Ani­mais QUE CURAM

Ana Maria - - BICHOS -

In­fe­liz­men­te, nem to­do bi­chi­nho nas­ceu pa­ra ser um te­ra­peu­ta. En­tre as ca­rac­te­rís­ti­cas ne­ces­sá­ri­as pa­ra a fun­ção, o pet pre­ci­sa ser tran­qui­lo, dó­cil e ter uma per­so­na­li­da­de que per­mi­ta ser abra­ça­do, bei­ja­do pe­las pes­so­as. Os ani­mais mais co­muns com es­se per­fil são cães e ca­va­los. Mas ou­tros bi­chos, co­mo ga­tos, pei­xes, pás­sa­ros, ara­nhas, co­bras e até bo­tos tam­bém po­dem e são usa­dos nes­se ti­po de téc­ni­ca te­ra­pêu­ti­ca. En­tretan­to, se­gun­do Ri­ta Fer­ra­ri Pa­lu­do, ge­ren­te de ges­tão de pes­so­as na Nu­tri­re, em­pre­sa ide­a­li­za­do­ra da Cão­te­ra­pia, o tra­ba­lho é bas­tan­te sé­rio e exi­ge al­guns cui­da­dos especiais. “Os ani­mais pre­ci­sam es­tar ap­tos ao ser­vi­ço de TAA. Um pet que es­tra­nha o pa­ci­en­te, por exem­plo, po­de cau­sar o efei­to con­trá­rio, tra­zen­do um sen­ti­men­to de re­jei­ção ex­tre­ma­men­te pre­ju­di­ci­al pa­ra es­ses alu­nos”, afir­ma.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.