No­vas opor­tu­ni­da­des

Na obra, o au­tor fa­la so­bre o de­sa­pa­re­ci­men­to do mun­do co­mo o co­nhe­ce­mos, evi­den­ci­an­do a che­ga­da do no­vo

Ana Maria - - NA SUA CABECEIRA - Jú­lia Ar­bex

“Até que veio o ipho­ne. E nos­sa vi­da nun­ca mais foi a mes­ma. A for­ma de se co­mu­ni­car, tra­ba­lhar, na­mo­rar, pes­qui­sar e com­prar mu­dou com­ple­ta­men­te”

Sem le­var em con­ta as pre­vi­sões ca­tas­tró­fi­cas, as cren­ças e o de­ba­te so­bre se vai ter fim do mun­do ou não, uma coi­sa não po­de­mos ne­gar: o mun­do que co­nhe­ce­mos qu­an­do nas­ce­mos aca­bou. Per­deu o sen­ti­do. Caiu. Ou­tro dia fiz uma lis­ta das “coi­sas” que eram mais im­por­tan­tes na mi­nha in­fân­cia/ado­les­cên­cia. Te­le­fo­ne, fo­to­gra­fia, mú­si­ca, es­co­la, fa­mí­lia... Aca­bou/mu­dou/trans­for­mou-se. Com elas se foi o mun­do (pois es­sas coi­sas nun­ca es­tão iso­la­das, elas se co­nec­tam e in­te­gram o to­do).

Vi­rou cli­chê di­zer que o mun­do mu­dou (por is­so pre­fi­ro di­zer que ele já aca­bou), pois ho­je tu­do mu­da tão ex­po­nen­ci­al­men­te mais rá­pi­do (pa­ra ex­tre­mos) aci­ma de qual­quer mar­gem de com­pa­ra­ção. Ray Kurzweil, um dos mai­o­res fu­tu­ris­tas da atu­a­li­da­de, diz que os pró­xi­mos cem anos tra­rão um im­pac­to de ino­va­ção equi­va­len­te aos úl­ti­mos 20 mil anos. Mes­mo as­sim, ain­da vi­ve­mos co­mo se es­ti­vés­se­mos no ve­lho mun­do. Há lu­ta (in­ter­na e ex­ter­na) e cho­que de re­a­li­da­de por to­dos os la­dos. Uma no­va eco­no­mia en­gas­ga­da, em tra­ba­lho de par­to, e ne­gó­ci­os sur­gin­do em meio a es­sa tran­si­ção com no­vos va­lo­res, mas sen­do obri­ga­dos a se en­cai­xar em an­ti­gos pa­drões (é o exem­plo do Uber e do Airbnb).

Re­cen­te­men­te, par­ti­ci­pa­mos de uma gran­de re­vo­lu­ção di­gi­tal. Ela ti­rou a he­ge­mo­nia do po­der das or­ga­ni­za­ções e da mí­dia e o co­lo­cou no­va­men­te nas mãos, nos de­dos de to­dos. Gra­ças à nos­sa es­ti­ma­da re­de mun­di­al de com­pu­ta­do­res, as pes­so­as vol­ta­ram a ter o con­tro­le e a ser o cen­tro e o fo­co de tu­do. A re­de es­pa­lhou co­nhe­ci­men­to, dis­se­mi­nou in­for­ma­ções e deu a chan­ce de as pes­so­as se ex­pres­sa­rem (pu­bli­ca­rem), se co­nec­ta­rem en­tre si. Mu­dou o fun­ci­o­na­men­to tan­to do­més­ti­co qu­an­to pro­fis­si­o­nal de to­das as coi­sas. Mu­dou o nos­so mo­de­lo men­tal de pen­sa­men­to.

Pen­se no te­le­fo­ne. Pas­sei mi­nha ado­les­cên­cia dis­pu­tan­do com mi­nha ir­mã o apa­re­lho de ca­sa – en­quan­to meu pai dis­pu­ta­va com meus ti­os quem fi­ca­ria com a li­nha her­da­da pe­la mi­nha avó. Is­so por­que te­le­fo­ne va­lia e gas­ta­va di­nhei­ro. Va­lia ven­der pa­ra aju­dar na en­tra­da do apar­ta­men­to pró­prio. E to­do fim de mês era uma bri­ga pe­lo va­lor da con­ta. Mo­bi­li­da­de era um fio gran­de que an­da­va pe­la ca­sa. E ce­lu­lar era lu­xo.

Até que veio o ipho­ne. E nos­sa vi­da nun­ca mais foi a mes­ma. A for­ma de se co­mu­ni­car, tra­ba­lhar, na­mo­rar, pes­qui­sar, com­prar (e tu­do mais que vo­cê pu­der pen­sar) mu­dou com­ple­ta­men­te. An­tes, pa­ra ter um “ne­gó­cio” era pre­ci­so uma se­de, fun­ci­o­ná­ri­os, equi­pa­men­tos, en­quan­to ho­je bas­ta ter um ipho­ne e vá­ri­os ne­gó­ci­os se vi­a­bi­li­zam. De­pois dis­so, tu­do foi cain­do em cas­ca­ta.

A in­ter­net cla­re­ou a no­ção so­bre a te­o­ria da com­ple­xi­da­de (já fa­la­da há mui­to tem­po, des­de Aris­tó­te­les). Ho­je co­me­ça­mos a en­ten­der (e per­mi­tir) no­vas for­mas de or­ga­ni­za­ção, ca­da vez mais so­fis­ti­ca­das, ca­da vez mais ri­cas em au­to­no­mia e in­for­ma­ções. A re­de en­cer­ra o mo­de­lo de cen­tra­li­za­ção, no qual to­das as coi­sas (o po­der, a in­for­ma­ção, a produção, o di­nhei­ro...) par­ti­am de um úni­co pon­to, e põe em seu lu­gar in­fi­ni­tas no­vas pos­si­bi­li­da­des.

Os mo­de­los de edu­ca­ção cri­a­dos no fim do sé­cu­lo XVIII e que con­ti­nu­am até ho­je não fa­zem mais sen­ti­do. Pro­va é que no Bra­sil há um ter­ço de eva­são de to­dos que en­tram pa­ra as es­co­las e fa­cul­da­des. Já é fla­gran­te que es­ta­mos pre­pa­ran­do pes­so­as de for­ma er­ra­da, no tem­po er­ra­do, pa­ra em­pre­gos er­ra­dos – que em bre­ve dei­xa­rão de exis­tir.

Os for­ma­tos de tra­ba­lho tam­bém dei­xa­ram de fa­zer sen­ti­do.

Vi­va o Fim: Al­ma­na­que de um No­vo Mun­do, de An­dré Car­va­lhal Edi­to­ra: Pa­ra­le­la Pre­ço: R$ 49

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.