A im­por­tân­cia do Có­di­go de De­fe­sa do Con­su­mi­dor

Ana Maria - - DIREITO DO CONSUMIDOR -

Con­tra­tei um bu­fê e pa­guei a en­tra­da, mas a fes­ta não vai mais acon­te­cer. Can­ce­lei e fui in­for­ma­da de que o di­nhei­ro não se­rá de­vol­vi­do. Is­so é cer­to, mes­mo não es­tan­do no con­tra­to mul­ta em ca­so de de­sis­tên­cia?”

P. V., por e-mail

“O Có­di­go de De­fe­sa do Con­su­mi­dor re­gu­la as re­la­ções de con­su­mo e dá di­re­tri­zes de co­mo pro­ce­der em ca­so de de­sa­cor­do co­mer­ci­al en­tre for­ne­ce­dor e con­su­mi­dor. As cláu­su­las con­tra­tu­ais se­rão in­ter­pre­ta­das de ma­nei­ra be­né­fi­ca ao con­su­mi­dor”

Es­ta­mos di­an­te de uma tí­pi­ca re­la­ção de con­su­mo, em que o for­ne­ce­dor – aque­le que pres­ta o ser­vi­ço – en­con­tra-se na po­si­ção de su­pe­ri­o­ri­da­de e o con­su­mi­dor – aque­le que ad­qui­re o pro­du­to/ser­vi­ço – es­tá nu­ma po­si­ção de in­fe­ri­o­ri­da­de na re­la­ção, ra­zão pe­la qual foi cri­a­do o Có­di­go de De­fe­sa do Con­su­mi­dor (CDC).

O CDC re­gu­la es­sas re­la­ções de con­su­mo e dá di­re­tri­zes de co­mo pro­ce­der em ca­so de de­sa­cor­do co­mer­ci­al en­tre for­ne­ce­dor e con­su­mi­dor. O ar­ti­go 47 do Có­di­go de De­fe­sa do Con­su­mi­dor pre­vê que as cláu­su­las con­tra­tu­ais se­rão sem­pre in­ter­pre­ta­das da ma­nei­ra mais be­né­fi­ca ao con­su­mi­dor, ou se­ja, se não há qual­quer pre­vi­são de mul­ta no con­tra­to, os va­lo­res pre­vi­a­men­te pa­gos de­vem ser res­sar­ci­dos. Ain­da no ar­ti­go 6º, III tam­bém do CDC, diz que a in­for­ma­ção de­ve ser ade­qua­da e cla­ra, por­tan­to o con­tra­to de­ve con­ter es­pe­ci­fi­ca­men­te o que se­rá re­a­li­za­do e as da­tas que os re­fe­ri­dos ser­vi­ços se­rão ini­ci­a­dos e re­a­li­za­dos. Ca­so o for­ne­ce­dor já te­nha ini­ci­a­do os pre­pa­ra­ti­vos pa­ra a re­a­li­za­ção do even­to, te­nha pres­ta­do al­gum ser­vi­ço ou com­pra­do al­gum item, es­se po­de­rá ser co­bra­do, des­de que pre­vis­to em con­tra­to e de­vi­da­men­te com­pro­va­do. Por is­so, si­ga du­as re­co­men­da­ções:

• Leia sem­pre o con­tra­to, pa­ra que não se­ja obri­ga­do a cum­prir cláu­su­las que não fo­ram es­ta­be­le­ci­das an­te­ri­or­men­te.

• Con­sul­te sem­pre o si­te www.con­su­mi­dor. org.br, em que o con­su­mi­dor po­de re­gis­trar e so­lu­ci­o­nar su­as re­cla­ma­ções de ma­nei­ra mais rá­pi­da e efi­caz.

Agin­do as­sim, vo­cê te­rá to­dos os seus di­rei­tos as­se­gu­ra­dos de for­ma tran­qui­la.

FÁBIO ARAÚJO Ad­vo­ga­do ins­cri­to na OAB/PR sob o nº 59.531, for­ma­do pe­la PUC-PR. Mem­bro do Ins­ti­tu­to Bra­si­lei­ro de Di­rei­to Ci­vil. Só­cio da Araújo, Ba­sa­be e Ze­ni Ad­vo­ga­dos e co­au­tor do si­te Ho­mem Jus­ti­ça.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.