Eu não tra­ba­lho, me di­vir­to

Ana Maria - - CAPA - Fa­bri­cio Pel­le­gri­no e Ana Bar­del­la | Fo­tos: Ca­du Pi­lot­to

Na no­ve­la glo­bal A Do­na do Pe­da­ço, Mar­le­ne, per­so­na­gem de Su­ely Fran­co, te­ve a pri­mei­ra noi­te de amor com An­te­ro (Ary Fon­tou­ra). Pa­ra a atriz, po­rém, a vi­da se­xu­al de pes­so­as mais ve­lhas já não é mais um ta­bu. Em en­tre­vis­ta ex­clu­si­va à Ana­ma­ria, pres­tes a com­ple­tar 80 anos (o ani­ver­sá­rio se­rá em ou­tu­bro), ela ain­da re­ve­la que nun­ca pen­sou em ser atriz e co­mo mu­dou ao des­co­brir que não que­ria se­guir as or­dens dos ou­tros

O que a per­so­na­gem Mar­le­ne tem en­si­na­do a vo­cê de mais es­pe­ci­al?

Dar amor mes­mo aos cha­tos.

E o que vo­cê gos­ta­ria de en­si­nar a ela?

Fe­char a por­ta com cha­ve.

A Mar­le­ne e o An­te­ro ti­ve­ram uma noi­te de amor. Co­mo é fa­lar so­bre ro­man­ce en­tre du­as pes­so­as mais ex­pe­ri­en­tes, que­bran­do es­se ta­bu de que ido­sos não têm mais vi­da se­xu­al?

Is­so não é mais um ta­bu. Os mai­o­res de ida­de vão aos bai­les da ter­cei­ra ida­de, na­mo­ram, des­man­cham e na­mo­ram ou­tros, fa­zem exer­cí­ci­os, usam a in­ter­net, fa­zem fa­cul­da­des até com 80 anos, vi­vem a vi­da. São os do­nos do pe­da­ço.

Vo­cê já de­cla­rou que na­mo­rar é ma­ra­vi­lho­so, mas ca­sar é um hor­ror. Ain­da acha is­so?

Dor­mir bem é im­por­tan­tís­si­mo pa­ra a saú­de. En­tão, se ti­ver al­guém ao seu la­do que­ren­do dor­mir e vo­cê quer ler ou ver TV, cau­sa bri­ga. Se um ti­ver frio e o ou­tro ca­lor, bri­ga. Se vo­cê es­tá abor­re­ci­do e quer fi­car qui­e­to e o ou­tro es­tá ani­ma­do, bri­ga. Por­tan­to, não é bom pa­ra a saú­de e fe­li­ci­da­de do ca­sal. E tam­bém faz apren­der que do­na de ca­sa não é só a mu­lher. Os dois têm que fa­zer as obri­ga­ções ca­sei­ras.

Co­mo é ser uma mu­lher bra­si­lei­ra de 79 anos de ida­de em 2019?

Es­sa mu­lher, atu­al­men­te, é a do­na do pe­da­ço.

Em ou­tu­bro, vo­cê com­ple­ta 80 anos. Con­si­de­ra es­sa ida­de um mar­co?

Fa­zer ani­ver­sá­rio é uma da­ta a ser fes­te­ja­da e con­se­guir che­gar aos 80 anos com saú­de, ale­gria e tra­ba­lhan­do no que gos­ta, sen­do aca­ri­nha­da pe­lo pú­bli­co, é o má­xi­mo. Tem que fes­te­jar!

Co­mo pre­ten­de co­me­mo­rar es­te ano?

Só pen­so quan­do che­ga per­to da da­ta. De­pen­den­do do tra­ba­lho...

Con­cor­da com o di­ta­do: “Vó é mãe du­as ve­zes”?

Pe­lo que ve­jo nos ou­tros [a atriz tem um fi­lho, Car­los, e não tem ne­tos] é as­sim mes­mo. E tam­bém pe­lo fa­to de que quan­do se fi­ca can­sa­da po­de di­zer “che­ga, can­sei. To­ma que o fi­lho é seu”. O que vo­cê mais gos­ta de fa­zer no tem­po li­vre?

Pas­se­ar no shop­ping, pois o as­so­a­lho é li­si­nho e não can­sa as per­nas. Ver te­le­vi­são, fa­zer crip­to­gra­ma, en­con­trar os ami­gos.

Atu­al­men­te, pra­ti­ca al­gum exer­cí­cio fí­si­co?

Gos­to de pi­la­tes. Fa­ço quan­do te­nho tem­po.

Co­mo faz pa­ra man­ter o pi­que du­ran­te a ro­ti­na pu­xa­da das gra­va­ções de uma no­ve­la?

Dur­mo bem e cui­do da saú­de.

Quais as prin­ci­pais di­fe­ren­ças en­tre atu­ar ho­je e quan­do co­me­çou sua car­rei­ra?

Se vo­cê vis­se co­mo era um ta­pe das no­ve­las no co­me­ço do vi­de­o­ta­pe, mor­re­ria de rir. O tex­to era fa­la­do mais len­ta­men­te, as ex­pres­sões Su­ely com o com­pa­nhei­ro de ce­na, Ary Fon­tou­ra, em A Do­na do Pe­da­ço eram mais exa­ge­ra­das e se fa­zia tu­do de uma úni­ca vez. Ho­je se re­pe­te mui­to as ce­nas de­vi­do aos inú­me­ros en­qua­dra­men­tos que exis­tem. Além dis­so, os equi­pa­men­tos atu­ais são mui­to mais mo­der­nos.

Quan­do era mais no­va, já pen­sou em se­guir ou­tra pro­fis­são?

Nun­ca pen­sei em se­guir a car­rei­ra de atriz ape­sar de re­pre­sen­tar na es­co­la e na igre­ja quan­do era cri­an­ça, na ju­ven­tu­de. Fiz dois anos de di­rei­to até que uma co­le­ga me le­vou pa­ra a te­le­vi­são. Aí des­co­bri o que que­ria.

Que ca­rac­te­rís­ti­cas su­as ame­ni­za­ram com a ida­de e quais se acen­tu­a­ram?

Eu era mui­to “aqui­lo que seu mes­tre man­dar, fa­re­mos to­dos” até que des­co­bri que “aqui­lo” não era eu, mas o que os ou­tros man­da­vam e, en­tão, mu­dei.

Quais as prin­ci­pais di­fe­ren­ças en­tre as atri­zes de quan­do vo­cê co­me­çou a atu­ar pa­ra as atri­zes da no­va ge­ra­ção?

Quan­do se tem a re­pre­sen­ta­ção den­tro do pei­to, não exis­te es­sa di­fe­ren­ça. Di­fe­ren­ça se sen­te na­que­les que só que­rem fa­ma e não o pra­zer de re­pre­sen­tar.

Que mo­men­tos da sua car­rei­ra vo­cê con­si­de­ra co­mo gran­des acer­tos e quais acha que fo­ram um er­ro?

Tu­do se tor­na acer­to. Por­que até quan­do al­go não dá cer­to, vo­cê apren­de. En­tão, tu­do se tor­na po­si­ti­vo. O fi­ló­so­fo Con­fú­cio tem um di­ta­do: “Qu­em faz o que gos­ta, não tra­ba­lha nun­ca”.

Es­se é o meu le­ma! Eu não tra­ba­lho, me di­vir­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.