bra­si­lei­ra e ame­ri­ca­na de psi­qui­a­tria: ABP e APA.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.