Rein­ven­te sua vi­da

O li­vro é des­ti­na­do àque­les que bus­cam de­sen­vol­ver no­vos mo­dos com­por­ta­men­tais e de pen­sa­men­tos e, as­sim, se­rem me­nos au­to­crí­ti­cos “Um Es­que­ma é um pa­drão de fun­ci­o­na­men­to que se ini­cia na in­fân­cia e se per­pe­tua por to­da a vi­da. Co­me­ça com al­go que foi

Ana Maria - - NA SUA CABECEIRA - Jú­lia Ar­bex

1 – ESQUEMAS

Vo­cê se­gui­da­men­te de­pa­ra-se com re­la­ci­o­na­men­tos amo­ro­sos com pes­so­as fri­as? Sen­te que nem mes­mo as pes­so­as pró­xi­mas se im­por­tam ou o com­pre­en­dem o su­fi­ci­en­te?

Vo­cê sen­te que, no fun­do, o que pre­va­le­ce são seus de­fei­tos? Que, no fun­do, se as pes­so­as o co­nhe­ces­sem de ver­da­de, não o ama­ri­am ou o acei­ta­ri­am?

Vo­cê co­lo­ca as ne­ces­si­da­des dos ou­tros em pri­mei­ro lu­gar? De for­ma que su­as ne­ces­si­da­des nun­ca são aten­di­das – e de for­ma que vo­cê não con­se­gue nem di­zer quais são elas?

Vo­cê sen­te que al­go hor­rí­vel vai lhe acon­te­cer, de for­ma que até mes­mo um si­nal de dor de gar­gan­ta o faz pen­sar que es­tá com uma do­en­ça mui­to gra­ve?

Vo­cê acre­di­ta que, in­de­pen­den­te­men­te de quan­to re­co­nhe­ci­men­to pú­bli­co e so­ci­al re­ce­ba, no fun­do, ain­da se sen­te in­fe­liz, in­sa­tis­fei­to e não me­re­ce­dor?

Cha­ma­mos es­sas “sen­sa­ções” de Esquemas. Vo­cê des­co­bri­rá co­mo re­co­nhe­cê-los e qual é sua ori­gem, e, as­sim, apren­de­rá a ad­mi­nis­trá-los.

Um Es­que­ma é um pa­drão de fun­ci­o­na­men­to que se ini­cia na in­fân­cia e se per­pe­tua por to­da a vi­da. Co­me­ça com al­go que foi fei­to a nós por nos­sas fa­mí­li­as ou por ou­tras cri­an­ças (até mes­mo por ou­tros adul­tos, que não se­jam pa­ren­tes). Fo­mos aban­do­na­dos, cri­ti­ca­dos, su­per­pro­te­gi­dos, abu­sa­dos, ex­cluí­dos ou pri­va­dos – fo­mos mal­tra­ta­dos de al­gu­ma for­ma. Ine­vi­ta­vel­men­te, o Es­que­ma aca­ba fa­zen­do par­te de nos­sa per­so­na­li­da­de. Mes­mo sain­do da ca­sa on­de cres­ce­mos, con­ti­nu­a­mos en­tran­do em si­tu­a­ções nas quais so­mos mal­tra­ta­dos, ig­no­ra­dos, ma­chu­ca­dos ou con­tro­la­dos, e aca­ba­mos fa­lhan­do em al­can­çar nos­sos ob­je­ti­vos de vi­da.

Os Esquemas de­ter­mi­nam co­mo pen­sa­mos, sen­ti­mos, agi­mos e nos re­la­ci­o­na­mos com os ou­tros. Eles ati­vam sen­ti­men­tos in­ten­sos, co­mo rai­va, tris­te­za e an­si­e­da­de. Mes­mo quan­do tu­do es­tá bem – sta­tus so­ci­al, ca­sa­men­to, ami­za­des, car­rei­ra de su­ces­so –, pa­re­ce que ain­da as­sim não con­se­gui­mos sa­bo­re­ar a vi­da ou acre­di­tar em nos­sas con­quis­tas. Jed é um bom exem­plo de co­mo se for­mam os Esquemas.

Jed vai de uma mu­lher pa­ra ou­tra, in­sis­tin­do que ne­nhu­ma de­las o sa­tis­faz. De al­gu­ma for­ma, to­das o de­sa­pon­tam. O mais pró­xi­mo de re­la­ci­o­na­men­to ín­ti­mo que Jed con­se­gue é apai­xo­nar-se ape­nas pe­las mu­lhe­res que o ex­ci­tam se­xu­al­men­te. O pro­ble­ma é que es­ses re­la­ci­o­na­men­tos nun­ca du­ram.

Jed não con­se­gue se co­nec­tar com as mu­lhe­res. Ele ape­nas as con­quis­ta. O pon­to em que per­de o in­te­res­se é exa­ta­men­te o pon­to em que ele con­se­gue “ven­cer”. Quan­do a mu­lher co­me­ça a se apai­xo­nar por ele.

Jed faz um gran­de es­for­ço pa­ra lu­tar con­tra a so­li­dão que sen­te. Ele se sen­te en­te­di­a­do e va­zio. No fun­do, pos­sui um bu­ra­co – ele de­ses­pe­ra­da­men­te pro­cu­ra por uma mu­lher que o con­si­ga pre­en­cher. Ele acre­di­ta que nun­ca vai en­con­trar es­sa mu­lher. Ele sen­te que sem­pre es­te­ve e que sem­pre vai fi­car so­zi­nho.

Quan­do cri­an­ça, Jed sen­tia es­sa mes­ma so­li­dão. Ele não co­nhe­ceu o pai, e sua mãe era fria e não de­mons­tra­va afe­to. Ne­nhum de­les con­se­guiu pro­ver as ne­ces­si­da­des emo­ci­o­nais de Jed. Ele cres­ceu pri­va­do emo­ci­o­nal­men­te, e, ago­ra adul­to, co­lo­ca-se em si­tu­a­ções nas quais seu Es­que­ma se per­pe­tua.

Por anos, Jed se­guia es­se pa­drão com te­ra­peu­tas...

Rein­ven­te Sua Vi­da, de Jef­frey E. Young e Ja­net S. Klos­ko Edi­to­ra: Si­nopsys Pre­ço: R$ 85

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.