AGRANDE VI­RA­DA

Ana Maria - - CAPA - Por An­dré Ro­ma­no e Fa­bri­cio Pel­le­gri­no | Fo­tos: FAYA | Stylist: Samantha Szczerb | Saia e blusa: EVA

De­mo­rou, mas Ca­rol Cas­tro re­ce­beu o re­co­nhe­ci­men­to co­mo atriz pe­lo qual tan­to ba­ta­lhou des­de que es­tre­ou no te­a­tro aos 9 anos de ida­de, na TV aos 16 e nos ci­ne­mas aos 19. Em agos­to, ela le­vou pa­ra ca­sa um Ki­ki­to (prê­mio má­xi­mo con­ce­di­do no res­pei­ta­do Fes­ti­val de Ci­ne­ma de Gra­ma­do) pe­la pros­ti­tu­ta Madalena do fil­me Ve­ne­za, de Mi­guel Fa­la­bel­la. Na TV, se des­pe­de de He­le­na, da no­ve­la Ór­fãos da Ter­ra (Glo­bo). Os dois tra­ba­lhos mar­ca­ram a vol­ta da atriz pa­ra os fo­lhe­tins e as te­lo­nas lo­go após o nas­ci­men­to da fi­lha Ni­na, de 2 anos. Um mo­men­to que ela re­co­nhe­ce co­mo sim­bó­li­co. “Es­ta­va me re­en­con­tran­do co­mo ser hu­ma­no, mu­lher e é um re­nas­ci­men­to ter um fi­lho. Prin­ci­pal­men­te quan­do tem um par­to na­tu­ral, sen­te to­das as do­res, vai pe­lo la­do sel­va­gem até vo­cê se re­en­con­trar”, fi­lo­so­fa. Em en­tre­vis­ta à Ana­ma­ria, ela fa­la so­bre o “ma­la­ba­ris­mo” diá­rio da ma­ter­ni­da­de, a ami­za­de com o ex-ma­ri­do, com quem di­vi­de sem con­fli­tos os cui­da­dos com a her­dei­ra, e re­ve­la que es­tá co­nhe­cen­do me­lhor o co­le­ga de elen­co Bru­no Ca­bre­ri­zo

Vo­cê apren­deu mui­to com es­ta no­ve­la?

Com cer­te­za! Foi um dos pa­péis mais de­sa­fi­a­do­res da mi­nha vi­da. A He­le­na é mui­to con­tro­ver­sa, mas ao mes­mo tem­po sem­pre foi do bem, ape­sar de mui­tos pen­sa­rem o con­trá­rio. Ela sem­pre foi al­truís­ta, que­ria aju­dar o pró­xi­mo... Mas es­ta­va em um mo­men­to sen­sí­vel e ca­ren­te de­pois da mor­te do ma­ri­do e trans­fe­riu is­so pa­ra o

Eli­as [Mar­co Ric­ca], al­guém que a tra­tou bem. Ago­ra ela pas­sa­rá por uma re­den­ção, prin­ci­pal­men­te com re­la­ção à fa­mí­lia do Eli­as. Foi uma sur­pre­sa pa­ra mim. Te­nho cer­te­za de que ela tam­bém fi­ca­rá fe­liz.

O que vo­cê ou­via do pú­bli­co en­quan­to ela es­ta­va com o Eli­as?

De tu­do um pou­co: as pes­so­as ti­nham ran­ço, ou­tros en­ten­di­am o la­do de­la. O pú­bli­co fi­ca­va bas­tan­te di­vi­di­do. Sem­pre quis fa­zê-la com mui­ta ver­da­de e ela nun­ca con­cor­dou em ser a ou­tra, sem­pre fi­ca­va no pé do Eli­as pa­ra to­mar uma ati­tu­de. A He­le­na não que­ria um ho­mem pe­la me­ta­de, me­re­cia ser com­ple­ta, não pre­ci­sa­va vi­ver aque­la re­la­ção. Te­nho um ca­ri­nho es­pe­ci­al por es­ta per­so­na­gem, que me en­si­nou mui­to. É um pa­pel mui­to de­sa­fi­a­dor.

Vo­cê dis­se que não ima­gi­na­va es­sa re­vi­ra­vol­ta da He­le­na...

Não ti­nha ideia... mes­mo! Quan­do ela per­deu o fi­lho, se des­pe­diu do Eli­as e pe­diu per­dão pa­ra a Mis­sa­de [Ana Ce­cí­lia Cos­ta], achei que a per­so­na­gem ia mo­rar com o ir­mão na Ale­ma­nha. Mas me avi­sa­ram que vi­nham sur­pre­sas por aí. En­tão, li os ca­pí­tu­los e en­ten­di que, fi­nal­men­te, ela en­con­tra­ria um gran­de amor. En­con­trou um ca­ra que re­al­men­te gos­ta de­la e a tra­ta de uma ma­nei­ra que nun­ca foi tra­ta­da na vi­da. Ela me­re­ceu, pois só foi uma boa pes­soa que se con­fun­diu.

