Pla­ne­je des­de ce­do a apo­sen­ta­do­ria

Ana Maria - - VOCÊ NO AZUL -

Te­nho uma fi­lha de 16 anos e es­tou pen­san­do em co­me­çar a con­tri­buir pa­ra a pre­vi­dên­cia de­la. Se­ria uma boa es­co­lha ou de­ve­ria fa­zer ou­tra apli­ca­ção?”

M. T., por e-mail

“Quan­to an­tes co­me­çar a pre­pa­ra­ção pa­ra es­sa fa­se da vi­da, mais fá­cil se­rá con­se­guir uma

apo­sen­ta­do­ria con­for­tá­vel, já que o es­for­ço po­de­rá ser di­luí­do ao lon­go de vá­ri­os anos”

Quan­to an­tes co­me­çar a pre­pa­ra­ção pa­ra es­sa fa­se da vi­da, mais fá­cil se­rá con­se­guir uma apo­sen­ta­do­ria con­for­tá­vel, já que o es­for­ço po­de­rá ser di­luí­do ao lon­go de vá­ri­os anos. É in­te­res­san­te, sim, co­me­çar uma Pre­vi­dên­cia des­de já, mas a me­lhor op­ção de­pen­de de al­guns fa­to­res. Ca­so se re­fi­ra à Pre­vi­dên­cia So­ci­al (INSS), há pon­tos po­si­ti­vos e ne­ga­ti­vos a con­si­de­rar. A Pre­vi­dên­cia pú­bli­ca tem a van­ta­gem de ser vi­ta­lí­cia, além de as­se­gu­rar o tra­ba­lha­dor tam­bém em ca­so de in­va­li­dez. Ape­sar dis­so, co­mo há ca­da vez mais bra­si­lei­ros apo­sen­ta­dos e ca­da vez me­nos tra­ba­lha­do­res con­tri­buin­do, o sis­te­ma pre­vi­den­ciá­rio atu­al cor­re o ris­co de en­trar em co­lap­so se não hou­ver mu­dan­ças. E as re­gras pa­ra a apo­sen­ta­do­ria so­ci­al de­vem ser en­du­re­ci­das num fu­tu­ro pró­xi­mo com o an­da­men­to da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia. Por is­so, fa­zer uma pre­pa­ra­ção por con­ta pró­pria além do INSS é es­sen­ci­al. A Pre­vi­dên­cia pri­va­da po­de ser uma boa ideia, mas só se vo­cê pen­sar em in­ves­ti­men­tos com du­ra­ção su­pe­ri­or a dez anos. Do con­trá­rio, as ta­xas e im­pos­tos co­bra­dos pre­ju­di­cam o ren­di­men­to. Se há pos­si­bi­li­da­de de sua fi­lha res­ga­tar o di­nhei­ro an­tes des­se pe­río­do, há ou­tras op­ções de bai­xo ris­co pa­ra o mé­dio pra­zo, co­mo o Te­sou­ro Di­re­to IPCA+, que pa­ga uma ta­xa de ju­ros anu­al acres­ci­da da in­fla­ção do pe­río­do, ga­ran­tin­do que o di­nhei­ro apli­ca­do te­nha um ren­di­men­to re­al. Ou­tra su­ges­tão são os CDB, CDI e LC de ban­cos pe­que­nos, que cos­tu­mam ofe­re­cer bo­as re­mu­ne­ra­ções pa­ra os tí­tu­los com ven­ci­men­to mais lon­go. Pes­qui­se e es­co­lha a que mais se en­cai­xa nos seus pla­nos e or­ça­men­to. En­vol­va sua fi­lha no pro­ces­so de de­ci­são, pa­ra que ela co­me­ce a li­dar com ques­tões de edu­ca­ção fi­nan­cei­ra des­de já!

MAR­CE­LA KAWAUTI apren­deu eco­no­mia na gra­du­a­ção da Uni­ver­si­da­de de São Pau­lo e no mes­tra­do da Fun­da­ção Ge­tú­lio Var­gas, além de ter mais de dez anos de ex­pe­ri­ên­cia. É eco­no­mis­ta-che­fe do SPC Bra­sil e co­la­bo­ra­do­ra do por­tal de Edu­ca­ção Fi­nan­cei­ra Meu Bol­so Fe­liz. En­vie su­as per­gun­tas pa­ra Mar­ce­la Kawauti pe­lo e-mail ana­ma­[email protected]­lei­tor.com.br

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.