A mu­sa d anos­sa fes­ta!

Ana Maria - - CAPA - Por An­dré Ro­ma­no | Fo­tos: Vinícius Mochizuki | Pro­du­ção: Ro­dri­go Ro­dri­gues Agra­de­ci­men­to: Danielly Ta­va­res

Ne­nhu­ma ou­tra ar­tis­ta re­pre­sen­ta tão bem o es­pí­ri­to ale­gre, ins­pi­ra­dor e au­tên­ti­co

de Ana­ma­ria co­mo Su­sa­na Vi­ei­ra. Não à toa ela foi elei­ta

a es­tre­la da nos­sa ca­pa co­me­mo­ra­ti­va de 23 anos. Em en­tre­vis­ta ex­clu­si­va, a atriz fa­la do re­tor­no às no­ve­las – ela se­rá Emí­lia na no­va ver­são

de Éra­mos Seis (Glo­bo) –, de co­mo se apro­xi­mou mais de

si mes­ma du­ran­te o pe­río­do em que es­te­ve afas­ta­da pa­ra

cui­dar da saú­de (Su­sa­na foi di­ag­nos­ti­ca­da com um ti­po

crô­ni­co de leu­ce­mia), de so­nhos, me­dos e, cla­ro, da lin­da re­la­ção com a pu­bli­ca­ção Co­mo é vol­tar às no­ve­las co­mo a tia Emí­lia na icô­ni­ca Éra­mos Seis?

É com gran­de ale­gria que es­tou nes­sa pro­du­ção. Ou­ço fa­lar que mui­ta gen­te já viu e que mui­ta gen­te gos­ta­ria de ver es­sa his­tó­ria. Tra­ta-se de um tí­tu­lo icô­ni­co mes­mo, fi­cou mui­to fa­mo­so no pas­sa­do. Além de ser uma hon­ra in­ter­pre­tar uma per­so­na­gem que foi da Natha­lia Tim­berg [na ver­são do SBT, em 1994]. Só tem coi­sa boa es­pe­ran­do por nós, ato­res, equi­pe e te­les­pec­ta­dor. Te­mos tra­ba­lha­do com mui­ta ale­gria e de­li­ca­de­za.

On­de bus­cou ins­pi­ra­ção pa­ra com­por es­sa mu­lher for­te?

Nun­ca pro­cu­rei ins­pi­ra­ção em al­guém es­pe­ci­fi­ca­men­te. Crio o meu per­so­na­gem jun­to com o au­tor, len­do os ca­pí­tu­los. Quan­do a fi­gu­ri­nis­ta me ves­te, ela já me ves­te com as ca­rac­te­rís­ti­cas da per­so­na­gem, além do ca­be­lo e da ma­qui­a­gem. É sem­pre um con­jun­to de fa­to­res. Quan­do vou pa­ra o es­tú­dio já es­tou com qua­se tu­do de­fi­ni­do, pois an­tes de en­trar em ce­na, nós, ato­res, te­mos mui­to pre­pa­ro. So­bre fa­zer uma mu­lher ex­tre­ma­men­te for­te... Te­nho a im­pres­são de que is­so tem me acom­pa­nha­do ao lon­go da car­rei­ra.

Mas já ti­nha fei­to es­se ti­po de pa­pel em um fo­lhe­tim de épo­ca?

Tra­ba­lhei em uma no­ve­la de épo­ca, A Su­ces­so­ra [1979], que é uma das mi­nhas fa­vo­ri­tas. A per­so­na­gem era uma mu­lher frá­gil, mas sem­pre te­nho um pou­co de mu­lher for­te den­tro dos meus pa­péis. En­tão, não é mui­to di­fí­cil. A tia Emí­lia tem uma pos­tu­ra su­per­sé­ria por­que fi­cou viú­va du­ran­te mui­to tem­po. E ela tem uma fi­lha com dis­túr­bi­os men­tais.

Vo­cê vê al­gu­ma se­me­lhan­ça en­tre a Emí­lia e a Bran­ca, sua vi­lã em Por Amor, que es­tá sen­do exi­bi­da no Va­le a Pe­na Ver de No­vo?

As ca­rac­te­rís­ti­cas não são ex­tre­ma­men­te iguais. E a mu­dan­ça de épo­ca, prin­ci­pal­men­te, faz uma imen­sa di­fe­ren­ça. A Bran­ca é da al­ta so­ci­e­da­de, co­mo a Emí­lia, que tam­bém é ri­ca e tra­di­ci­o­nal. Mas a Emí­lia é tris­te. Cla­ro, ela tem lá seus mo­ti­vos, co­mo a di­fi­cul­da­de em li­dar com os dis­túr­bi­os da fi­lha.

Ima­gi­na­va, no­va­men­te, es­se su­ces­so to­do da Bran­ca na re­pri­se de Por Amor?

