MOTIVAÇÃO E SE­GU­RAN­ÇA

Ana Maria - - CAPA - Por An­dré Car­do­so

Em Bom Su­ces­so, no­va no­ve­la das 7 da Glo­bo, Grazi Massafera, 37 anos, vi­ve uma cos­tu­rei­ra su­pos­ta­men­te à bei­ra da mor­te que re­sol­ve vi­ver in­ten­sa­men­te. Mais tar­de, po­rém, des­co­bre­se ví­ti­ma de uma tro­ca de di­ag­nós­ti­cos. A atriz en­ca­ra o de­sa­fio co­mo uma ho­me­na­gem às mu­lhe­res tra­ba­lha­do­ras que cri­am fi­lhos so­zi­nhas, si­tu­a­ção vi­vi­da den­tro de ca­sa, na in­fân­cia.

“Me lem­brei do quan­to mi­nha mãe ba­ta­lha­va e is­so aju­dou a me tor­nar uma mu­lher for­te.” À Ana­ma­ria, Grazi fa­lou so­bre o pas­sa­do, a se­gu­ran­ça que, ho­je, ex­pe­ri­men­ta ao vi­ver uma pro­ta­go­nis­ta e, cla­ro, do gran­de amor da sua vi­da: a fi­lha, So­fia

O que a mo­ti­vou a acei­tar es­se pa­pel?

Pe­la ho­me­na­gem à mi­nha mãe, que é cos­tu­rei­ra. Ain­da tenho mui­ta me­mó­ria afe­ti­va, ou­ço o ba­ru­lho da má­qui­na de cos­tu­ra ao fe­char o olho. Quan­do po­de­ria fa­zer uma cos­tu­rei­ra de no­vo pa­ra ho­me­na­ge­ar a ela e tan­tas ou­tras Pa­lo­mas por aí? Me lem­brei do quan­to mi­nha mãe ba­ta­lha­va e o quan­to is­so aju­dou a me tor­nar uma mu­lher for­te.

E o que tem de vo­cê no pa­pel?

O res­ga­te a es­sa coi­sa po­pu­lar, o pú­bli­co que fui um dia. Ho­je dou en­tre­vis­ta, vi­rei atriz de no­ve­la... Saí des­se lu­gar, mas tem a sim­pli­ci­da­de, es­tou aman­do o res­ga­te, a es­pon­ta­nei­da­de.

As­sim co­mo a Pa­lo­ma, 39% dos la­res são che­fi­a­dos por mães so­lo...

É mui­ta res­pon­sa­bi­li­da­de, uma ho­me­na­gem a to­das elas. Me sin­to ma­du­ra pa­ra re­tra­tar a vi­da des­sas mu­lhe­res to­das.

A no­ve­la tam­bém fa­la da mor­te, né?

Na ver­da­de, fa­la de vi­da. Se tem al­go do qual te­mos cer­te­za é a mor­te, que es­tá pre­sen­te na vi­da de to­dos. Po­rém, co­mo vi­ve­mos o dia a dia? Não nos ques­ti­o­na­mos e nos acha­mos imor­tais. Co­mo a Pa­lo­ma tem uma da­ta pa­ra mor­rer, ela mu­da e vi­ve in­ten­sa­men­te.

E co­mo é fa­zer es­sa mãe ba­ta­lha­do­ra?

Ago­ra sou mãe de três, né? É mui­to di­fe­ren­te. Sou mãe de uma cri­an­ça, já a Pa­lo­ma tem fi­lhos ado­les­cen­tes. Ti­ve a sor­te e o pra­zer de con­quis­tar a in­de­pen­dên­cia fi­nan­cei­ra an­tes de ser mãe. Is­so faz uma gran­de di­fe­ren­ça.

Co­mo é ter fi­lho jo­vem na fic­ção?

A Pa­lo­ma tem du­as fi­lhas ado­les­cen­tes e o Pe­ter, de 10 anos. Quan­do mi­nha mãe te­ve fi­lhos, se se­pa­rou do meu pai e fi­cou em uma si­tu­a­ção com­pli­ca­da. Com is­so, ju­rei pa­ra mim que se­ria mãe só após con­se­guir mi­nha in­de­pen­dên­cia fi­nan­cei­ra. Co­mo sou can­ce­ri­a­na, a ma­ter­ni­da­de es­tá na mi­nha veia. Tenho o luxo de con­tar com o au­xí­lio de pes­so­as da fa­mí­lia e an­jos da guar­da co­mo fun­ci­o­ná­ri­os que me aju­dam quan­do es­tou gra­van­do no­ve­la.

