Au­to­es­ti­ma: re­co­nhe­cen­do as su­as fra­gi­li­da­des

Ana Maria - - DIETA -

Aau­to­es­ti­ma na­da mais é que aqui­lo que vo­cê pen­sa e sen­te sobre si. As­sim, bai­xa au­to­es­ti­ma é uma opi­nião ruim sobre vo­cê mes­ma. E ela traz con­sequên­ci­as ne­ga­ti­vas, co­mo im­pe­di-la de le­van­tar da ca­ma, sair de ca­sa, pro­gre­dir no tra­ba­lho, en­fren­tar pro­ble­mas... E o que ocor­reu na sua in­fân­cia é fun­da­men­tal pa­ra de­ter­mi­nar es­se sen­ti­men­to. Cri­an­ças que so­fre­ram abu­so se­xu­al e maus-tra­tos têm pro­ble­mas de au­to­es­ti­ma. Quan­do adul­tos, ain­da po­de­rão ‘car­re­gar’ es­se pro­ble­ma. Sua his­tó­ria in­flu­en­ci­a­rá sua au­to­es­ti­ma pa­ra sem­pre. Bullying, crí­ti­cas cons­tan­tes, não con­se­guir cor­res­pon­der às ex­pec­ta­ti­vas dos pais, pro­fes­so­res ou co­le­gas, es­tar no meio de cons­tan­tes bri­gas fa­mi­li­a­res, sem afei­ção e sem re­ce­ber aten­ção, tam­bém con­tri­bu­em pa­ra a au­to­es­ti­ma bai­xa. É com­pro­va­do ain­da que quem abu­sa de ál­co­ol e dro­gas, e so­fre de trans­tor­no men­tal (de­pres­são, es­qui­zo­fre­nia, trans­tor­no ob­ses­si­vo­com­pul­si­vo) tem a es­ti­ma ain­da mais bai­xa, se­ja por apro­fun­dar seus sin­to­mas, se­ja pe­lo es­tig­ma que tais do­en­ças tra­zem. Tam­bém é fa­to que au­to­es­ti­ma bai­xa ge­ra qua­dros de­pres­si­vos e an­si­o­sos. É, por­tan­to, um ci­clo que se re­a­li­men­ta e per­pe­tua. Per­ce­be o que isso faz com a qua­li­da­de da sua vi­da? Por isso, é pre­ci­so cui­dar des­se qua­dro de de­sâ­ni­mo e de­ses­tí­mu­lo, e bus­car aju­da de um pro­fis­si­o­nal pa­ra o controle do seu es­ta­do men­tal e, con­se­quen­te­men­te, a me­lho­ra do âni­mo e pers­pec­ti­vas. A ba­se do tra­ta­men­to é es­ta­be­le­cer uma boa re­la­ção, o que vai ga­ran­tir a ade­são da pes­soa. Quan­do ne­ces­sá­rio, pa­ra­le­lo à psi­co­te­ra­pia, faz-se ne­ces­sá­rio o uso de me­di­ca­ção. Tu­do vi­san­do cri­ar mu­dan­ças no es­ti­lo de vi­da, es­pe­ci­al­men­te atra­vés de re­la­ci­o­na­men­tos sau­dá­veis com pa­ren­tes, ami­gos e par­cei­ros. Mais que tu­do, con­sis­te em abra­çar su­as fra­gi­li­da­des, es­tar cons­ci­en­te de­las e não se aban­do­nar. Se vo­cê es­tá aci­ma do pe­so, sem ami­gos, sem em­pre­go, não po­de fi­car sem re­a­gir, sem pe­dir aju­da, à mer­cê de uma opi­nião tão ne­ga­ti­va sobre vo­cê mes­ma.

“Se vo­cê es­tá aci­ma do pe­so, sem ami­gos, sem em­pre­go, não po­de fi­car sem re­a­gir, sem pe­dir aju­da, à mer­cê de uma opi­nião tão ruim e ne­ga­ti­va sobre vo­cê mes­ma”

LUIZ SCOCCA É psi­qui­a­tra com mais de 20 anos de aten­di­men­to em con­sul­tó­rio pró­prio, além da par­ti­ci­pa­ção em gru­pos de es­tu­do, con­gres­sos e pro­je­tos so­ci­ais. For­ma­do pe­la USP e mem­bro das as­so­ci­a­ções bra­si­lei­ra e americana de psi­qui­a­tria: ABP e APA.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.