Pe­ça a Je­sus CO­RA­GEM pa­ra se­gui-lo de per­to

Je­sus de­ci­diu sem­pre ir em fren­te, ofe­re­cer a fa­ce. To­me­mos ho­je um pou­co de tem­po pa­ra pe­dir a gra­ça de ter a co­ra­gem de o se­guir

Ana Maria - - A PALAVRA DO PAPA FRANCISCO -

No Evan­ge­lho de Lu­cas, Je­sus to­ma du­as de­ci­sões ao se apro­xi­mar o mo­men­to da sua Pai­xão: co­lo­car-se a ca­mi­nho e, por­tan­to, acei­tar a von­ta­de do Pai e ir avan­te e, de­pois, anun­ci­ar es­sa de­ci­são aos seus dis­cí­pu­los. So­men­te uma vez Je­sus se per­mi­tiu pe­dir ao Pai que afas­tas­se um pou­co a cruz:

‘Pai, se pos­sí­vel, afas­ta de mim es­te cá­li­ce. Mas não se­ja fei­ta a mi­nha, mas a tua von­ta­de’.”

Obe­di­en­te; aqui­lo que o Pai quer. De­ci­di­do e obe­di­en­te e na­da mais. E as­sim até o fim. O Se­nhor pa­ci­en­ta... Pa­ci­en­ta. É um exem­plo de ca­mi­nho, não so­men­te mor­rer so­fren­do so­bre a cruz, mas ca­mi­nhar em pa­ci­ên­cia...”

Mas, di­an­te do ca­mi­nho ru­mo a Je­ru­sa­lém e ru­mo à cruz, os dis­cí­pu­los não se­guem o seu Mes­tre. Às ve­zes, eles não en­ten­dem o que quer di­zer ou não que­rem en­ten­der, por­que es­ta­vam com me­do. Ou­tras ve­zes, es­con­di­am a ver­da­de ou se dis­trai­am fa­zen­do coi­sas ali­e­nan­tes; ou até mes­mo pro­cu­ra­vam um áli­bi pa­ra não pen­sar na­qui­lo que aguar­da­va o Se­nhor.”

Nin­guém en­ten­dia a so­li­dão de Je­sus no ca­mi­nho pa­ra Je­ru­sa­lém. Pen­se­mos no aban­do­no dos dis­cí­pu­los... O Evan­ge­lho nos diz que apa­re­ce a ele so­men­te um an­jo pa­ra con­for­tá-lo no Jar­dim das Oli­vei­ras. Só aque­la com­pa­nhia.”

Va­le a pe­na to­mar­mos um pou­co de tem­po pa­ra pen­sar em Je­sus, que tan­to nos amou, que ca­mi­nhou so­zi­nho pa­ra a Cruz, na in­com­pre­en­são tam­bém dos seus. Pen­sar, ver, agra­de­cer a Je­sus obe­di­en­te e co­ra­jo­so... e con­ver­sar com Ele.”

E eu su­gi­ro as pa­la­vras: ‘Quan­tas ve­zes eu pro­cu­ro fa­zer tan­tas coi­sas e não olho pa­ra Ti, que fi­zes­te is­to por mim? Que foi pa­ci­en­te – o ho­mem pa­ci­en­te,

Deus pa­ci­en­te –, que com tan­ta pa­ci­ên­cia to­le­ra os meus pe­ca­dos, os meus fra­cas­sos?”

E fa­lar com Je­sus de­ve ser as­sim. Ele de­ci­diu sem­pre ir em fren­te, ofe­re­cer a fa­ce e agra­de­cer. Por­tan­to, to­me­mos ho­je um pou­co de tem­po, pou­cos mi­nu­tos que se­jam (cin­co, dez, 15) di­an­te do Cru­ci­fi­xo ou sim­ples­men­te em pen­sa­men­to, em ima­gi­na­ção, pa­ra fa­lar com Ele e re­pen­sar so­bre o seu ca­mi­nhar de­ci­di­da­men­te pa­ra Je­ru­sa­lém. Pe­ça­mos to­dos a gra­ça de ter a co­ra­gem de se­gui-lo de per­to.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.