So­bre mães de pi­ja­ma

Ana Maria - - SINTA & LIGA - WAL REIS é jor­na­lis­ta, pro­fis­si­o­nal de co­mu­ni­ca­ção cor­po­ra­ti­va e es­cre­ve so­bre com­por­ta­men­to e coi­sas da vi­da.

O pro­ble­ma es­tá na­que­la mãe que não es­que­ceu ape­nas de ti­rar o pi­ja­ma pa­ra ir à praia, mas es­que­ceu de si. Pas­sou a vi­ver uma vi­da aces­só­ria, uma vi­da de mãe de miss, per­den­do a iden­ti­da­de...

Uma ami­ga, mãe de pri­mei­ra vi­a­gem, ao apre­sen­tar a praia à sua be­bê, de 1 ano, to­mou cer­tos cui­da­dos: fral­das, mos­qui­tei­ro, pa­pi­nhas, água pa­ra um exér­ci­to de in­fan­tes, car­ri­nho, re­mé­dio pa­ra vô­mi­to, rou­pi­nhas, cha­péus, len­ços ume­de­ci­dos, brin­que­dos hi­po­a­ler­gê­ni­cos e as­sim por di­an­te. Qu­an­do a prin­ce­sa foi de­po­si­ta­da na pis­ci­na in­flá­vel com água es­te­ri­li­za­da, ela se deu con­ta de que ti­nha es­que­ci­do de co­lo­car o biquí­ni e es­ta­va com a ca­mi­se­ta do pi­ja­ma. Mas a ca­ri­nha de fe­li­ci­da­de da pe­que­na co­men­do areia com­pen­sa­va.

Ape­sar de ter op­ta­do por não vi­ver es­sa ex­pe­ri­ên­cia, en­ten­do o en­can­ta­men­to que a baby­lan­dia traz. Mas é de­pois, qu­an­do o fi­lho­te cria au­to­no­mia – e apren­de coi­sas co­mo “ah, ma­mãe faz... afi­nal, não é pa­ra is­so que as mães es­tão na Ter­ra?” – que a mãe de pi­ja­ma dei­xa de ser pi­a­da e pas­sa a ser pre­o­cu­pa­ção.

A res­pon­sa­bi­li­da­de pa­ra que o fo­fu­cho não cres­ça com a cer­te­za de que a “ma­nhê” é uma ser­va – com di­rei­to de ir e vir des­de que se­ja pa­ra le­var ou bus­car da es­co­la, do in­glês, do shop­ping ou de ba­la­das, pa­gar

con­tas e, de pre­fe­rên­cia, não se me­ter mui­to, res­pei­tan­do sua pri­va­ci­da­de (até por­que o que a mãe vai sa­ber per­to do know-how dos ami­gos 15 anos?) – é ex­clu­si­va­men­te de quem cria. Não es­pe­re que a con­si­de­ra­ção por ter da­do à luz ul­tra­pas­se três li­nhas emo­ci­o­na­das no Dia das Mães, nas re­des so­ci­ais.

E o pro­ble­ma não são os ‘jo­vens de ho­je’. O pro­ble­ma es­tá na­que­la mãe que não es­que­ceu ape­nas de ti­rar o pi­ja­ma pa­ra ir à praia, mas es­que­ceu de si. Pas­sou a vi­ver uma vi­da aces­só­ria, uma vi­da de mãe de miss, per­den­do a iden­ti­da­de: vou dar a ele tu­do o que não ti­ve. Por que es­se al­truís­mo tor­to?

Qu­an­do con­quis­tar al­go que al­me­jou, o pre­sen­te é pes­so­al e in­trans­fe­rí­vel. E es­sa é a me­lhor li­ção que po­de dar a seus fi­lhos: o cul­ti­vo do amor-pró­prio. De que­bra, vo­cê lhes en­si­na­rá que a vi­da não aca­ba de­pois da sa­la de par­to. E que a re­la­ção de amor que co­me­ça ali não in­vi­a­bi­li­za a con­ti­nui­da­de dos pró­pri­os so­nhos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.