Be­le­za mais ge­ne­ro­sa e de­mo­crá­ti­ca

Ana Maria - - RECADINHO DA REDAÇÃO - Fa­bri­cio Pel­le­gri­no

Aau­to­a­cei­ta­ção es­tá na mo­da. Ou se­ja, é ho­ra de ad­mi­tir quem so­mos e nos amar­mos as­sim mes­mo. E is­so in­clui qua­li­da­des e su­pos­tas im­per­fei­ções. Sim, su­pos­tas, por­que tan­ta gen­te por aí es­ta­be­le­ce tan­tos pa­drões, que, in­se­gu­ros, acre­di­ta­mos ne­les. Ou­vi­mos os ou­tros com ex­ces­si­va aten­ção e fe­cha­mos os ou­vi­dos pa­ra a mais im­por­tan­te de to­das as vo­zes: a nos­sa. A con­sequên­cia? Co­me­ça­mos a en­jau­lar nos­sas pe­cu­li­a­ri­da­des pa­ra ten­tar li­ber­tar uma ver­são de nós que, sur­pre­sa, não éra­mos nós. Tris­te is­so. Po­rém, no­to um es­for­ço de mu­dan­ça por aí. E acho de­li­ci­o­so ver vá­ri­as pes­so­as se con­ta­mi­nan­do pe­lo de­se­jo de ser quem são em vá­ri­os âm­bi­tos. A re­vo­lu­ção tam­bém che­gou à Ana­ma­ria. Oba! Por is­so, a nos­sa re­pór­ter Ana Bar­del­la es­cre­veu a ma­té­ria O que apren­di com o meu ca­be­lo, em que mu­lhe­res com vá­ri­os ti­pos de ca­be­lo con­tam o que apren­de­ram cui­dan­do dos fi­os. Afi­nal, com tan­tos mo­de­los de­ter­mi­na­dos a se­rem se­gui­dos, vá­ri­as de­las ten­ta­ram se en­qua­drar – quem nun­ca, né? – e nem sem­pre es­ta­vam fe­li­zes com os re­sul­ta­dos. Nes­se pro­ces­so, co­me­te­ram er­ros que iam con­tra a pró­pria be­le­za. Mas com o tem­po pas­sa­ram a en­xer­gar gra­ça on­de já ha­via en­can­to. Os ca­be­los ga­nha­ram iden­ti­da­de! E elas con­tam co­mo apren­de­ram a res­pei­tar o DNA de ca­da um de­les. Boa lei­tu­ra! Bei­jos!

Se­ja qual for o seu so­nho, co­me­ce. Ou­sa­dia tem ge­ni­a­li­da­de, po­der e ma­gia Johann Go­ethe

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.