Na­lu­ta CON­TRA O CÂN­CER

Em agos­to des­te ano, He­loi­sa Pé­ris­sé anun­ci­ou que ha­via des­co­ber­to um tu­mor nas glân­du­las salivares e can­ce­lou com­pro­mis­sos de tra­ba­lho pa­ra ini­ci­ar o tra­ta­men­to. En­ten­da os de­ta­lhes so­bre o de­sen­vol­vi­men­to e pre­ven­ção da do­en­ça

Ana Maria - - CAPA - Ana Bar­del­la

Cirurgia se­gui­da de sessões de rá­dio e qui­mi­o­te­ra­pia: foi pa­ra dar iní­cio ao tra­ta­men­to de um cân­cer nas glân­du­las salivares que He­loi­sa Pé­ris­sé can­ce­lou as apre­sen­ta­ções do es­pe­tá­cu­lo Lo­lou­cas, no teatro, em agos­to des­te ano. Aos 53 anos e com du­as fi­lhas, uma de 20 e ou­tra de 13 anos, a atriz tem se man­ti­do re­ser­va­da du­ran­te o tra­ta­men­to, evi­tan­do dar en­tre­vis­tas. Po­rém, com­par­ti­lha as no­tí­ci­as po­si­ti­vas so­bre a saú­de nas re­des so­ci­ais, sem­pre agra­de­cen­do o ca­ri­nho dos fãs e o apoio de fa­mi­li­a­res e ami­gos. De acor­do com Fá­bio Ro­ber­to Pinto, ci­rur­gião de ca­be­ça e pes­co­ço do Hcor, os tu­mo­res das glân­du­las salivares não são fre­quen­tes e têm ca­rac­te­rís­ti­cas es­pe­cí­fi­cas. Co­nhe­ça mais de­ta­lhes do cân­cer ra­ro que atin­giu a atriz.

DI­FE­REN­TES TI­POS

“As glân­du­las salivares são res­pon­sá­veis pe­la produção de sa­li­va e ou­tros ti­pos de se­cre­ções im­por­tan­tes pa­ra a nos­sa saú­de”, ex­pli­ca o mé­di­co. Se­gun­do o es­pe­ci­a­lis­ta, elas va­ri­am de ta­ma­nho e fi­cam lo­ca­li­za­das em di­fe­ren­tes par­tes: em re­giões pró­xi­mas às ore­lhas, lín­gua e man­dí­bu­la. Os tu­mo­res, ape­sar de in­fre­quen­tes, po­dem apa­re­cer em qual­quer uma das glân­du­las – mas nem to­dos ofe­re­cem ris­cos à saú­de. A va­ri­a­ção, por­tan­to, es­tá no grau de ma­lig­ni­da­de. Por is­so, ao no­tar o apa­re­ci­men­to de um nó­du­lo, pri­mei­ro, ava­lie a lo­ca­li­za­ção. “Nas glân­du­las mai­o­res, os ris­cos são pe­que­nos. Qu­an­to me­nor a glân­du­la atin­gi­da, mai­or a pos­si­bi­li­da­de de ser um tu­mor ma­lig­no, ou se­ja, um cân­cer”, com­ple­ta Pinto.

DE­SEN­VOL­VI­MEN­TO E PRE­VEN­ÇÃO EM ES­TU­DO

Ain­da não são conhecidos pe­la ci­ên­cia to­dos os fa­to­res de ris­co pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to des­te ti­po de cân­cer. “Sa­be-se que a ex­po­si­ção à ra­di­a­ção po­de au­men­tar as chan­ces de um tu­mor ma­lig­no. Por exem­plo, pro­fis­si­o­nais da área de ra­di­o­lo­gia, pa­ci­en­tes que já pas­sa­ram por ra­di­o­te­ra­pia ou pes­so­as que es­ti­ve­ram pró­xi­mas de um aci­den­te nu­cle­ar têm mais ris­cos de de­sen­vol­ve­rem”, afir­ma o mé­di­co. Po­rém, a mai­or par­te dos ca­sos são es­po­rá­di­cos

– ou se­ja, não es­tão as­so­ci­a­dos a fa­to­res ge­né­ti­cos nem têm uma re­la­ção de cau­sa e efei­to bem es­ta­be­le­ci­da pe­la me­di­ci­na. “Não há, por exem­plo, re­la­ção com o ví­rus do HPV”, res­sal­ta o mé­di­co. Por es­se mo­ti­vo, pa­ra es­te ti­po es­pe­cí­fi­co de cân­cer, não há for­mas com­pro­va­das de pre­ven­ção a não ser evi­tar a ex­po­si­ção à ra­di­a­ção.

SI­NAIS DE ALER­TA

Ao con­trá­rio do que se ima­gi­na, mes­mo sen­do um pro­ble­ma nas glân­du­las salivares, o cân­cer di­fi­cil­men­te ge­ra al­te­ra­ções que po­dem ser sen­ti­das na produção da sa­li­va.

“Na mai­or par­te dos ca­sos, quem no­ta a pre­sen­ça do tu­mor é o pró­prio pa­ci­en­te”, diz o mé­di­co. No iní­cio da do­en­ça, o sin­to­ma é um só: um nó­du­lo no ros­to, pes­co­ço ou bo­ca. Em al­guns ca­sos, ele po­de ser acom­pa­nha­do de dor ou de di­fi­cul­da­de pa­ra abrir e fe­char a man­dí­bu­la. Em ou­tros, mais ra­ros e agres­si­vos, po­de pa­ra­li­sar os mús­cu­los da fa­ce. Ao no­tar a pre­sen­ça de um nó­du­lo co­mo es­te, pro­cu­re au­xí­lio de um pro­fis­si­o­nal. A in­di­ca­ção do es­pe­ci­a­lis­ta é marcar uma con­sul­ta com um ci­rur­gião de ca­be­ça e pes­co­ço. “Os pro­fis­si­o­nais da área são ap­tos pa­ra ana­li­sar os nó­du­los e ava­li­a­rem os ris­cos, in­di­can­do o me­lhor ti­po de tra­ta­men­to”, diz. O im­por­tan­te é não dei­xar o tem­po pas­sar sem dar im­por­tân­cia ao sin­to­ma.

TRA­TA­MEN­TO

He­loi­sa já se sub­me­teu a uma cirurgia e, ago­ra, pas­sa por sessões de rá­dio e qui­mi­o­te­ra­pia. O mé­di­co, no en­tan­to, diz que es­te ti­po de tra­ta­men­to é ra­ro nos ca­sos de cân­cer das glân­du­las salivares. “Apro­xi­ma­da­men­te, oi­to em ca­da dez pa­ci­en­tes fa­zem so­men­te a re­ti­ra­da do tu­mor por meio de uma ope­ra­ção”, ex­pli­ca. Qu­an­do o ti­po é mais agres­si­vo, o mais co­mum é adi­ci­o­nar ao tra­ta­men­to a ra­di­o­te­ra­pia. A qui­mi­o­te­ra­pia é uma ex­ce­ção, es­pe­cí­fi­ca pa­ra o ca­so da atriz.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.