Apren­da­mos a es­ten­der as MÃOS

Ana Maria - - A PALAVRA DO PAPA FRANCISCO -

Co­mo no mi­la­gre de Pedro na cu­ra de um pa­ra­lí­ti­co, em no­me de Cris­to, a mão de Je­sus é a nossa mão es­ten­di­da pa­ra aju­dar o ou­tro

Em no­me de Je­sus Cris­to Na­za­re­no, le­van­ta-te e an­da

(At 3, 3-6): a cu­ra de um pa­ra­lí­ti­co de nas­cen­ça que ago­ra ca­mi­nha, an­da e lou­va a Deus. De­ve­mos re­fle­tir sobre a pri­mei­ra nar­ra­ção de cu­ra do Li­vro dos Após­to­los e enal­te­cer a ação con­cre­ta dos Após­to­los Pedro e João, que tes­te­mu­nha­ram a ver­da­de do anún­cio do Evan­ge­lho, de­mons­tran­do co­mo agem em no­me de Cris­to.”

Re­cor­de­mos ain­da a lei da épo­ca, que im­pe­dia ofe­re­cer sa­cri­fí­ci­os a quem ti­nha al­gum ti­po de de­fi­ci­ên­cia fí­si­ca, em con­sequên­cia de al­gu­ma cul­pa. Mas, co­mo nar­ra o Evan­ge­lho, o pa­ra­lí­ti­co, pa­ra­dig­ma de tan­tos ex­clu­sos e des­car­ta­dos da so­ci­e­da­de, es­ta­va ali pa­ra pe­dir a es­mo­la de to­dos os di­as, quan­do os Após­to­los tro­ca­ram olha­res com ele e Pedro dis­se: “Não te­nho pra­ta, nem ou­ro, mas o que te­nho, isso te dou. Em no­me de Je­sus Cris­to Na­za­re­no, le­van­ta-te e an­da” (At 3, 3-6).” Es­sa foi a re­la­ção es­ta­be­le­ci­da en­tre o pa­ra­lí­ti­co e os Após­to­los, o mes­mo mo­do em que Deus ama se ma­ni­fes­tar na re­la­ção, sem­pre no diá­lo­go, com a ins­pi­ra­ção do co­ra­ção, atra­vés de um en­con­tro re­al en­tre as pes­so­as, que po­de acon­te­cer só no amor.”

Je­sus sem­pre pe­ga a mão, pro­cu­ra le­van­tar, fa­zen­do com que as pes­so­as se cu­rem, se­jam fe­li­zes e en­con­trem Deus. Es­sa ati­tu­de se ca­rac­te­ri­za pe­la de­li­ca­de­za com o pró­xi­mo, dan­do si­nais de pro­xi­mi­da­de, co­mo a tro­ca res­pei­to­sa e cheia de com­pai­xão de olha­res.”

Quan­tas ve­zes pa­ro pa­ra pen­sar quan­do ve­jo al­gu­ma pa­ró­quia jul­gar mais im­por­tan­te o di­nhei­ro que os sa­cra­men­tos... Por fa­vor, pe­ça­mos ao Se­nhor: Igre­ja po­bre! Por­que a Igre­ja ver­da­dei­ra é aque­la que vê quem es­tá em di­fi­cul­da­de, sabe olhar a hu­ma­ni­da­de no ros­to pa­ra cri­ar re­la­ções sig­ni­fi­ca­ti­vas, pon­tes de ami­za­de e so­li­da­ri­e­da­de no lu­gar de bar­rei­ras, que se sen­te mãe de to­dos, que sabe pe­gar na mão e acom­pa­nhar pa­ra se le­van­tar.”

E isso fa­zem os dois Após­to­los com o pa­ra­lí­ti­co: olham ele, di­zem “olhe pa­ra nós”, se­gu­ram a sua mão, o fa­zem se le­van­tar e o cu­ram. As­sim faz Je­sus com to­dos nós. Pen­se­mos nis­so quan­do es­ti­ver­mos em mo­men­tos ruins, em mo­men­tos de pe­ca­do, em mo­men­tos de tris­te­za. Aí es­tá Je­sus, que diz: “Olhe pa­ra mim: eu es­tou aqui!”. Va­mos pe­gar na mão De­le e dei­xar que nos le­van­te. Não es­que­ça­mos: sem­pre a mão es­ten­di­da pa­ra aju­dar o ou­tro a se er­guer; é a mão de Je­sus que, atra­vés da nossa mão, aju­da os ou­tros a se le­van­tar.”

A PA­LA­VRA DO FRAN­CIS­CO O conteúdo des­ta pá­gi­na é ex­traí­do da mis­sa que o Santo Pa­dre ce­le­bra to­da ma­nhã na Ca­sa San­ta Mar­ta, nas de­pen­dên­ci­as do Es­ta­do do Va­ti­ca­no.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.