Ago­ra a tor­ci­da vi­rou a fa­vor de­la, né?

Acho que vai mu­dar mais ain­da, mas não pos­so con­tar [ri­sos].

Co­mo es­tá sua fi­lha, Ni­na?

Ela é o sol da mi­nha vi­da, ra­zão do meu vi­ver. Ela es­tá ma­ra­vi­lho­sa, aca­bou de fa­zer 2 anos... Pas­sou mui­to rá­pi­do, tan­ta coi­sa acon­te­ce em pou­co tem­po. Sou mui­to re­a­li­za­da. Ela é mi­nha vi­da!

Co­mo foi a emo­ção de ga­nhar um Ki­ki­to co­mo me­lhor atriz co­ad­ju­van­te?

Co­me­cei a fa­zer te­a­tro aos 9 anos de ida­de, ci­ne­ma aos 16 e te­le­vi­são aos 19. Foi a pri­mei­ra vez que re­ce­bi re­co­nhe­ci­men­to por tan­tos anos de car­rei­ra. Es­se fil­me foi mui­to im­por­tan­te pa­ra mim por­que é meu pri­mei­ro tra­ba­lho de­pois de me tor­nar mãe. Um gran­de de­sa­fio, pois o elen­co in­tei­ro já es­ta­va fe­cha­do e en­trei pa­ra subs­ti­tuir ou­tra per­so­na­gem. O Mi­guel [Fa­la­bel­la] me li­gou em fe­ve­rei­ro, dis­se que a per­so­na­gem era in­crí­vel, que ti­nha a Car­men Mau­ra no elen­co e já fi­quei mui­to cu­ri­o­sa e in­te­res­sa­da.

E de­pois que leu o ro­tei­ro?

Fi­quei apai­xo­na­da e me avi­sa­ram que es­ta­ria no elen­co do bor­del, com ce­nas em que apa­re­ce­ria o cor­po. Eu dis­se que não ti­nha fres­cu­ra ne­nhu­ma, mas avi­sei que ti­nha da­do à luz ha­via três me­ses. Ti­ve um mês pa­ra me pre­pa­rar psi­co­lo­gi­ca­men­te e fi­si­ca­men­te, sem po­der fa­zer di­e­tas ab­sur­das por­que es­ta­va ama­men­tan­do e is­so sem­pre foi pri­mor­di­al pa­ra mim. Fa­zia exer­cí­ci­os em ca­sa pa­ra re­cu­pe­rar. A per­so­na­gem Madalena aju­dou a me en­con­trar com o fe­mi­ni­no no­va­men­te. Quan­do vo­cê se tor­na mãe, se dei­xa um pou­co de la­do, fo­ca na cri­an­ça e, nes­te ci­clo, a per­so­na­gem me aju­dou a en­con­trar um fu­ra­cão que eu nun­ca sou­be que ti­nha den­tro de mim. Foi mui­to im­por­tan­te! Eu não es­pe­ra­va que fos­se in­di­ca­do nem que fos­se ga­nhar.

O co­me­ço da sua car­rei­ra foi di­fí­cil por ser ex-mo­de­lo? Pas­sou pe­los ró­tu­los da gos­to­so­na?

Exis­tiu uma fa­se de ró­tu­los, sim. Nun­ca fui mo­de­lo de fa­to, me tor­nei de­pois atriz de pu­bli­ci­da­de. Sou fi­lha de ator, che­guei à te­le­vi­são sem en­ten­der di­rei­to so­bre po­si­ci­o­na­men­to de câ­me­ra por­que ti­nha ex­pe­ri­ên­cia do te­a­tro, mas sen­ti is­so, sim. Às ve­zes, ser con­si­de­ra­da bo­ni­ta te li­mi­ta. Eu que­ria fa­zer uma man­ca, ca­o­lha, al­guém com ci­ca­tri­zes no ros­to. Que­ria ter es­te ti­po de de­sa­fio, mas sen­ti que Ve­lho Chi­co foi o di­vi­sor de águas da mi­nha vi­da, a per­so­na­gem ti­nha uma for­ça que eu nem ima­gi­na­va que te­ria. Até ho­je, es­cu­to as pes­so­as co­men­ta­rem so­bre es­sa no­ve­la e sin­to que, ago­ra, com es­te prê­mio, é um se­gun­do di­vi­sor de águas.

