O que apren­di com meu ca­be­lo

Ana Maria - - BELEZA - Ana Bar­del­la

Seis mu­lhe­res, in­clu­si­ve aqui da re­da­ção, re­ve­lam er­ros, acer­tos e li­ções que apren­de­ram cui­dan­do dos fi­os en­tre mo­dis­mos, des­co­ber­tas re­la­ci­o­na­das à au­to­es­ti­ma e per­so­na­li­da­de. Es­ses de­poi­men­tos, as­so­ci­a­dos às di­cas po­de­ro­sas do ca­be­lei­rei­ro Pa­trí­cio Li­ma, do sa­lão i9hair, fa­rão a sua ca­be­lei­ra fi­car ain­da mais au­tên­ti­ca

Nun­ca mais ali­sei

Até a ado­les­cên­cia, meu mai­or so­fri­men­to era acre­di­tar que só po­de­ria fi­car bo­ni­ta se meu ca­be­lo es­ti­ves­se li­so. Acha­va que não po­dia ter fran­ja, co­mo as mi­nhas ami­gas, pois o ca­be­lo ca­che­a­do não per­mi­tia is­so. Re­sul­ta­do: fui re­fém da es­co­va pro­gres­si­va des­de os 11 anos. Só as­su­mi meu ca­be­lo na­tu­ral aos 19 anos. A par­tir de en­tão, nun­ca mais ali­sei. La­vo meu ca­be­lo com pro­du­tos ve­ga­nos e sem subs­tân­ci­as quí­mi­cas agres­si­vas, co­mo pa­ra­be­nos e pe­tro­la­tos (pa­ra sa­ber se um pro­du­to tem ou não, bas­ta ver o ró­tu­lo). Há al­gu­mas se­ma­nas, cor­tei uma fran­ji­nha dis­cre­ta. Pa­ra dei­xá-lo mais de­fi­ni­do, dei­xo se­car na­tu­ral­men­te. Às ve­zes, quan­do te­nho tem­po, mo­de­lo os ca­chos com di­fu­sor. Jú­lia Ar­bex

DI­CA DO ES­PE­CI­A­LIS­TA

O ide­al, pa­ra as ca­che­a­das, é la­var a ca­da dois di­as. Ca­so quei­ra usar um cre­me pa­ra de­fi­nir me­lhor o for­ma­to dos ca­chos de­pois de la­vá-los, evi­te as más­ca­ras hi­dra­tan­tes tra­di­ci­o­nais: use so­men­te os pro­du­tos apro­pri­a­dos, sem en­xá­gue. Na ho­ra de usar o di­fu­sor, evi­te fi­car co­lo­can­do e ti­ran­do, pois is­so au­men­ta o frizz. Dei­xe ele agir por al­guns mi­nu­tos.

Eli­mi­nei o con­di­ci­o­na­dor

Meu ca­be­lo é fi­no, com ten­dên­cia à ole­o­si­da­de e pou­co vo­lu­me. O cor­te cur­to, pa­ra mim, foi a de­ci­são mais acer­ta­da: por ser des­fi­a­do nas la­te­rais e atrás da ca­be­ça, dá a im­pres­são de ser mais cheio. Pa­ra aju­dar no efei­to, uso um xam­pu pró­prio pa­ra vo­lu­me e se­co com o se­ca­dor. Em se­gui­da, apli­co um mus­se fi­na­li­za­dor ex­tra­for­te. Al­gu­mas ve­zes, apli­co tam­bém uma pe­que­na quan­ti­da­de de pó vo­lu­ma­dor nas me­chas. Aper­to com as mãos, mo­de­lan­do os fi­os e dei­xan­do-os as­sen­ta­dos. Apren­di, com o pas­sar do tem­po, que o me­lhor é não usar con­di­ci­o­na­dor de­pois da la­va­gem. Pa­ra hi­dra­tar, pre­fi­ro pas­sar, a ca­da 15 di­as, uma más­ca­ra de tra­ta­men­to. Kar­la Pre­ci­o­so

DI­CA DO ES­PE­CI­A­LIS­TA

Na ho­ra de la­var, evi­te a água quen­te: is­so po­de pi­o­rar a ole­o­si­da­de. E in­vis­ta em dois ti­pos de xam­pus, um pa­ra a raiz, ou­tro pa­ra o com­pri­men­to. O da raiz de­ve ser pró­prio pa­ra ca­be­los ole­o­sos, já o ou­tro po­de ser neu­tro. Fa­zer um tra­ta­men­to com hen­na lí­qui­da (sem cor) po­de aju­dar a tra­zer mais vo­lu­me.

