Pra ser fe­liz te­mos que cor­rer ris­cos!

Ana Maria - - MENSAGEM DA KARLINHA - KAR­LA PRE­CI­O­SO

Qu­em não ar­ris­ca po­de evi­tar so­fri­men­tos, mas tam­bém po­de não re­a­li­zar o que tan­to al­me­ja

Con­ver­sa en­tre ami­gas “Te­nho 25 anos e ain­da mo­ro com meus pais, mas sin­to que che­gou a ho­ra de ter meu pró­prio can­ti­nho. O pro­ble­ma é que eles não en­ten­dem... Se­rá que de­vo es­pe­rar mais um pou­co?” S. M., por e-mail

Rir é cor­rer o ris­co de pa­re­cer to­lo. Cho­rar é cor­rer o ris­co de pa­re­cer sen­ti­men­tal. Es­ten­der a mão é cor­rer o ris­co de se en­vol­ver. Ex­por os sen­ti­men­tos é cor­rer o ris­co de se mos­trar frá­gil. Amar é cor­rer o ris­co de não ser cor­res­pon­di­da. Con­fi­ar é cor­rer o ris­co de se de­cep­ci­o­nar. Ten­tar é cor­rer o ris­co de fra­cas­sar... Po­rém, os ris­cos são fun­da­men­tais, por­que api­or­coi­saé­vi­ver­sem ar­ris­car na­da! Qu­em não ar­ris­ca po­de evi­tar so­fri­men­tos, mas tam­bém po­de não re­a­li­zar o que tan­to al­me­ja. E aque­le

que não ou­sa se pri­va da chan­ce de apren­der e se su­pe­rar. E ain­da vi­ve pre­so ao me­do e à in­cer­te­za. O pro­fes­sor de li­te­ra­tu­ra Fernando Tei­xei­ra de An­dra­de (1946 – 2008) es­cre­veu: “Há um tem­po em que é pre­ci­so aban­do­nar as rou­pas usa­das, que já têm a for­ma do nos­so cor­po, e es­que­cer os nos­sos ca­mi­nhos, que nos le­vam sem­pre aos mes­mos lu­ga­res. É o tem­po da tra­ves­sia. Se não ou­sar­mos, fi­ca­re­mos pa­ra sem­pre à mar­gem de nós mes­mos”. Pen­se nis­so. Boa se­ma­na e fi­que com Deus.

Tem uma ho­ra que é pre­ci­so ama­du­re­cer e se vi­rar so­zi­nha! Só que al­guns pais, na ten­ta­ti­va de pro­te­ger os fi­lhos, cri­am em­pe­ci­lhos pa­ra tê-los sem­pre de­bai­xo de su­as asas. A ver­da­de é que não há ida­de cer­ta pa­ra mo­rar só. O que de­fi­ne se vo­cê po­de ou não fa­zer is­so são as con­di­ções – não me re­fi­ro ape­nas às con­di­ções fi­nan­cei­ras, mas tam­bém à ca­pa­ci­da­de de re­sol­ver seus pró­pri­os di­le­mas.

Ve­ja se vo­cê es­tá mes­mo pre­pa­ra­da. En­tão, di­ga a eles que vo­cê cres­ceu e pre­ci­sa do seu es­pa­ço – e que is­so não sig­ni­fi­ca rup­tu­ra de re­la­ção. Pe­lo con­trá­rio. Jus­ta­men­te por se sen­tir pre­pa­ra­da, es­tá cer­ta de que é tem­po de tri­lhar seu pró­prio ca­mi­nho. E tu­do vai se ajei­tar!

Sua ami­ga, Kar­li­nha

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.