O que vem por aí de­pois da no­ve­la?

Te­nho ou­tro fil­me pa­ra lan­çar, guar­da­do des­de 2016, an­tes de en­gra­vi­dar da Ni­na, que é O Juí­zo, do An­dru­cha Wad­ding­ton. De­ve che­gar aos ci­ne­mas em de­zem­bro. Foi um gran­de de­sa­fio por­que é um sus­pen­se es­pí­ri­ta, co­mo o An­dru­cha gos­ta de co­lo­car. Acho que ele es­tá adi­an­do por­que tem de ter uma da­ta cer­ta, não é co­mum. O ro­tei­ro é da Fer­nan­da Tor­res. No elen­co: Fer­nan­da Mon­te­ne­gro, Li­ma Du­ar­te, Fe­li­pe Ca­mar­go e Cri­o­lo. Es­tou mui­to cu­ri­o­sa pa­ra ver o re­sul­ta­do.

Co­mo é sair pa­ra tra­ba­lhar com uma cri­an­ça tão pe­que­na em ca­sa?

Um ma­la­ba­ris­mo diá­rio, eter­no. Mas va­le to­do es­for­ço. Às ve­zes, são noi­tes pou­co dor­mi­das, dei­xo de fa­zer mui­tas coi­sas por mim pa­ra es­tar com a Ni­na. E fa­ço ques­tão dis­so. Ra­ra­men­te con­si­go ir à aca­de­mia. Quan­do es­tou de fol­ga, se é um ho­rá­rio em que a Ni­na es­tá acor­da­da, es­que­ço a ma­lha­ção, aca­de­mia. Tra­ta­men­tos es­té­ti­cos fi­ca­ram de la­do. Pri­o­ri­zo ela. Te­nho meus mo­men­tos, cla­ro, pa­ra dar exem­plo. Sem­pre di­go a ela que tra­ba­lhar é bom, pa­ra não fi­car com a ima­gem de que quan­do a ma­mãe vai tra­ba­lhar es­tá in­do em­bo­ra.

Quem cui­da de­la pa­ra vo­cê?

Mi­nha mãe mo­ra em Ri­bei­rão Pre­to, meu pai se pre­o­cu­pa bas­tan­te e o pró­prio pai da Ni­na [o vi­o­li­nis­ta Fe­li­pe Pra­ze­res], que mo­ra per­to de mim, pe­ço pa­ra fi­car com a nos­sa fi­lha até eu sair do tra­ba­lho. A gen­te se fa­la to­dos os di­as, nos es­que­ma­ti­zan­do quem po­de fi­car com ela ou dor­mir, tu­do nu­ma boa. Te­nho uma su­per­ba­bá e uma re­de de apoio.

Exis­tem mães que pre­fe­rem es­con­der os fi­lhos. Co­mo vo­cê tra­ba­lha es­te li­mi­te?

Pro­cu­ro o equi­lí­brio. Não fa­ço um Ins­ta­gram pa­ra a Ni­na, não jul­go quem faz, mas acho que ela pre­ci­sa es­co­lher se de­se­ja ter uma re­de so­ci­al. Mas tam­bém não es­con­do com­ple­ta­men­te por­que te­nho uma vi­da pú­bli­ca. Às ve­zes, es­tou an­dan­do de bi­ci­cle­ta, não es­co­lhi ser fo­to­gra­fa­da, mas acon­te­ce. Quan­to mais se es­con­de, mais cu­ri­o­si­da­de se des­per­ta e acho des­ne­ces­sá­rio. Não é sem­pre que pos­so, mas quan­do te­nho um mo­men­to fo­fo, uma de­cla­ra­ção de amor, fa­ço até por mim mes­ma. Pro­cu­ro não es­con­der nem ex­por de­mais.

Vo­cê a dei­xa ver no­ve­la?

Não a dei­xo ver no­ve­la por­que até os 2 anos de ida­de sei que é bom pri­var o con­ta­to com te­las em ge­ral, co­mo te­le­fo­ne, com­pu­ta­dor, te­le­vi­são, por con­ta da for­ma­ção neu­ro­ló­gi­ca. Mas ela já me viu no Faus­tão, al­gu­mas ce­nas es­po­rá­di­cas, me acom­pa­nhou no ci­ne­ma e em al­guns en­sai­os fo­to­grá­fi­cos. Ela fi­ca en­can­ta­da.

Se­rá que ela en­ten­de sua pro­fis­são?

