Con­cor­do ple­na­men­te com vo­cê #Só­que­não

Ana Maria - - SINTA & LIGA - WAL REIS é jor­na­lis­ta, pro­fis­si­o­nal de co­mu­ni­ca­ção cor­po­ra­ti­va e es­cre­ve so­bre com­por­ta­men­to e coi­sas da vi­da.

Tem coi­sa mais frus­tran­te do que se dis­po­ni­bi­li­zar a acon­se­lhar um ‘ser hu­ma­ni­nho’ que es­tá se sa­bo­tan­do, fa­zen­do tu­do er­ra­do, cha­fur­dan­do na lama da pe­na de si mes­mo, so­fren­do ge­nui­na­men­te sem mo­ver uma pa­lha pa­ra re­di­re­ci­o­nar o des­ti­no e ou­vir: “vo­cê tem ra­zão”? Não, eu não sou lou­ca. Gos­ta­ria pro­fun­da­men­te que quem con­cor­da co­mi­go, em si­tu­a­ções as­sim, re­al­men­te en­xer­gas­se o que en­xer­go na­que­le mo­men­to. Ou de­ba­tes­se pa­ra me dar a opor­tu­ni­da­de de ar­gu­men­tar. Ou me cha­mas­se de lu­ná­ti­ca. Xin­gas­se mi­nha mãe. Ou que a fra­se cor­da­ta fos­se uma cons­ta­ta­ção de quem es­tá ci­en­te so­bre o ca­mi­nho não ser aque­le, en­ten­de meu dis­cur­so bem in­ten­ci­o­na­do e pre­ten­de re­fa­zer a ro­ta. Mas, na mai­o­ria es­ma­ga­do­ra das ve­zes, es­se acei­te é da bo­ca pa­ra fo­ra. Ali, nas en­tre­li­nhas, es­tá al­guém que não acre­di­ta ser pos­sí­vel pra­ti­car o no­vo e vai in­sis­tir nas mes­mas fór­mu­las, com me­do de fa­zer di­fe­ren­te, de agir em prol da fe­li­ci­da­de por­que – vai sa­ber, né? – às ve­zes po­de dar cer­to. Já pen­sou o susto? Ter que en­ca­rar a vi­da se des­cor­ti­nan­do em um le­que far­to

Gos­ta­ria pro­fun­da­men­te que quem con­cor­da co­mi­go, em si­tu­a­ções as­sim, re­al­men­te en­xer­gas­se o que en­xer­go na­que­le mo­men­to. Ou de­ba­tes­se pa­ra me dar a opor­tu­ni­da­de de ar­gu­men­tar

de pos­si­bi­li­da­des po­si­ti­vas?

Por is­so, a ca­da “sim, Wal, vo­cê tem ra­zão” que es­cu­to, olho mi­nha in­ter­lo­cu­to­ra meio des­con­fi­a­da, ten­tan­do en­ten­der se es­tá ali uma al­mi­nha pron­ta pa­ra ser res­ga­ta­da ou se a tra­du­ção é: “pa­ra de fa­lar, sua ma­la, já con­cor­dei com vo­cê. Che­ga. Ago­ra não me en­che o saco por­que vou fi­car aqui com a cai­xa de len­ços até que for­ças in­ter­pla­ne­tá­ri­as ve­nham me res­ga­tar”. Pi­or: al­guns acre­di­tam mes­mo que re­co­nhe­cer o er­ro é su­fi­ci­en­te pa­ra os pro­ces­sos mu­da­rem. “Sei que es­tou no em­pre­go er­ra­do, no ca­sa­men­to er­ra­do, na ci­da­de er­ra­da. Te­nho ple­na cons­ci­ên­cia.” E pron­to: a má­gi­ca acon­te­ce, quan­do, na ver­da­de, es­se é ape­nas o pri­mei­ro passo da ca­mi­nha­da. “Es­tou aci­ma do pe­so, mas mar­quei o nu­tri­ci­o­nis­ta.” Ex­ce­len­te no­tí­cia. Mas não se es­que­ça de ir à ses­são, ou­vir as ori­en­ta­ções e mu­dar o car­dá­pio. Por­que pa­gar a con­sul­ta só vai ema­gre­cer sua con­ta ban­cá­ria.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.