De­ve­mos re­zar pe­lo GO­VER­NO

Ana Maria - - A PALAVRA DO PAPA FRANCISCO - A PA­LA­VRA DO FRAN­CIS­CO O con­teú­do des­ta pá­gi­na é ex­traí­do da mis­sa que o San­to Pa­dre ce­le­bra to­da ma­nhã na Ca­sa San­ta Mar­ta, nas de­pen­dên­ci­as do Es­ta­do do Va­ti­ca­no.

To­dos de­vem re­zar pe­los go­ver­nan­tes e po­lí­ti­cos, pa­ra que eles pos­sam le­var adi­an­te com dig­ni­da­de sua vo­ca­ção!

To­do o po­vo de Deus de­ve ser en­co­ra­ja­do a re­zar por um pe­di­do uni­ver­sal: se­jam fei­tos, sem có­le­ra e sem po­lê­mi­cas, pe­di­dos, sú­pli­cas, ora­ções e agra­de­ci­men­tos pa­ra to­dos os ho­mens e, ao mes­mo tem­po, pe­los reis e por to­dos os que es­tão no po­der, pa­ra que te­nham uma vi­da cal­ma e tran­qui­la, dig­na e de­di­ca­da a Deus. Por­que o am­bi­en­te de uma pes­soa que crê é na­da mais do que a ora­ção!”

Que to­dos re­ze­mos por to­dos, pa­ra que pos­sa­mos le­var uma vi­da cal­ma e tran­qui­la, dig­na e de­di­ca­da a Deus. É ne­ces­sá­ria a ora­ção pa­ra que is­so se­ja pos­sí­vel. Mas há um de­ta­lhe que gos­ta­ria de me de­ter: pa­ra to­dos os ho­mens, pe­los reis e por to­dos os que es­tão no po­der. Por­tan­to, tra­ta-se da ora­ção pe­los go­ver­nan­tes, po­lí­ti­cos e pe­las pes­so­as que são res­pon­sá­veis de le­var adi­an­te uma ins­ti­tui­ção po­lí­ti­ca, um país, uma pro­vín­cia.”

Por­tan­to, que­ro que em to­dos os lu­ga­res as pes­so­as re­zem, le­van­tan­do as mãos pu­ras pa­ra o céu, sem rai­va e sem po­lê­mi­cas. É pre­ci­so dis­cu­tir – e es­sa é a fun­ção de um par­la­men­to. Dis­cu­tir, mas não des­truir o ou­tro. Aliás, é pre­ci­so re­zar pe­lo ou­tro, por aque­le que tem uma opi­nião di­fe­ren­te da mi­nha!”

Qu­em es­tá no go­ver­no tem a res­pon­sa­bi­li­da­de de con­du­zir o país. E, nós, o dei­xa­mos só, sem pe­dir a Deus que o aben­çoe? Te­nho cer­te­za de que não se re­za pe­los go­ver­nan­tes. O que só fa­ze­mos é in­sul­tar-lhes.”

E as­sim se­gue nos­sa vi­da nas re­la­ções, com qu­em es­tá no po­der. Mas São Pau­lo ex­pli­ca que é im­por­tan­te pe­dir que se re­ze por ca­da um de­les pa­ra que pos­sam le­var adi­an­te uma vi­da cal­ma, tran­qui­la, dig­na pa­ra seu po­vo. Re­cor­de­mos co­mo os ita­li­a­nos pas­sa­ram re­cen­te­men­te por uma cri­se de go­ver­no: qu­em de nós re­zou pe­los go­ver­nan­tes? Qu­em de nós re­zou pe­los par­la­men­ta­res? Pa­ra que pos­sam ir de acor­do e le­var adi­an­te a pá­tria? Pa­re­ce que o es­pí­ri­to pa­trió­ti­co não che­ga à ora­ção, mas sim às des­qua­li­fi­ca­ções, ao ódio, às bri­gas. E ter­mi­na as­sim.”

Há qu­em di­ga que a po­lí­ti­ca é su­ja. So­mos nós que su­ja­mos uma coi­sa, mas não é a coi­sa em si que é su­ja. É bom pen­sar que, se o po­vo re­za pe­los go­ver­nan­tes, os go­ver­nan­tes tam­bém se­rão ca­pa­zes de re­zar pe­lo po­vo, co­mo es­se cen­tu­rião que re­za pe­lo seu ser­vo.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.