Ca­be­lo SEM CASPA

O pro­ble­ma, que po­de apa­re­cer tan­to em adul­tos quan­to em cri­an­ças, não é con­ta­gi­o­so nem cau­sa­do por fal­ta de hi­gi­e­ne. As der­ma­to­lo­gis­tas Ana Lú­cia Re­cio, Ana Ma­ria Ber­tel­li, Car­la Góes, Mi­che­le Hai­kal e Si­mo­ne Ne­ri es­cla­re­ce­ram tu­di­nho pa­ra nós!

Ana Maria - - BELEZA - Jú­lia Ar­bex

É sem­pre bom con­sul­tar um der­ma­to­lo­gis­ta pa­ra ava­li­ar com mais pro­fun­di­da­de a gra­vi­da­de do pro­ble­ma, os fa­to­res res­pon­sá­veis e o tra­ta­men­to mais ade­qua­do.

O QUE É?

Tam­bém cha­ma­da de der­ma­ti­te se­bor­rei­ca, a caspa é uma in­fla­ma­ção na pe­le que cau­sa des­ca­ma­ção e ver­me­lhi­dão em al­gu­mas áre­as da fa­ce e ca­be­ça, co­mo so­bran­ce­lhas e can­tos do na­riz, cou­ro ca­be­lu­do e ore­lhas. Es­ses flo­cos são cé­lu­las mor­tas eli­mi­na­das ra­pi­da­men­te. Em um cou­ro ca­be­lu­do con­si­de­ra­do sau­dá­vel, a ca­ma­da su­per­fi­ci­al é ex­cluí­da uma vez por mês. Es­sa do­en­ça é crô­ni­ca, com pe­río­dos de me­lho­ra e pi­o­ra dos sin­to­mas, e po­de ter ori­gem ge­né­ti­ca ou de­sen­ca­de­a­da por agen­tes ex­ter­nos, co­mo aler­gi­as, si­tu­a­ções de fa­di­ga e es­tres­se, mu­dan­ças brus­cas de tem­pe­ra­tu­ra, me­di­ca­men­tos, in­ges­tão de ali­men­tos gor­du­ro­sos e be­bi­das al­coó­li­cas, ex­ces­so de ole­o­si­da­de e pre­sen­ça do fun­go Pity­ros­po­rum ova­le. Em re­cém-nas­ci­dos, o pro­ble­ma, co­nhe­ci­do co­mo cros­ta lác­tea, é uma con­di­ção ino­fen­si­va e tem­po­rá­ria, na qual apa­re­cem cas­cas gros­sas ama­re­las ou mar­rons no cou­ro ca­be­lu­do da cri­an­ça e na re­gião da vi­ri­lha.

CON­SI­GO PRE­VE­NIR?

Não exis­te uma for­ma de pre­ven­ção do de­sen­vol­vi­men­to ou o re­a­pa­re­ci­men­to da der­ma­ti­te se­bor­rei­ca. En­tre­tan­to, cui­da­dos es­pe­ci­ais, co­mo o uso de xam­pu e con­di­ci­o­na­dor ade­qua­dos ao seu ti­po de ca­be­lo, faz mui­ta di­fe­ren­ça. Is­so sig­ni­fi­ca que, se vo­cê tem fio ole­o­so, o ideal é apli­car pro­du­tos ca­pi­la­res que

con­tro­lam a ole­o­si­da­de. Nor­mal­men­te, são re­co­men­da­das três la­va­gens por se­ma­na, com água mor­na ou fria. Vo­cê de­ve re­ti­rar to­tal­men­te os pro­du­tos do cou­ro ca­be­lu­do pa­ra não fi­ca­rem re­sí­du­os na re­gião, que po­dem de­sen­ca­de­ar uma no­va cri­se. Além dis­so, va­le con­tro­lar a an­si­e­da­de e o es­tres­se, além de usar rou­pas que não re­te­nham o su­or. Os te­ci­dos sin­té­ti­cos, por exem­plo, são con­train­di­ca­dos pa­ra quem tem

ten­dên­cia à der­ma­ti­te se­bor­rei­ca.

TRA­TA­MEN­TO

Não exis­te uma cu­ra con­si­de­ra­da de­fi­ni­ti­va pa­ra a caspa e, por se tra­tar de uma do­en­ça crô­ni­ca, o tra­ta­men­to va­ria en­tre os pe­río­dos de me­lho­ra e pi­o­ra. Nas cri­ses, além do xam­pu pres­cri­to pe­lo der­ma­to­lo­gis­ta, po­dem ser ne­ces­sá­ri­as me­di­ca­ções an­ti-in­fla­ma­tó­ri­as e an­ti­fún­gi­cas. Quan­do os sin­to­mas fo­rem ame­ni­za­dos, vo­cê po­de man­ter a ro­ti­na

de cui­da­dos co­mo de cos­tu­me.

Mas não se es­que­ça de to­mar ba­nhos com água mor­na e uti­li­zar pro­du­tos ca­pi­la­res

es­pe­cí­fi­cos pa­ra o seu ti­po de ca­be­lo!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.