A Pa­lo­ma tem ou­tra si­tu­a­ção...

Ela e tan­tas ou­tras Pa­lo­mas têm uma si­tu­a­ção mais com­pli­ca­da. Ima­gi­ne ser mãe de três fi­lhos e dar con­ta da ca­sa, la­var, co­zi­nhar, pas­sar... É tan­ta coi­sa! Na fa­se be­bê é mais fá­cil. Quan­do cres­cem che­ga a ho­ra de edu­car mes­mo e tu­do com­pli­ca. Es­tou sen­tin­do is­so na pe­le.

Pre­pa­ra­da pa­ra a So­fia jo­vem?

Não [ri­sos]. Fui uma ado­les­cen­te do in­te­ri­or, que é com­ple­ta­men­te di­fe­ren­te de ser jo­vem no Rio de Ja­nei­ro. Aqui são mui­tos atra­ti­vos. En­tão, con­to com o au­xí­lio do pai, mui­ta con­ver­sa com ela... Eu não con­se­guia men­tir pa­ra a mi­nha mãe e sem­pre di­zia a ver­da­de. Cri­a­mos uma re­la­ção de ami­za­de e ten­to ter is­so com a So­fia.

A Pa­lo­ma é mui­to es­pi­ri­tu­a­li­za­da...

Eu tam­bém sou. Fui cri­a­da ca­tó­li­ca e, ho­je, acre­di­to em fé, o prin­cí­pio de tu­do. Nós te­mos a mes­ma san­ta de de­vo­ção: Nos­sa Se­nho­ra de Apa­re­ci­da.

Vo­cê se co­lo­cou no lu­gar da Pa­lo­ma quan­do ela des­co­bre que tem pou­co tem­po de vi­da?

Me co­lo­co mais no lu­gar de­la do que no meu. A no­ve­la tem mui­to dra­ma, mas uma pi­ta­da de hu­mor e leveza tam­bém. Sei que pro­ta­go­nis­ta so­fre do co­me­ço ao fim, mas va­mos lá. Va­mos en­ga­nar o or­ga­nis­mo e os sen­ti­men­tos.

O que fa­ria se sou­bes­se que lhe res­tam ape­nas seis me­ses de vi­da?

Al­go pa­re­ci­do com ela: vi­ve­ria in­ten­sa­men­te. Man­da­ria tu­do pa­ra as cu­cui­as e vi­a­ja­ria com a mi­nha fi­lha pa­ra to­do la­do, abra­ça­ria, bei­ja­ria, agar­ra­ria a mi­nha pe­que­na...

Já pen­sou em ter mais fi­lhos?

Ló­gi­co!

Mais quan­tos?

Ah, não sei. Dei­xa eu ar­ru­mar um pai, aí a gen­te de­ci­de jun­to [ri­sos].

Vo­cê tem tan­ta in­ti­mi­da­de com a lei­tu­ra co­mo sua per­so­na­gem?

Não. Lá em ca­sa, quan­do eu pe­ga­va um li­vro, mi­nha mãe di­zia: “Vo­cê é va­ga­bun­da? Vai tra­ba­lhar”. Li­vro sig­ni­fi­ca­va não ter o que fa­zer. Pa­ra a mai­o­ria dos bra­si­lei­ros, in­fe­liz­men­te, ain­da é as­sim. Exis­tia es­sa co­no­ta­ção de não es­tar fa­zen­do na­da quan­do, na ver­da­de, vo­cê es­tá len­do. O há­bi­to de ler de­ve ser de­sen­vol­vi­do des­de ce­do. Ho­je, leio com a mi­nha fi­lha.

O que es­tá len­do?

A Mor­te É um Dia Que Va­le a Pe­na Vi­ver. Um li­vro ma­ra­vi­lho­so, que ga­nhei de uma das con­sul­to­ras da no­ve­la. Pen­sei que a obra fa­las­se de mor­te. Mas per­ce­bi que é so­bre a vi­da, qua­li­da­de da vi­da, co­mo vi­ver aqui... Por­que a fi­ni­tu­de exis­te pa­ra to­dos, mas seu tem­po é di­fe­ren­te [do tem­po] do ou­tro.

