Con­ver­sa en­tre ami­gas

“An­do me sen­tin­do de­sa­ni­ma­da, sem von­ta­de de na­da, com pre­gui­ça mes­mo! Ape­sar do es­for­ço, sei que na­da vai mu­dar e mi­nha vi­da con­ti­nu­a­rá uma mes­mi­ce. Pa­ra ir ao tra­ba­lho, en­tão, é uma lu­ta...”

Ana Maria - - MENSAGEM DA KARLINHA - E. J., por e-mail

Se­rá mes­mo que vo­cê tem se es­for­ça­do? Pa­re­ce que não... Se vo­cê afir­ma ca­te­go­ri­ca­men­te que na­da vai mu­dar, en­tão é por­que co­lo­cou na ca­be­ça que en­xer­gar a vi­da de uma ou­tra ma­nei­ra não re­sol­ve­rá ab­so­lu­ta­men­te na­da. Ora, ora! Tem tan­ta gen­te por aí so­nhan­do com um em­pre­go... Gen­te que, ape­sar das di­fi­cul­da­des, não dei­xa a pe­te­ca cair e não en­tre­ga os pon­tos.

Fa­ça o mes­mo! Tu­do bem, há di­as que nos sen­ti­mos mes­mo pra bai­xo, mas daí a fa­zer dis­so uma re­gra, nem pen­sar. Agra­de­ça a dá­di­va de vi­ver, re­no­van­do, a ca­da no­vo dia, sua es­pe­ran­ça, fé e en­tu­si­as­mo. De­pois da chu­va, o sol sem­pre vol­ta a bri­lhar. Bo­ra ar­re­ga­çar as man­gas e fa­zer acon­te­cer, me­ni­na!

Sua ami­ga, Kar­li­nha

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.