PA­RA AMI­GOS E PES­SO­AS PRÓ­XI­MAS...

Ana Maria - - SAÚDE -

... o pro­ce­di­men­to é o mes­mo: dar es­pa­ço pa­ra que a dor se­ja co­mu­ni­ca­da de al­gu­ma for­ma. “Evi­te di­zer coi­sas do ti­po: 'le­van­ta e faz', 'se vo­cê não fi­zer, nin­guém fa­rá por vo­cê'. A pes­soa não en­con­tra a so­lu­ção pa­ra o que sen­te por­que o mo­men­to pa­ra ela es­tá bas­tan­te di­fí­cil. Ou se­ja, na­que­le mo­men­to, ela es­tá sem re­cur­sos in­ter­nos pa­ra con­se­guir pen­sar em uma no­va saí­da. Não ca­be a nós jul­gar­mos e fa­lar­mos que a pes­soa pre­ci­sa fa­zer is­so ou aqui­lo. Te­mos que es­cu­tar, dar es­pa­ço e aco­lher es­sa dor”, ori­en­ta Ana Pau­la.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.