Apren­do com o Fa­ce­bo­ok

Te­nho fi­os gros­sos, na­tu­ral­men­te on­du­la­dos, e a cor ori­gi­nal é cas­ta­nho­cla­ro. De­ci­di pin­tar de rui­vo há dois anos. Ape­sar do tra­ba­lho, não me ar­re­pen­di, por­que sin­to que o tom com­bi­na com a mi­nha per­so­na­li­da­de. En­trei em gru­pos de Fa­ce­bo­ok e si­go pá­gi­nas es­pe­ci­a­li­za­das na co­lo­ra­ção pa­ra pe­gar di­cas. Fa­ço os re­to­ques no sa­lão, mas evi­to o as­pec­to des­bo­ta­do usan­do más­ca­ras de pig­men­ta­ção mis­tu­ra­das com cre­me bran­co a ca­da 15 di­as. Pes­qui­san­do, en­con­trei uma tin­ta pro­du­zi­da com me­nos subs­tân­ci­as tó­xi­cas, que, ape­sar de ser mais ca­ra, é me­nos no­ci­va pa­ra os fi­os. Evi­to os xam­pus com sul­fa­to, pa­ra não des­bo­tar, e não uso pro­du­tos com de­ri­va­dos de pe­tró­leo. Ana Bar­del­la

DI­CA DO ES­PE­CI­A­LIS­TA

Evi­te pin­tar o ca­be­lo to­do a ca­da vez que for re­to­car a raiz.

Pas­se a tin­ta pró­xi­mo ao cou­ro ca­be­lu­do, on­de a cor ori­gi­nal já es­tá apa­re­cen­do. Na ex­ten­são, dê so­men­te um “ba­nho”, de apro­xi­ma­da­men­te 10 mi­nu­tos, com a tin­ta. Is­so aju­da a igua­lar o tom en­tre raiz e pon­tas. Tam­bém va­le abu­sar das más­ca­ras de hi­dra­ta­ção, prin­ci­pal­men­te pa­ra quem tem fi­os gros­sos.

Fa­ço tu­do em ca­sa

Co­mo te­nho um fi­lho de 2 anos, gos­to de man­ter a ro­ti­na o mais prá­ti­ca pos­sí­vel. Te­nho ca­be­lo fi­no e on­du­la­do, ole­o­so na raiz e se­co nas pon­tas.

Por is­so, de­pois de la­var, dei­xo se­car na­tu­ral­men­te, amas­san­do le­ve­men­te as pon­tas, a fim de dei­xá-lo com o efei­to “ba­gun­ça­do”. No pas­sa­do, fiz lu­zes, mas achei a ma­nu­ten­ção com­pli­ca­da e sen­tia que os fi­os fi­ca­vam res­se­ca­dos de­mais. Ho­je, uso uma tin­ta da mes­ma cor que a ori­gi­nal, ape­nas pa­ra co­brir os bran­cos. Pe­la cor­re­ria do dia e pa­ra eco­no­mi­zar, fa­ço to­dos os pro­ce­di­men­tos em ca­sa, in­cluin­do o cor­te, que apren­di as­sis­tin­do a tu­to­ri­ais na in­ter­net. Mui­tas ve­zes, gos­to mais do re­sul­ta­do do que se es­ti­ves­se em um sa­lão. Mar­li Mi­ler

DI­CA DO ES­PE­CI­A­LIS­TA

Pa­ra os ca­be­los fi­nos, é im­por­tan­te usar um pro­te­tor tér­mi­co an­tes de uti­li­zar se­ca­dor, cha­pi­nha ou baby­liss. Pa­ra con­tro­lar o frizz e evi­tar que fi­que em­ba­ra­ça­do du­ran­te a noi­te de so­no, a boa di­ca é: subs­ti­tua a fro­nha de al­go­dão do tra­ves­sei­ro por uma ver­são de se­da. Is­so por­que o al­go­dão “rou­ba” a umi­da­de dos fi­os.

