Bodas de di­a­man­te

Ana Maria - - CAPA - Ana Bar­del­la

Mau­ro Men­don­ça e Ro­sa­ma­ria Mur­ti­nho co­me­mo­ra­ram 60 anos de ca­sa­dos na úl­ti­ma se­ma­na. Com ex­clu­si­vi­da­de, a atriz fa­lou à Ana­ma­ria so­bre os de­ta­lhes da fes­ta e re­lem­brou mo­men­tos im­por­tan­tes da tra­je­tó­ria do ca­sal, co­mo uma se­pa­ra­ção que for­ta­le­ceu ain­da mais os la­ços en­tre eles

Uma du­pla que fez his­tó­ria na te­le­vi­são: jun­tos, Ro­sa­ma­ria Mur­ti­nho, 83 anos, e Mau­ro Men­don­ça, 88, so­mam di­ver­sos per­so­na­gens mar­can­tes pa­ra a dra­ma­tur­gia bra­si­lei­ra. Ca­sa­dos há 60 anos, eles se co­nhe­ce­ram no iní­cio da car­rei­ra, nos bas­ti­do­res do te­a­tro. “A gen­te co­me­çou se bei­jan­do na co­xia”, re­lem­brou Ro­sa­ma­ria no dis­cur­so emo­ci­o­na­do du­ran­te a fes­ta, que acon­te­ceu em um ho­tel de lu­xo do Rio de Ja­nei­ro. En­tre o pri­mei­ro en­con­tro e a bo­da de di­a­man­te, o ca­sal te­ve três fi­lhos e cin­co ne­tos. A se­guir, Ro­sa­ma­ria, em ce­na com a per­so­na­gem Lin­da, de A Do­na do Pe­da­ço (Globo), re­ve­la episódios mar­can­tes da his­tó­ria do ca­sal.

O prin­ci­pal é ca­sar aman­do e não só por uma atra­ção. Nós nos ca­sa­mos apai­xo­na­dos. Is­so é uma de­lí­cia!

Co­mo foi a fes­ta?

Foi mui­to boa, ga­nhei de pre­sen­te do She­ra­ton [ho­tel on­de acon­te­ceu o even­to]. No co­me­ço, quis fa­zer uma coi­sa pe­que­na... Mas eles in­sis­ti­ram e, no fi­nal, ado­rei [uma fes­ta gran­de].

E a sua pre­pa­ra­ção?

Pe­guei um ves­ti­do que foi da mi­nha avó. Acre­di­te, a úl­ti­ma vez que o co­lo­quei foi há 19 anos, ou se­ja, no Ré­veil­lon da en­tra­da do sé­cu­lo XXI. Es­ta­va guar­da­di­nho em um plás­ti­co. Man­dei pas­sar e fi­cou óti­mo: li­nho e ren­da, quan­do bem la­va­dos, du­ram a vi­da in­tei­ra. É só dei­xar qua­ran­do no sol – e não jo­gar água sa­ni­tá­ria, cla­ro. Ele tem va­lor sen­ti­men­tal pa­ra mim por­que mi­nha vó era mo­ça quan­do o usou pe­la pri­mei­ra vez. E ain­da com­prou em Pa­ris! Acho lin­do, um es­cân­da­lo. De­pois me ma­qui­ei e fui.

Vo­cê fez um dis­cur­so lin­do...

Eu sou ruim de dis­cur­so, sa­be? Co­mo atriz, gos­to de ter sem­pre um tex­to pa­ra de­co­rar. Mas quan­do a gen­te fa­la com o co­ra­ção e pou­qui­nho, pa­ra não cha­te­ar as pes­so­as, é mais fá­cil acer­tar.

Na épo­ca em que vo­cê e o Mau­ro se co­nhe­ce­ram, sua fa­mí­lia acei­tou bem o na­mo­ro?

Acei­tou. Sou de uma fa­mí­lia boa, eles nun­ca ti­ve­ram pre­con­cei­to. Meu pai era um ho­mem mui­to in­te­li­gen­te e mi­nha mãe uma gra­ça, um doce de pes­soa... Eu te­nho uma vi­da bem co­mum. Nun­ca hou­ve bri­gas fa­mi­li­a­res. De­pois que me tor­nei atriz, na­da mu­dou, só fi­quei mais fa­mo­sa. Mas a mi­nha pró­pria ca­be­ça não mu­dou. Não fi­quei pre­ten­si­o­sa, por exem­plo.

