A re­la­ção en­tre as do­en­ças do cor­po e a de­pres­são

Ana Maria - - CULINÁRIA -

Di­a­be­tes, epi­lep­sia, hi­per­ten­são, in­far­to, HIV, Par­kin­son, Alzhei­mer... São do­en­ças crô­ni­cas, com sin­to­mas cons­tan­tes, co­mo do­res, li­mi­ta­ções pa­ra an­dar, fal­ta de ar, pal­pi­ta­ções etc. Di­an­te de qua­dros co­mo es­ses, é ine­vi­tá­vel vir à to­na pro­ble­mas da es­fe­ra psi­co­ló­gi­ca (tris­te­za, an­si­e­da­de, di­mi­nui­ção da co­ra­gem). O in­far­to, por exem­plo, cos­tu­ma ser se­gui­do de sen­ti­men­tos de an­gús­tia e me­do. Is­so por­que é di­fí­cil se adap­tar a uma no­va re­a­li­da­de. No en­tan­to, o que pre­ci­sa­mos con­si­de­rar é o quan­to so­mos ca­pa­zes de nos su­pe­rar. Tal superação, no en­tan­to, acon­te­ce de ma­nei­ra mais efe­ti­va com o su­por­te da família e ami­gos. Mas, mui­tas ve­zes, não se tra­ta ape­nas de uma adap­ta­ção, e sim do apa­re­ci­men­to de um trans­tor­no men­tal, es­pe­ci­al­men­te a de­pres­são.

Qu­em já en­fren­tou al­go se­me­lhan­te sa­be bem a di­fe­ren­ça en­tre se sen­tir tris­te e es­tar de­pri­mi­do. A de­pres­são tam­bém é uma do­en­ça crô­ni­ca e não tra­tá-la é um con­vi­te pa­ra o pi­or que a vi­da po­de tra­zer: de­ses­pe­ran­ça, va­zio, pro­fun­da tris­te­za, insô­nia, fal­ta de ener­gia, sen­ti­men­to de cul­pa, pen­sa­men­tos de mor­te e sui­cí­dio. Pa­ra­le­la­men­te a is­so, vêm os sin­to­mas incô­mo­dos, co­mo su­or frio, fal­ta de ar, pre­o­cu­pa­ções cons­tan­tes com o fu­tu­ro, insô­nia, fal­ta ou ex­ces­so de ape­ti­te. Per­ce­be co­mo as do­en­ças po­dem ser pi­o­res com a de­pres­são? Fa­cil­men­te a pes­soa se aban­do­na... Nes­sa ho­ra, o apoio da família e ami­gos, em­bo­ra se­ja im­por­tan­te, não é o su­fi­ci­en­te. Mes­mo que te­nha ou­tro mal, bus­que tra­ta­men­to pa­ra a de­pres­são com es­pe­ci­a­lis­tas. Te­nha em men­te que não há na­da de ab­sur­do um psi­qui­a­tra es­tar en­vol­vi­do no tra­ta­men­to de qual­quer ou­tro mal. Aliás, do­en­ças co­muns au­men­tam o ris­co de de­pres­são e a de­pres­são au­men­ta a chan­ce de de­sen­ca­de­ar ou­tros ma­les, já que afe­ta a pro­du­ção de hormô­ni­os, os sis­te­mas imu­ne e car­di­o­vas­cu­lar. Cui­de-se sem­pre com te­ra­pia, me­di­ca­ção e to­do e qual­quer pro­ce­di­men­to que o psi­qui­a­tra in­di­car.

“Do­en­ças co­muns au­men­tam o ris­co de de­pres­são e a de­pres­são au­men­ta a chan­ce de de­sen­ca­de­ar ou­tros ma­les. Cui­de-se com te­ra­pia, me­di­ca­ção e to­do pro­ce­di­men­to que o psi­qui­a­tra in­di­car”

LUIZ SCOCCA É psi­qui­a­tra com mais de 20 anos de aten­di­men­to em con­sul­tó­rio pró­prio, além da par­ti­ci­pa­ção em gru­pos de es­tu­do, con­gres­sos e projetos so­ci­ais. For­ma­do pe­la USP e mem­bro das as­so­ci­a­ções bra­si­lei­ra e ame­ri­ca­na de psi­qui­a­tria: ABP e APA.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.