Sei con­tor­nar a ole­o­si­da­de

Meu ca­be­lo é li­so, ole­o­so e tem me­chas loi­ras. Por es­se mo­ti­vo, la­vo to­dos os di­as e se­co com um se­ca­dor, pa­ra dei­xar a fi­na­li­za­ção mais ali­nha­da. An­tes, ti­nha o ca­be­lo bem com­pri­do, mas re­cen­te­men­te de­ci­di re­no­var o vi­su­al e es­tou com ele na al­tu­ra dos om­bros. Gos­tei do re­sul­ta­do, mas con­fes­so que sin­to fal­ta de ter os fi­os lon­gos, por is­so es­tou pen­san­do em dei­xá­los cres­cer no­va­men­te. Pa­ra con­tor­nar a ole­o­si­da­de nos di­as em que es­tou cor­ren­do con­tra o re­ló­gio e sem tem­po pa­ra la­vá-lo pe­la ma­nhã, te­nho um tru­que in­fa­lí­vel: pas­so um pou­qui­nho de tal­co na raiz e dou al­gu­mas ba­ti­di­nhas pa­ra que se­ja in­cor­po­ra­do aos fi­os.

As­sim, con­si­go au­men­tar o pe­río­do en­tre as la­va­gens. Giu­li­a­na Frans­cis­co

DI­CA DO ES­PE­CI­A­LIS­TA

Na raiz, in­vis­ta em um xam­pu pró­prio pa­ra ca­be­los ole­o­sos. Mas as me­chas po­dem dei­xar o com­pri­men­to res­sa­ca­do. Pa­ra evi­tar que o ca­be­lo fi­que “es­pi­ga­do”, fa­ça hi­dra­ta­ções com más­ca­ras pe­lo me­nos a ca­da 15 di­as. Ou­tra di­ca: utilize pro­du­tos ma­ti­za­do­res a fim de de­sa­ma­re­lar o loi­ro.

Meus fi­os são cres­pos e se­cos

Até os 17 anos, ali­sa­va com quí­mi­cas for­tes. Na­que­la épo­ca, fui in­flu­en­ci­a­da pe­la ideia de que os ca­be­los li­sos eram os mais bo­ni­tos. O re­sul­ta­do foi de um ca­be­lo opa­co, que­bra­di­ço e sem mo­vi­men­to: me ar­re­pen­do mui­to. Com o tem­po apren­di a va­lo­ri­zar e ad­mi­rar mi­nhas ca­rac­te­rís­ti­cas. Mi­nha au­to­con­fi­an­ça ho­je é mui­to mai­or. Mi­nha ro­ti­na ca­pi­lar en­vol­ve mui­ta hi­dra­ta­ção e nu­tri­ção. Bas­tan­te água pa­ra aju­dar. A fi­na­li­za­ção fa­ço com cre­me e um pou­qui­nho de óleo. In­grid Ha­ga­tae

DI­CA DO ES­PE­CI­A­LIS­TA

O de­sa­fio dos ca­be­los cres­pos es­tá em re­ce­ber nu­tri­en­tes.

Por is­so o ide­al é la­var a ca­da 3 di­as, uti­li­zan­do pro­du­tos apro­pri­a­dos. Se o for­ma­to for ca­che­a­do, um di­fu­sor po­de aju­dar na fi­na­li­za­ção. Já se for es­ti­lo black power, use um pen­te pa­ra sol­tar a raiz, prin­ci­pal­men­te na par­te de ci­ma, on­de po­de fi­car mais da­ni­fi­ca­do.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.