A fa­ma já atra­pa­lhou o re­la­ci­o­na­men­to de vo­cês?

Nos­so ca­sa­men­to já foi afe­ta­do, mas não pe­la fa­ma... Re­la­ci­o­na­men­tos são sem­pre di­fí­ceis. Já nos se­pa­ra­mos e ti­ve­mos a pos­si­bi­li­da­de de di­vór­cio. Mas nun­ca qui­se­mos.

De­pois de um tem­po, vol­ta­mos.

Is­so foi no co­me­ço do ca­sa­men­to?

Não, pe­lo con­trá­rio. Foi pró­xi­mo aos 25 anos de ca­sa­dos, um pou­co an­tes de fa­zer­mos bodas de pra­ta. Co­mo as pes­so­as di­zem ho­je, nós “de­mos um tem­po”.

Co­mo ocor­reu a re­con­ci­li­a­ção?

Pri­mei­ro vol­ta­mos a mo­rar na mes­ma ca­sa, mas em cô­mo­dos se­pa­ra­dos. De­pois, fo­mos nos re­a­pro­xi­man­do até re­a­tar de vez. Foi mui­to bom, vol­ta­mos com mais ex­pe­ri­ên­cia e to­le­rân­cia.

Foi di­fí­cil fi­car afas­ta­da de­le?

No prin­cí­pio, sim, por­que foi ele quem dei­xou a ca­sa. Qual­quer se­pa­ra­ção, se­ja con­sen­su­al ou mo­ti­va­da por bri­gas, é sem­pre com­pli­ca­da. Mas com o que é que o ser hu­ma­no não se acos­tu­ma? Pes­so­as in­te­li­gen­tes ten­tam li­dar com is­so da me­lhor ma­nei­ra pos­sí­vel. Mas não sou mui­to de fa­lar so­bre es­se as­sun­to [ri­sos]. Quan­do me se­pa­rei, não dei uma en­tre­vis­ta. Quan­do vol­tei, tam­bém não.

Co­mo ato­res, vo­cês já fi­ze­ram pa­res ro­mân­ti­cos com ou­tras pes­so­as. Já sen­ti­ram ciú­me um do ou­tro em ce­na?

A gen­te sem­pre tem um pou­co... Mas re­le­va­mos por­que é nos­so tra­ba­lho. E um en­vol­vi­men­to só acon­te­ce se os dois la­dos qui­se­rem. Ca­so con­trá­rio, não vai pa­ra fren­te.

Em ter­mos de per­so­na­li­da­de, em quais as­pec­tos vo­cês mais com­bi­nam?

So­mos mui­to le­ais um com o ou­tro, exis­te um com­pa­nhei­ris­mo gran­de. Mas ele é “mi­nei­rão”, mais qui­e­to. Eu fui cri­a­da na Rua Vis­con­de de Pi­ra­já, em Ipa­ne­ma. Em mui­tos as­pec­tos nos com­ple­ta­mos, mas em mui­tos so­mos di­fe­ren­tes.

Mes­mo de­pois de tan­to tem­po, ain­da têm de­sen­ten­di­men­tos?

Cla­ro! Às ve­zes, pen­so uma coi­sa, ele pen­sa ou­tra... Mas na­da é le­va­do ao ex­tre­mo.

Com a ida­de, a gen­te ten­ta com­pre­en­der e res­pei­tar o ou­tro. Por cau­sa dis­so, a vi­da fi­ca mais le­ve. Vo­cê não fi­ca ten­tan­do im­por na­da. Quan­do era mo­ça, não sa­bia dis­so.

Apren­deu is­so ao lon­go do tem­po?