O en­con­tro da per­so­na­gem com o Car­na­val agu­çou a sua von­ta­de de vol­tar pa­ra o sam­ba?

A Pa­lo­ma tem mui­tos pon­tos que me fa­zem re­vi­ver si­tu­a­ções. E o la­do po­pu­lar é o Car­na­val. Quan­do pe­que­na, saía na es­co­la de sam­ba da mi­nha ci­da­de. De­pois, des­fi­lei no Rio de Ja­nei­ro. Tem es­sa coi­sa de me co­lo­car em con­ta­to com a lei­tu­ra tam­bém.

E o Fa­gun­des é uma en­ci­clo­pé­dia am­bu­lan­te, uma bi­bli­o­te­ca! Ele nos pre­sen­teia com li­vros di­vi­nos. Já es­tou com uma lis­ti­nha que ele me deu, não es­tou con­se­guin­do ler, mas vou ain­da. É um pre­sen­te es­tar com es­se ho­mem.

Que cui­da­dos tem com o cor­po?

Ten­to dor­mir me­lhor, to­mo vi­ta­mi­nas, fa­ço io­ga... Gos­to de es­por­te, de me exer­ci­tar e sou do dia, is­so aju­da mui­to. Levo

2 li­tros de água to­do dia pa­ra o es­tú­dio. E o meu ma­qui­a­dor me fa­la a ho­ra de co­mer, por­que às ve­zes es­que­ço.

A In­grid (Gui­ma­rães) dis­se que vo­cê es­tá trei­nan­do com ela...

Co­me­cei a ini­ciá-la no mu­ay thai, no io­ga.

Es­tá fá­cil ser sol­tei­ra no Rio de Ja­nei­ro?

Só tra­ba­lho! Não tenho tem­po e que bom.

Pre­fe­re es­tar sol­tei­ra ou gru­da­di­nha?

Gos­to de na­mo­rar, mas com o meu atu­al rit­mo es­tá im­pos­sí­vel.

No Ins­ta­gram vo­cê pos­ta fo­tos fa­zen­do po­ses im­pres­si­o­nan­tes no io­ga...

A gen­te vai aos pou­cos. Com o io­ga vo­cê vai no li­mi­te e evo­lu­ção do cor­po. Eu não su­por­ta­va. Brin­co que é igual co­mi­da ja­po­ne­sa, vo­cê pro­va e acha ruim. Aí, vai gos­tan­do. Com o io­ga, sen­ti a di­fe­ren­ça na vi­da e na pro­fis­são. A gen­te não sa­be res­pi­rar, ain­da mais no mun­do em que tu­do é ur­gen­te. Es­sa co­ne­xão foi im­por­tan­te e es­tou afli­ta por não es­tar con­se­guin­do fa­zer to­dos os di­as.

A Pa­lo­ma vi­ve­rá um amor com o Ra­mon (Da­vid Ju­ni­or) e uma pai­xão com o Mar­cos (Rô­mu­lo Es­tre­la). Co­mo ela ad­mi­nis­tra es­se sen­ti­men­to?

Quan­do des­co­bre que vai mor­rer e, de­pois, que não vai mais, ela pas­sa por uma trans­for­ma­ção, co­me­ça a en­xer­gar a vi­da de ou­tra for­ma e a vi­ver coi­sas que não se da­ria ao di­rei­to, co­mo a pai­xo­ni­te pe­lo Mar­cos, al­go que não con­tro­la. Ele me­xe com ela, to­do mun­do já vi­veu is­so.

E o Ra­mon?

Ele é qua­se um amor de in­fân­cia. Os dois têm uma fi­lha e mes­mo que se­ja al­go des­gas­ta­do, ain­da exis­te aque­la raiz.

Vo­cê gra­vou ce­na na Sa­pu­caí. Vol­ta­ria a des­fi­lar no Car­na­val?

Amo, mas é mui­ta fun­ção... Gos­to do dia do des­fi­le, mas a fun­ção to­da dei­xa de ser Car­na­val e vi­ra tra­ba­lho. E, pa­ra mim, Car­na­val não é tra­ba­lho.

Se ima­gi­na le­van­do a So­fia pa­ra cur­tir uma ba­la­da?