Sem­pre acre­di­tei nas no­ve­las do Ma­no­el Car­los [au­tor da tra­ma] na dé­ca­da de 70, na de 80, 90... e con­ti­nu­a­rei acre­di­tan­do se ele se­guir es­cre­ven­do em 2050. Ele é um gran­de es­cri­tor, pe­lo por­tu­guês, pe­la for­ma co­mo co­lo­ca to­das as qua­li­da­des e os de­fei­tos de uma fa­mí­lia. Tra­ba­lhei em mui­tos dos pro­je­tos de­le e fo­ram os meus me­lho­res per­so­na­gens, sem des­fa­zer de ne­nhum ou­tro. O Ma­no­el não pas­sou de épo­ca, não exis­te is­so de épo­ca pa­ra um au­tor bom. Um dra­ma­tur­go bom é bom em 1980 e em 2019. Ele con­quis­tou o co­ra­ção de to­do o Bra­sil e de fo­ra do país tam­bém. Re­ce­bo men­sa­gens pe­lo Ins­ta­gram do mun­do to­do, da Rús­sia à Ar­gen­ti­na. É ma­ra­vi­lho­so co­mo Ma­no­el Car­los é atem­po­ral. O tex­to de­le é o mais di­fí­cil que eu ti­ve pa­ra es­tu­dar na vi­da, mas é o que eu con­si­go fa­lar com mai­or na­tu­ra­li­da­de.

E co­mo é vol­tar a tra­ba­lhar com a Glo­ria Pi­res?

A ver­da­de é que a gen­te tra­ba­lhou pou­co jun­tas. Nós te­mos uma in­ti­mi­da­de mui­to mai­or que o tra­ba­lho. Hou­ve uma em­pa­tia en­tre a gen­te des­de quan­do ela era cri­an­ça. Eu era mui­to ami­ga de Lau­ro Co­ro­na [ator de te­le­no­ve­las, fa­le­ci­do em 1989], que ti­nha uma ca­sa ao la­do de on­de a Glo­ri­nha mo­ra­va. Ela era uma ga­ro­ta, ti­nha en­tre 16 e 17 anos. E te­mos uma gran­de afi­ni­da­de por ter­mos nas­ci­do no mes­mo dia. Há anos, nós co­me­mo­ra­mos ani­ver­sá­ri­os às ve­zes jun­tas, às ve­zes se­pa­ra­das, mas sem­pre pre­sen­tes no dia 23 de agos­to. A con­si­de­ro uma das me­lho­res atri­zes da nos­sa te­le­vi­são. Uma vez, fui fa­zer um fil­me com ela e fi­quei es­tu­pe­fa­ta com co­mo ela tem o do­mí­nio da ce­na. Quan­do gra­vo com ela es­tou em fa­mí­lia.

Co­mo foi re­tor­nar às gra­va­ções de­pois de um tem­po afas­ta­da pa­ra cui­dar da saú­de?

O tem­po que es­ti­ve afas­ta­da pa­ra me cui­dar foi mui­to bom por­que per­ce­bi que vo­cê só po­de cui­dar da sua saú­de se ti­ver o fo­co no seu cor­po. Vi que eu pre­ci­sa­va fi­car na mi­nha ca­sa, con­vi­ver mais com os meus fa­mi­li­a­res, com a mi­nha no­ra Ke­tryn, com os meus ca­chor­ros, com as pes­so­as que cui­dam da mi­nha ca­sa [Ci­da, Ro­se e Clau­dia], ti­rar a pre­o­cu­pa­ção do meu tra­ba­lho. En­fim, is­so foi es­sen­ci­al na re­cu­pe­ra­ção da mi­nha saú­de. Fi­quei mui­to fe­liz em vol­tar aos Es­tú­di­os Glo­bo, já que os me­lho­res di­as da mi­nha vi­da, eu pas­so lá. Ti­ran­do, cla­ro, as vi­a­gens que fa­ço com a mi­nha fa­mí­lia.

Co­mo o pú­bli­co a re­ce­beu após seu pro­ble­ma de saú­de vir à to­na?

A ca­da pas­so ga­nho abra­ços co­mo­vi­dos, sor­ri­sos de ale­gria, pa­la­vras de con­for­to. Re­ce­bo bên­çãos de to­das as ma­nei­ras. Gos­ta­ria de agra­de­cer aos meus fa­mi­li­a­res, que fi­ca­ram sem­pre ao meu la­do. Es­tar den­tro de ca­sa me fez olhar as plan­tas que eu não via há tem­pos. O mo­bi­liá­rio da mi­nha ca­sa, que eu com­pra­va e não via na­da. Sem­pre dei va­lor a tu­do o que te­nho, que foi con­se­gui­do gra­ças a mim e a Deus. Nes­se pe­río­do em ca­sa, ti­ve tem­po de usu­fruir a vi­da: dor­mir até tar­de, as­sis­tir TV, le­van­tar e pe­dir coi­sas pa­ra co­mer, sem pres­sa.