Com o pas­sar dos anos, a gen­te não ga­nha só ru­gas, não [ri­sos]. A gen­te ga­nha mais ex­pe­ri­ên­cia e sa­be­do­ria tam­bém. Além dis­so, nós dois já fi­ze­mos aná­li­se, o que foi mui­to im­por­tan­te não só pa­ra o nos­so re­la­ci­o­na­men­to, mas tam­bém pa­ra a pro­fis­são, na cons­tru­ção das nos­sas per­so­na­gens. Eu sou es­cor­pi­a­na, ou se­ja, meu ver­bo é cri­ar. Eu gos­to de apren­der e cri­ar em ci­ma dis­so.

E qual o sig­no do Mau­ro?

Ele é de Áries. A gen­te se olha e se res­pei­ta por­que sa­be que ca­da um tem sua per­so­na­li­da­de. Já deu mui­ta con­fu­são, mas ho­je te­mos um co­nhe­ci­men­to mui­to bom um do ou­tro.

Es­ta­tís­ti­cas mos­tram que, atu­al­men­te, um a ca­da três ca­sa­men­tos bra­si­lei­ros ter­mi­na em di­vór­cio. Vo­cê no­ta mui­ta di­fe­ren­ça de co­mo as pes­so­as se re­la­ci­o­nam ho­je em com­pa­ra­ção a an­ti­ga­men­te?

Acho que o prin­ci­pal é ca­sar aman­do e não só por uma atra­ção. Nós ca­sa­mos apai­xo­na­dos. Is­so é uma de­lí­cia, é óti­mo... Se não for uma coi­sa pro­fun­da, qual­quer briga po­de se­pa­rar. Não di­go que es­sa é a ra­zão pe­la qual tan­tos di­vór­ci­os acon­te­cem por­que não sou psi­có­lo­ga. Mas, tal­vez, as pes­so­as pre­ci­sem se apro­fun­dar mais. Ou­tra ques­tão são os ob­je­ti­vos em co­mum: nós qu­e­ría­mos ser ato­res e cri­ar uma fa­mí­lia. E con­se­gui­mos!

O sen­ti­men­to vai se trans­for­man­do com o pas­sar dos anos?

Vai, com cer­te­za. A pai­xão tem aque­le rom­pan­te. Ao lon­go do tem­po a coi­sa vai se trans­for­man­do, mas eu não sa­be­ria ex­pli­car co­mo é. Eu só sen­ti.

É ra­ro uma união du­rar tan­to. Sen­te que as pes­so­as en­xer­gam o re­la­ci­o­na­men­to de vo­cês com pro­fun­da ad­mi­ra­ção?

A gen­te nun­ca sa­be co­mo os ou­tros nos ve­em. Al­guns po­dem di­zer: “Po­xa, que ba­ca­na... Eles, ape­sar de te­rem se se­pa­ra­do, vol­ta­ram e con­se­gui­ram is­so”. Ou­tros po­dem fa­lar: “Ai, que cha­ti­ce, meu Deus do céu! Fi­car tan­to tem­po ca­sa­do!” Is­so é por­que a ex­pe­ri­ên­cia da pes­soa foi ruim. Ca­sou sem es­tar apai­xo­na­da ou se­pa­rou com um trau­ma. Tem gen­te que diz: “Eu não iria aguen­tar”. Tem de tu­do na vi­da.

Qual foi a maior li­ção que vo­cê apren­deu com o ca­sa­men­to até ho­je?

A to­le­rân­cia. Não adi­an­ta pen­sar: “Vou me ca­sar e mu­dar ele”. Is­so é bo­ba­gem, mas as pes­so­as jovens têm es­sa ma­nia, o que aca­ba sen­do um abor­re­ci­men­to pa­ra as du­as par­tes: vo­cê não vai con­se­guir e a pes­soa vai fi­car cha­te­a­da. É me­lhor acei­tar o ou­tro do jei­to que ele é.

Du­ran­te a co­me­mo­ra­ção re­a­li­za­da em um ho­tel de lu­xo no Rio de Ja­nei­ro, o pa­dre Renato Mar­tins aben­ço­ou o ca­sal

Na fes­ta, o ca­sal de ato­res re­fez a mes­ma po­se do dia em que su­bi­ram ao altar, há 60 anos

Ro­sa­ma­ria e Mau­ro cer­ca­dos por dois dos três fi­lhos: Ro­dri­go Men­don­ça e Mau­ro Men­don­ça Fi­lho

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.