Ela já viu eu me ma­qui­an­do e en­ten­de o que é. E qu­e­ro tra­zê-la pa­ra an­dar den­tro da Glo­bo por­que eu acom­pa­nha­va meu pai em set de fil­ma­gens e é ba­ca­na pa­ra en­ten­der um pou­co mais. Quem sa­be até gos­tar! [ri­sos].

Co­mo é sua re­la­ção com o Fe­li­pe (ex­ma­ri­do de­la)?

Nós sem­pre fo­mos ami­gos an­tes de nos re­la­ci­o­nar­mos co­mo ho­mem e mu­lher. Ten­ta­mos até o fim pa­ra que des­se cer­to, mas vi­mos que es­tá­va­mos fa­zen­do aqui­lo pe­la Ni­na. Nos per­gun­ta­mos ‘até que pon­to is­so é por ela mes­mo?’. Já não es­tá­va­mos bem e o avi­so da se­pa­ra­ção veio quan­do is­so já es­ta­va acon­te­cen­do há mui­to tem­po. Con­ver­sá­va­mos so­bre o as­sun­to, com­bi­na­mos de sem­pre man­ter a ami­za­de, o diá­lo­go, a boa co­mu­ni­ca­ção, pa­ra que se­ja o me­lhor pos­sí­vel. É pa­ra sem­pre es­ta li­ga­ção, eu ad­mi­ro o tra­ba­lho de­le, ele o meu, eu o pres­ti­gio e ele a mim e as­sim se­rá sem­pre.

Vo­cê pre­ten­de apre­sen­tar um na­mo­ra­do pa­ra a Ni­na?

Ain­da não pas­sei por is­so, mu­da um pou­co, vou pen­sar mui­to an­tes de apre­sen­tar. Vou pen­sar se é is­so mes­mo...

Ago­ra vo­cê es­tá com o Bru­no Ca­bre­ri­zo (o Hus­sein em Ór­fãos da Ter­ra), né?

Fo­ra do tra­ba­lho [meio tí­mi­da], a gen­te es­tá se co­nhe­cen­do, sa­be? Sem ró­tu­los, dei­xan­do a vi­da acon­te­cer. Den­tro dos Es­tú­di­os Glo­bo, so­mos gran­des ami­gos de tra­ba­lho e o Bru­no é mui­to pro­fis­si­o­nal, cen­tra­do e sé­rio. Não ima­gi­ná­va­mos que nos­sos per­so­na­gens fos­sem se en­vol­ver, mas acon­te­ceu. Não te­nho mui­to o que di­zer. Es­ta­mos nos co­nhe­cen­do...

Vo­cê é do ti­po de mãe que as­sis­te a Ga­li­nha Pin­ta­di­nha jun­to com a fi­lha?

As­sis­to a tu­do: O Mun­do de Bi­ta, Ga­li­nha Pin­ta­di­nha, Pa­la­vra Can­ta­da e até Xu­xa, e eu can­to por­que foi a mi­nha in­fân­cia. Ado­ro! Fa­ço sem­pre, brin­co, me jo­go.

Vo­cê diz que sua fi­lha te dá mui­ta for­ça e ga­nhou um prê­mio por um fil­me que ro­dou após a ma­ter­ni­da­de...

Pa­ra mim is­so foi tão sim­bó­li­co... Foi uma lu­ta pa­ra me trans­por. Pri­mei­ro, por­que es­ta­va me re­en­con­tran­do co­mo ser hu­ma­no, mu­lher e é um re­nas­ci­men­to ter um fi­lho. Prin­ci­pal­men­te quan­do o par­to é na­tu­ral, sen­te to­das as do­res, vai pe­lo la­do sel­va­gem até vo­cê se re­en­con­trar. Foi um pa­pel for­te, um fu­ra­cão, mu­dei de país com um be­bê... Le­vei pa­ne­la elé­tri­ca pa­ra o quar­to, ti­ra­va lei­te, an­da­va com iso­por. Atra­ves­sei o oce­a­no, fui pa­ra Ve­ne­za e to­da a sa­ga do fil­me... Ga­nhar o Ki­ki­to foi o pre­sen­te má­xi­mo que eu po­de­ria ter.

À es­quer­da, a atriz com o Ki­ki­to que le­vou pe­lo fil­me Ve­ne­za. Aci­ma, o car­taz do lon­ga

A ele­gan­te e fi­el El­len, a se­cre­tá­ria de Ma­ria da Paz na no­ve­la das 9, A Do­na do Pe­da­ço (Glo­bo) Na no­ve­la Ór­fãos da Ter­ra com Bru­no Ca­bre­ri­zo, que faz Hus­sein na tra­ma da Glo­bo

Mo­men­to de pu­ro ca­ri­nho com a fi­lha, Ni­na, de 2 anos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.