Não exis­te mu­lher fra­ca

Ana Maria - - CAPA - Por An­dré Ro­ma­no l Fo­tos: Elvis Moreira

Fabiula Nas­ci­men­to sa­be cui­dar da ca­sa, cor­tar ca­be­lo, co­zi­nhar, cri­ar pro­du­tos na­tu­rais... Mas se re­a­li­za mes­mo nas ar­tes. Sor­te a nos­sa que, há 23 anos, a ve­mos nos palcos, te­las... E, cá en­tre nós, se­ria

um des­per­dí­cio de ta­len­to se fos­se di­fe­ren­te. Ho­je, ela é a Ma­ri­a­na de Bom Su­ces­so (Glo­bo). À Ana­ma­ria, a atriz fa­lou so­bre a per­so­na­gem, con­fes­sou que, sim, per­do­a­ria uma trai­ção e re­for­çou a par­ce­ria com o na­mo­ra­do, Emi­lio Dan­tas

Quem é a Ma­ri­a­na de Bom Su­ces­so?

Uma mu­lher wor­kaho­lic e ex­tre­ma­men­te pro­fis­si­o­nal. Ela to­ma con­ta de uma fa­mí­lia in­tei­ra e dos ne­gó­ci­os da fa­mí­lia, a Edi­to­ra Pra­do Mon­tei­ro, on­de é a exe­cu­ti­va, cé­re­bro da­que­le lu­gar. O pai, Al­ber­to [An­to­nio Fa­gun­des], descobre que só tem mais al­guns me­ses de vi­da e Ma­ri­a­na, des­de a mor­te da mãe, vem as­su­min­do o lu­gar de em­pre­sá­ria, do­na de ca­sa, mãe e fi­lha des­se pai. Fa­zen­do das tri­pas co­ra­ção pa­ra a fa­mí­lia e a em­pre­sa da­rem cer­to.

E o Marcos (Ro­mu­lo Es­tre­la)?

O ir­mão é ir­res­pon­sá­vel, um bon vi­vant, lar­ga tu­do e vai em­bo­ra, de­sis­te dos ne­gó­ci­os e se­gue o so­nho: ser li­vre e fazer o que bem en­ten­de. Ele é pa­re­ci­do com o pai. Os dois não con­cor­dam um com o ou­tro, mas são pa­re­ci­dos. En­tão, so­bra tu­do pa­ra a Ma­ri­a­na, que é per­fec­ci­o­nis­ta, apai­xo­na­da pe­la edi­to­ra e es­tá dis­pos­ta a tu­do pa­ra sal­vá-la. Tem um de­se­jo de am­pli­ar a li­nha edi­to­ri­al, tra­zer li­vros mais co­mer­ci­ais. Is­so se­ria uma óti­ma ideia pa­ra a edi­to­ra, mas o pai é con­tra.

Como tra­ba­lhou pa­ra com­por a per­so­na­gem?

Como sem­pre, fui atrás de uma ami­go­na, a Rapha­e­la Lei­te, que há anos me aju­da a com­por per­so­na­gens por meio de fil­mes. Ela tem um co­nhe­ci­men­to ab­sur­do de ci­ne­ma e fi­ze­mos uma se­le­ção com obras de mu­lhe­res for­tes, ele­gan­tes e com con­fli­tos fa­mi­li­a­res. Nes­sa lis­ta: A Mal­va­da, El­le, To­ni Erd­mann, A Cha­ma Que Não Se Apa­ga. Com to­das es­sas fer­ra­men­tas, co­me­ça­mos as ati­vi­da­des com os pre­pa­ra­do­res e pu­de ex­pe­ri­men­tar tu­do o que pes­qui­sei. Ten­tei mu­dar os re­gis­tros de cor­po e voz que o pú­bli­co es­tá acos­tu­ma­do a ver. Es­pe­ro en­tre­gar um bo­ni­to tra­ba­lho.

Por ser exi­gen­te com o tra­ba­lho, Ma­ri­a­na é ar­ro­gan­te?

Um pou­co. To­do ar­ro­gan­te, na ver­da­de, é um in­se­gu­ro. Acho que a Ma­ri­a­na não é boa nem má. Ela é hu­ma­na, tem som­bra e luz. Tu­do o que ela faz é com­pre­en­sí­vel. De re­pen­te, chega uma mu­lher lin­da, que num pas­sa­do pró­xi­mo a ata­cou em uma lo­ja, ras­gan­do seu vestido e, de uma ho­ra pa­ra ou­tra, es­sa mu­lher vi­ra a acom­pa­nhan­te do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.