Co­mo pre­pa­rar o PET pa­ra a che­ga­da do be­bê

Ana Maria - - CÃO CIDADÃO - MAR­CE­LA BARBIERI BORO, zo­o­tec­nis­ta, mé­di­ca ve­te­ri­ná­ria, ades­tra­do­ra e fran­que­a­da da Cão Ci­da­dão.

Ache­ga­da de um no­vo mem­bro na fa­mí­lia é sem­pre um mo­men­to es­pe­ci­al! O quar­ti­nho nor­mal­men­te es­tá pron­to e as rou­pi­nhas la­va­das, po­rém po­de­mos dei­xar pas­sar um dos pon­tos mais im­por­tan­tes: os pets da ca­sa!

Sim, es­se mo­men­to má­gi­co po­de se tor­nar uma dor de ca­be­ça pa­ra os pa­pais e ma­mães, já que, pa­ra o seu ani­mal­zi­nho, a pre­sen­ça do be­bê po­de ser sinô­ni­mo de vá­ri­as per­das, co­mo aten­ção, pas­sei­os, es­pa­ço etc. Is­so tu­do po­de re­sul­tar em uma as­so­ci­a­ção ne­ga­ti­va com o re­cém-nas­ci­do e, a par­tir daí, co­me­çam os pro­ble­mas de com­por­ta­men­to. Ne­ces­si­da­des no lu­gar er­ra­do, des­trui­ções e até agres­si­vi­da­de são al­guns exem­plos.

Pa­ra evi­tar is­so, a di­ca é co­me­çar o mais ce­do pos­sí­vel. Ain­da na gra­vi­dez, po­de­mos as­so­ci­ar al­guns chei­ros que se­rão usa­dos pe­lo ne­nê no fu­tu­ro a um pe­tis­co bem gos­to­so. Pas­se um pou­co de po­ma­da, lo­ção ou len­ço ume­de­ci­do

nas mãos pa­ra in­te­ra­gir com o pet atra­vés de co­man­dos, ca­ri­nhos ou brin­ca­dei­ras. É pos­sí­vel ain­da ali­men­tar o ani­mal em ci­ma de al­gu­ma fral­da de pa­no ou ou­tro ma­te­ri­al que já te­nha si­do la­va­do com os mes­mos pro­du­tos que fo­ram uti­li­za­dos nas rou­pi­nhas da cri­an­ça. Além dos chei­ros, al­guns ba­ru­lhos tam­bém já po­dem ser in­tro­du­zi­dos, co­mo cho­ca­lhos,

CUIDADO IM­POR­TAN­TE “Ou­tro fa­tor im­por­tan­te é en­si­nar ao ani­mal

al­guns li­mi­tes de dis­tân­cia pa­ra evi­tar que o be­bê se ma­chu­que com

al­gum pu­lo ou uma pas­sa­gem

brus­ca do mes­mo por ele”

brin­que­dos e mú­si­cas de ni­nar. Até mes­mo o cho­ro de be­bê, por meio de áu­di­os en­con­tra­dos na in­ter­net, po­de ser usa­do. Mas sem­pre da mes­ma for­ma: pa­re­an­do o res­pec­ti­vo es­tí­mu­lo a al­go pra­ze­ro­so pa­ra o pet.

Ou­tro fa­tor im­por­tan­te é en­si­nar ao ani­mal al­guns li­mi­tes de dis­tân­cia pa­ra evi­tar que o be­bê se ma­chu­que com al­gum pu­lo ou uma pas­sa­gem brus­ca do mes­mo por ele. Pa­ra os mo­men­tos em que o ne­nê pre­ci­sa­rá fi­car no chão, o ide­al é con­du­zir o bi­chi­nho até a sua ca­mi­nha e dar a ele um os­si­nho ou brin­que­do gos­to­so pa­ra in­te­ra­gir.

Au­men­tar o gas­to de ener­gia é uma boa es­tra­té­gia tam­bém. Fa­ça is­so atra­vés de pas­sei­os e ades­tra­men­to. Se pre­ci­sar de aju­da, re­cor­ra a um pro­fis­si­o­nal es­pe­ci­a­li­za­do em mé­to­do de re­for­ço po­si­ti­vo.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.