Foi mui­to bom ter fi­ca­do um tem­pi­nho afas­ta­da, por­que es­ta­va pró­xi­ma de mim.

Nes­se tem­po, che­guei per­to do meu eu. Foi bom ter fi­ca­do dis­tan­te do tra­ba­lho e pró­xi­mo da mi­nha vi­da do­més­ti­ca e do ser hu­ma­no co­mum, nor­mal. Não te­nho na­da a re­cla­mar. A mi­nha fé é mui­to gran­de. E ain­da te­nho mui­tas coi­sas pa­ra fa­zer, pa­ra mim e pa­ra os ou­tros. Es­tou de vol­ta pa­ra o pú­bli­co que me ama!

Qual o seu mai­or me­do?

De mor­rer!

E o mai­or so­nho?

Não vi­vo de so­nhos, não. Eu vi­vo o ago­ra. O meu so­nho é acor­dar e sem­pre ter a mes­ma coi­sa boa que é meu dia a dia: brin­car com meus ca­chor­ros, ce­le­brar a vi­da, con­ver­sar com os meus fun­ci­o­ná­ri­os. Vi­ver!

O que fa­la­ria a Su­sa­na cri­an­ça so­bre so­bre­vi­ver nes­se uni­ver­so ma­chis­ta?

Não pre­ci­so fa­lar, a cri­an­ça é que fa­la co­mi­go [ri­sos]. Na in­fân­cia, ti­nha me­do do meu pai, por­que ele era mui­to bra­vo. En­tão, achei que to­dos os ho­mens iam ser iguais. Não me en­ga­nei mui­to. Re­sol­vi en­fren­tá-los, as­sim co­mo en­fren­tei meu pai, fui tra­ba­lhar na te­le­vi­são e con­se­gui. Fiz dis­so a mi­nha fon­te de ren­da. De­pois, meu pai co­me­çou a me ver no ví­deo e te­ve or­gu­lho de mim. Ele mor­reu di­zen­do que eu ti­nha si­do o mai­or te­sou­ro da vi­da de­le. Vol­tan­do à cri­an­ça que fui, di­ria:“que­ri­da, não exis­te se­xo mas­cu­li­no ou fe­mi­ni­no. Exis­te gar­ra, dis­ci­pli­na, for­ça de von­ta­de, von­ta­de de ven­cer”.

Vo­cê é a mu­sa da edi­ção de ani­ver­sá­rio de Ana­ma­ria por ins­pi­rar nos­sas lei­to­ras há mui­to tem­po. Co­mo é is­so pa­ra vo­cê?

A re­vis­ta Ana­ma­ria é uma óti­ma com­pa­nhia, in­clu­si­ve pa­ra mim. Quan­do co­me­cei a es­cre­ver pa­ra a re­vis­ta, pois já fui co­lu­nis­ta da pu­bli­ca­ção, me sen­ti tão im­por­tan­te, mais im­por­tan­te do que quan­do eu era atriz, fa­zen­do no­ve­la. Nos fo­lhe­tins, sei que agra­do a mui­ta gen­te, as pes­so­as fi­cam em vol­ta de mim. En­tre­tan­to, quan­do as pes­so­as com­pra­vam a re­vis­ta pa­ra le­rem uma co­lu­na es­cri­ta por mim, meu Deus do céu, eu me sen­ti tão va­lo­ri­za­da, tão im­por­tan­te! Amo ler ma­té­ri­as da Ana­ma­ria. Acho lin­do a re­vis­ta fa­zer par­te da mi­nha vi­da. Pa­ra­béns pe­los 23 anos da re­vis­ta, ela é uma fon­te de ins­pi­ra­ção e não po­de dei­xar de exis­tir. Por­que eu já ti­ve 23 anos e che­guei aos 77 anos, meu amor. En­tão, con­ti­nu­em!

E co­mo é bri­lhar na nos­sa ca­pa de ani­ver­sá­rio?

Es­tou ex­tre­ma­men­te en­vai­de­ci­da por is­so e su­per­fe­liz por ser ca­pa da Ana­ma­ria em seu 23º ani­ver­sá­rio. Mui­to obri­ga­da pe­la lem­bran­ça. As fo­tos fo­ram re­a­li­za­das com mui­ta ale­gria e mui­to pra­zer. Afi­nal de con­tas, nós so­mos ami­gas, não é mes­mo?

À esq., ca­rac­te­ri­za­da co­mo tia Emí­lia, a atu­al per­so­na­gem da atriz na Glo­bo. Abai­xo, com o fi­lho úni­co, Ro­dri­go Vi­ei­ra, e a no­ra, Ke­tryn

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.