Puberdade a ca­mi­nho

Ana Maria - - FILHOS - Ana Bar­del­la

En­tre os 11 e 13 anos de ida­de se ini­cia, no cor­po fe­mi­ni­no, uma sé­rie de al­te­ra­ções per­ma­nen­tes. Co­nhe­ci­da co­mo puberdade, a fa­se é mar­ca­da pe­la “ebu­li­ção” dos hormô­ni­os se­xu­ais, nas­ci­men­to de pe­los e tam­bém pe­la che­ga­da da pri­mei­ra mens­tru­a­ção. Com tan­tas trans­for­ma­ções, mui­tos incô­mo­dos po­dem sur­gir. Ka­ri­na Taf­ner, gi­ne­co­lo­gis­ta obs­te­tra e as­sis­ten­te do am­bu­la­tó­rio de re­pro­du­ção as­sis­ti­da da San­ta Ca­sa, lis­ta os pro­ble­mas mais co­muns do pe­río­do e ex­pli­ca co­mo tor­nar a eta­pa mais tran­qui­la pa­ra as me­ni­nas.

1 GANHO DE PE­SO

Pré-ado­les­cen­tes em es­ti­rão de cres­ci­men­to ou que não pos­su­em ten­dên­cia a en­gor­dar po­dem pas­sar ile­sas por es­se pro­ble­ma. Ain­da as­sim, há gran­des chan­ces de au­men­to das me­di­das dos qua­dris, per­nas, ma­mas e até da bar­ri­ga. As ga­ro­tas que es­tão gor­di­nhas, por exem­plo, ten­dem a ga­nhar três ve­zes mais pe­so do que aque­las que são ma­gras. Pa­ra evi­tar que o pro­ces­so ocor­ra de ma­nei­ra mui­to exa­ge­ra­da, in­vis­ta em uma ali­men­ta­ção ba­lan­ce­a­da e na prá­ti­ca re­gu­lar de exercícios físicos. Con­tar com o acom­pa­nha­men­to de um mé­di­co tam­bém aju­da bas­tan­te a ga­ran­tir que o au­men­to do pe­so es­te­ja den­tro do es­pe­ra­do pa­ra a fa­se.

2 ACNE

Cra­vos e es­pi­nhas es­tão re­la­ci­o­na­dos ao au­men­to dos hormô­ni­os. Ca­so es­te­ja in­co­mo­dan­do, o ide­al é pro­cu­rar o au­xí­lio de um der­ma­to­lo­gis­ta. Al­guns há­bi­tos, co­mo la­var o ros­to com sa­bo­ne­tes es­pe­cí­fi­cos, usar pro­te­tor so­lar, fa­zer lim­pe­za de pe­le e hi­dra­ta­ção, tam­bém po­dem aju­dar a con­tro­lar o pro­ble­ma.

3 AU­MEN­TO DAS MA­MAS

Ho­ra de com­prar o pri­mei­ro su­tiã. Pa­ra que o mo­men­to não se tor­ne incô­mo­do, prefira sem­pre os te­ci­dos con­for­tá­veis, co­mo al­go­dão. Evi­te os mo­de­los que aper­tam de­mais os sei­os.

Co­nhe­ça os se­te

mai­o­res pro­ble­mas

des­ta fa­se de tran­si­ção

e aju­de sua fi­lha a pas­sar por ela de for­ma

tran­qui­la

4 CRES­CI­MEN­TO DOS PE­LOS

Eis um dos si­nais mais ca­rac­te­rís­ti­cos da puberdade. No iní­cio, qu­an­do os pe­los ain­da são es­cas­sos, lâ­mi­na e ce­ra po­dem ser bo­as op­ções pa­ra con­tro­lá­los, ca­so se­ja da von­ta­de da me­ni­na. Já pa­ra al­ter­na­ti­vas mais com­ple­xas, co­mo a de­pi­la­ção a la­ser, pe­ça a opi­nião de um der­ma­to­lo­gis­ta de con­fi­an­ça.

5

MENS­TRU­A­ÇÃO DESREGULAD­A

Nos pri­mei­ros dois anos após a pri­mei­ra mens­tru­a­ção, na­tu­ral­men­te, os ci­clos ocor­rem em es­pa­ça­men­tos di­fe­ren­tes de di­as. No en­tan­to, ain­da é ce­do pa­ra usar pí­lu­las que re­gu­lam o ci­clo mens­tru­al. Aguar­de o de­sen­vol­vi­men­to na­tu­ral de to­do o sis­te­ma re­pro­du­tor fe­mi­ni­no, já que nes­sa ida­de eles não in­di­cam a exis­tên­cia de um pro­ble­ma de saú­de.

6 AL­TE­RA­ÇÕES DE HU­MOR

Não é mito: com as va­ri­a­ções hor­mo­nais, os âni­mos po­dem fi­car à flor da pe­le. Prin­ci­pal­men­te du­ran­te a TPM, a ir­ri­ta­ção ten­de a cres­cer. Uma pes­qui­sa nor­te-ame­ri­ca­na re­cen­te re­ve­lou que mu­lhe­res com a dieta ri­ca em fer­ro têm me­nos ris­cos de so­frer com os sin­to­mas da TPM em com­pa­ra­ção com as que con­so­mem pe­que­nas quan­ti­da­des do mi­ne­ral. In­vis­ta, por­tan­to, em ali­men­tos co­mo car­ne ver­me­lha, ve­ge­tais ver­de­es­cu­ros e le­gu­mi­no­sas, co­mo grão-de­bi­co, len­ti­lha, er­vi­lha e fei­jão.

7

CÓLICAS

Taí uma das al­te­ra­ções mais in­de­se­já­veis da puberdade. Ela acon­te­ce por­que du­ran­te o pe­río­do mens­tru­al o úte­ro se pre­pa­ra pa­ra uma ges­ta­ção e a sua ca­ma­da in­ter­na (en­do­mé­trio) se pro­li­fe­ra. Na au­sên­cia de uma gra­vi­dez, es­sas cé­lu­las pre­ci­sam ser eli­mi­na­das pa­ra que o ci­clo se ini­cie no­va­men­te.

En­tão, elas se des­ca­mam em for­ma de san­gra­men­to, a fa­mo­sa mens­tru­a­ção. Du­ran­te o pro­ces­so, a mus­cu­la­tu­ra do úte­ro se con­trai e a re­gião se in­fla­ma na­tu­ral­men­te, ge­ran­do a dor co­nhe­ci­da co­mo có­li­ca. Pa­ra com­ba­ter o pro­ble­ma, uma das saí­das são os me­di­ca­men­tos anti-in­fla­ma­tó­ri­os e an­ti­es­pas­mó­di­cos (si­ga a re­co­men­da­ção do gi­ne­co­lo­gis­ta). Al­guns há­bi­tos tam­bém po­dem pre­ve­nir as do­res: a prá­ti­ca de ati­vi­da­des fí­si­cas, o uso de bol­sa de água quen­te na re­gião e se­guir uma ali­men­ta­ção sau­dá­vel no de­cor­rer do mês. Apos­te em ingredient­es ri­cos em vi­ta­mi­nas, cál­cio (lei­te, bró­co­lis e chia) e mag­né­sio (to­ma­te, es­pi­na­fre e aveia).

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.