Sui­cí­dio: mu­dan­ças de há­bi­tos po­dem ser­vir de aler­ta

Ana Maria - - A MENTE DA GENTE -

Re­cen­te­men­te, fi­ca­mos sur­pre­sos com o sui­cí­dio de uma in­flu­en­ci­a­do­ra após pas­sar por um even­to trau­má­ti­co de ter o tér­mi­no do re­la­ci­o­na­men­to um dia an­tes da ce­rimô­nia de ca­sa­men­to. Mui­tas ve­zes, é di­fí­cil iden­ti­fi­car se um pa­ren­te ou ami­go tem ten­dên­ci­as sui­ci­das. Mas o gran­de de­sa­fio é aca­bar com o ta­bu so­bre es­sa ques­tão, es­pe­ci­al­men­te por­que o per­fil da po­pu­la­ção sui­ci­da tem mu­da­do mui­to. Já nos anos 90, ob­ser­vou-se um au­men­to nas ta­xas de sui­cí­dio e a Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al de Saú­de (OMS) re­a­li­zou uma cam­pa­nha de pre­ven­ção (em 82% dos paí­ses que a ado­ta­ram as ta­xas de sui­cí­dio di­mi­nuí­ram). In­fe­liz­men­te, o Bra­sil en­trou na es­ta­tís­ti­ca in­ver­sa, de au­men­to de ca­sos, as­sim co­mo os Es­ta­dos Uni­dos. O ido­so ain­da é o que mais se sui­ci­da, mas as­sus­ta o au­men­to de 30% de in­ci­dên­cia nos jo­vens na úl­ti­ma dé­ca­da. Mui­tos es­tu­dos têm si­do con­du­zi­dos pa­ra com­pre­en­der es­sa ques­tão e a in­ser­ção nas re­des so­ci­ais, in­cluin­do aí o cy­ber bullying e o as­sé­dio di­gi­tal, em que os jo­vens es­tão am­pla­men­te in­se­ri­dos, po­de ser con­si­de­ra­da uma cau­sa alar­man­te. A pró­pria dis­po­ni­bi­li­da­de de in­for­ma­ção na re­de tam­bém fun­ci­o­na co­mo es­to­pim (sa­be­mos que há enor­me nú­me­ro de bus­cas do ti­po “me­lho­res mé­to­dos de sui­cí­dio” ou “co­mo se ma­tar”). Na mai­o­ria das ve­zes, é di­fí­cil a pes­soa che­gar ao pro­fis­si­o­nal de aju­da. Mas no­tar mo­di­fi­ca­ções nos há­bi­tos, co­mo se ali­men­tar mal, ter insô­nia, se iso­lar, dar si­nais de bai­xa au­to­es­ti­ma, abu­sar de ál­co­ol e dro­gas, além de apre­sen­tar si­nais de an­si­e­da­de e agi­ta­ção, po­de ser­vir de aler­ta. Ou­tra po­pu­la­ção de ris­co é quem so­freu trau­mas e abu­sos ao lon­go da vi­da. Fa­lar so­bre o as­sun­to, se­ja com fa­mi­li­a­res, pes­so­as da co­mu­ni­da­de, mé­di­co, psi­có­lo­go e ou­tros pro­fis­si­o­nais de aju­da, é fun­da­men­tal. Ex­ter­nar os trau­mas po­de ser a so­lu­ção pa­ra evi­tar o mal. Em to­da si­tu­a­ção de an­gús­tia, dú­vi­da, tris­te­za é es­sen­ci­al bus­car aju­da com pro­fis­si­o­nais de saú­de men­tal, e rom­per o pre­con­cei­to de vez!

“No­tar mo­di­fi­ca­ções nos há­bi­tos, co­mo se ali­men­tar mal, ter insô­nia,

se iso­lar, dar si­nais de bai­xa au­to­es­ti­ma, abu­sar de ál­co­ol e dro­gas, além de apre­sen­tar si­nais de an­si­e­da­de e agi­ta­ção, po­de ser­vir de aler­ta”

LUIZ SCOCCA É psi­qui­a­tra com mais de 20 anos de aten­di­men­to em con­sul­tó­rio pró­prio, além da par­ti­ci­pa­ção em gru­pos de es­tu­do, con­gres­sos e pro­je­tos so­ci­ais. For­ma­do pe­la USP e mem­bro das as­so­ci­a­ções bra­si­lei­ra e ame­ri­ca­na de psi­qui­a­tria: ABP e APA.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.