Sa­be que, no in­te­ri­or, eu ia com a mi­nha mãe amar­ra­do­na. Eu iria com a So­fia, mas só fal­ta ela não que­rer [ri­sos].

Ela já co­nhe­ce o in­te­ri­or?

Não con­se­gui le­vá-la ain­da, mas sem­pre que pos­so vou com ela pa­ra a ser­ra, lu­ga­res que tra­zem es­sa re­fe­rên­cia.

Pro­ta­go­nis­ta de no­ve­la, rai­nha da pu­bli­ci­da­de... Qual o se­gre­do pa­ra con­ti­nu­ar hu­mil­de?

Sa­ber que tu­do pas­sa e to­dos mor­rem [ri­sos]. A gen­te não é na­da. Só que­ro dei­xar uma his­tó­ria pa­ra mi­nha fi­lha lem­brar com or­gu­lho e ca­ri­nho de mim.

Que re­su­mo faz da sua vi­da?

Amo ma­lhar, es­por­te... Não fa­ço pe­lo cor­po, mas pe­la saú­de men­tal. É há­bi­to e is­so a gen­te con­quis­ta. Des­de pe­que­na era aque­la cri­an­ça que ia ao Sesc, fa­zia to­das as ati­vi­da­des de lá. Nas fé­ri­as, me di­vir­to. As pes­so­as fi­cam com rai­va por­que gos­to de co­mer... [ri­sos].

So­fia tam­bém é as­sim?

Não. Ela fa­lou: “Mãe, odeio es­por­te”. A fa­ca­da no pei­to veio de den­tro. Acho que foi um da­que­les mo­men­tos de pro­vo­ca­ção. Ela é tão ani­ma­da co­mo eu, é en­gra­ça­da...

E te­a­tro, ela fa­ria?

Ela brin­ca dis­so com as ami­gui­nhas, mas não fa­lou na­da so­bre o que ama ou não fa­zer.

Co­mo é a sua re­la­ção com o Cauã (Rey­mond, pai de So­fia). Vo­cês cos­tu­mam se fa­lar?

A re­la­ção es­tá óti­ma! Por que a gen­te não se fa­la­ria? O po­vo in­ven­ta coi­sa...

Is­so a in­co­mo­da?

Não. Só acho des­ne­ces­sá­rio.

Co­mo ad­mi­nis­tra o seu tem­po?

Tra­ba­lho de se­gun­da a sá­ba­do, 11 ho­ras por dia. Fo­ra is­so, es­tou em ca­sa com So­fia e es­tu­dan­do tex­to. Es­tou fi­can­do ver­de, es­se bron­ze­a­do é de men­ti­ra, é um pro­du­to [ri­sos].

O que es­pe­rar de Bom Su­ces­so?

Es­pe­ro que gos­tem, pois fa­ze­mos com ca­ri­nho. Es­ta­mos gra­van­do des­de fe­ve­rei­ro. A gen­te vai fa­lar e ques­ti­o­nar a vi­da. Es­ta­mos ten­do uma ur­gên­cia pa­ra vi­ver que não con­diz com a qua­li­da­de de vi­ver. É um ques­ti­o­na­men­to bo­ni­to.

Quan­do des­co­bre que tem seis me­ses de vi­da, Pa­lo­ma faz uma li­ga­ção. Pa­ra quem vo­cê li­ga­ria?

Pa­ra to­do mun­do, fa­lan­do “te amo” “sin­to mui­to”, “me per­doe”.

Di­ria a al­guém “va­mos ten­tar”?

Vi­vi tu­do no tem­po das his­tó­ri­as e es­tá tu­do tão bem re­sol­vi­do.

Se sen­te mais pron­ta e re­la­xa­da pa­ra vi­ver uma pro­ta­go­nis­ta?

Pron­ta e re­la­xa­da nun­ca, mas me sin­to mais se­gu­ra, sim.

Pa­lo­ma e Al­ber­to (An­to­nio Fa­gun­des): o di­ag­nós­ti­co de­les é tro­ca­do e ela acha que vi­ve­rá por ape­nas mais seis me­ses

Grazi com So­fia, de 7 anos: “Ela é tão ani­ma­da co­mo eu, é en­gra­ça­da...”, diz a atriz so­bre a pern­so­na­li­da­de da fi­lha

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.