DI­GA NÃO AO bullying!

Ana Maria - - FILHOS - Fo­tos: Di­gui­nho So­a­res

Em car­ta aber­ta, a atriz e cantora Ma­ri Car­do­so, de 15 anos, re­la­ta epi­só­di­os em que foi ví­ti­ma de agres­sões ver­bais, psi­co­ló­gi­cas e ame­a­ças pe­los co­le­gas de es­co­la.

Ela se sen­tiu so­zi­nha, che­gou a se boi­co­tar pa­ra per­ten­cer ao gru­po e te­ve a au­to­es­ti­ma es­tra­ça­lha­da. Mas a ar­tis­ta deu a vol­ta por ci­ma e, ho­je, luta pa­ra que nin­guém mais pas­se por is­so. Es­sa his­tó­ria foi escrita pa­ra vo­cê ler com o seu fi­lho e, jun­tos, fa­ze­rem a men­sa­gem che­gar até ou­tras cri­an­ças, jo­vens e pais

In­fe­liz­men­te, em­bo­ra mui­to de­ba­ti­do, prin­ci­pal­men­te nas ins­ti­tui­ções de en­si­no, a cul­tu­ra do bullying ain­da es­tá lon­ge de aca­bar nas es­co­las. Cos­tu­mo di­zer que só quem so­fre com o pro­ble­ma sa­be como ele afe­ta o psi­co­ló­gi­co e o emocional. Eu so­fri. Fui ví­ti­ma de al­guns ti­pos de bullying. A mai­o­ria de­les ver­bal. Ou­vi coi­sas do ti­po: ‘que­ro que mor­ra’, ‘vo­cê é ma­gra de­mais’, ‘vou te ma­tar com a ar­ma do meu pai’, ‘vo­cê can­ta como um pa­to rou­co’. Por ser atriz, me per­gun­ta­vam qual pro­fis­são de ver­da­de eu te­ria, pois a car­rei­ra ar­tís­ti­ca não me le­va­ria a na­da, prin­ci­pal­men­te por­que, di­zi­am, eu não ti­nha ta­len­to pa­ra is­so. Mas su­pe­rei, apren­di, cres­ci e me for­ta­le­ci. Nes­ta car­ta, com­par­ti­lho a mi­nha his­tó­ria pa­ra ela não se re­pe­tir com mais nin­guém.

O CO­ME­ÇO DE TU­DO

As 9 anos de ida­de, ven­ci o show de ta­len­tos da es­co­la. Me des­ta­quei ao to­car pi­a­no e can­tar. Is­so fez com que al­gu­mas me­ni­nas não gos­tas­sem de mim. Além de me xin­ga­rem, não me con­vi­da­vam pa­ra fes­tas ou pas­sei­os em su­as ca­sas. De­bo­ches fa­zi­am par­te do meu co­ti­di­a­no na es­co­la. Um epi­só­dio me mar­cou: no in­ver­no, em um dia pós-chu­va, o pá­tio es­ta­va cheio de po­ças de la­ma. Como tí­nha­mos edu­ca­ção fí­si­ca, pen­du­rá­va­mos a cal­ça e blu­sa na gra­de e ves­tía­mos short. Qu­an­do a au­la aca­bou, vi qua­tro me­ni­nas jo­gan­do mi­nhas rou­pas na la­ma, rin­do e pi­san­do nas pe­ças. Elas can­ta­vam sem pa­rar em in­glês: ‘per­de­do­ra, pen­se em mim qu­an­do eu dis­ser per­de­do­ra’. Do­eu o meu co­ra­ção. Com as rou­pas su­jas de la­ma, pas­sei frio pe­lo res­to do dia. Es­se gru­po me ofen­dia di­a­ri­a­men­te. Ha­via uma lí­der. Al­gu­mas iam na on­da, ou­tras até olha­vam com re­pro­va­ção, mas se ca­la­vam de me­do. Qu­e­ri­am me fazer acre­di­tar que não era boa alu­na nem can­ta­va bem. Elas ame­dron­ta­vam quem se apro­xi­mas­se de mim. In­ven­ta­vam men­ti­ras a meu res­pei­to pa­ra me co­lo­car con­tra to­dos. Nin­guém que­ria pas­sar o re­creio ou al­mo­ço co­mi­go. Me via so­zi­nha, sem ami­gos. A ca­da dia fi­ca­va mais en­ver­go­nha­da, in­se­gu­ra e de­si­lu­di­da. Mi­nha dor, mes­mo in­ter­na, não pa­ra­va de cres­cer. Ten­tei me es­con­der pa­ra nin­guém sa­ber que eu can­ta­va, não que­ria mais par­ti­ci­par dos even­tos es­co­la­res e ain­da er­ra­va as per­gun­tas dos pro­fes­so­res de propósito pa­ra fin­gir que não sa­bia a res­pos­ta. Tu­do pa­ra ser acei­ta den­tro do gru­po. Me ques­ti­o­na­va o tem­po to­do se eu era o ver­da­dei­ro pro­ble­ma.

‘ES­SA VACA TEM QUE SER REPROVADA'

Mes­mo com to­do so­fri­men­to na es­co­la, sem­pre amei a car­rei­ra ar­tís­ti­ca. Qu­an­do co­me­çou o The Voi­ce Kids [pro­gra­ma de ta­len­tos mirins da Glo­bo], quis par­ti­ci­par. Ao ser apro­va­da, te­mi o que po­de­ria ro­lar na es­co­la. No iní­cio, vá­ri­as ga­ro­tas me apoi­a­vam, mas com o tem­po o bullying ga­nhou mais for­ça.

Por cau­sa do The Voi­ce, re­ce­bi con­vi­tes pa­ra fazer shows com Vic­tor & Leo e Ivete San­ga­lo, e pe­ças, como Ma­til­da. Es­ti­ve em um gru­po com ou­tros par­ti­ci­pan­tes do pro­gra­ma e fiz tur­nê pe­lo Bra­sil. Fui con­vi­da­da pa­ra o Su­per­che­fi­nhos, da Ana Ma­ria Bra­ga, e es­ti­ve no mu­si­cal Vamp. Fiz ain­da al­gu­mas mú­si­cas au­to­rais e vi­de­o­cli­pes. Con­se­guia con­ci­li­ar bem a car­rei­ra com os es­tu­dos, mes­mo ten­do que fal­tar al­gu­mas ve­zes. Um dia, a pro­fes­so­ra de ge­o­gra­fia elo­gi­ou meu de­sem­pe­nho. Du­as me­ni­nas dis­se­ram: “Es­sa vaca tem que ser reprovada por fal­ta, mes­mo ten­do no­tas boas. Que­ro que mor­ra”. Uma de­las fa­lou que o pai era juiz e tra­ria uma ar­ma pa­ra me ma­tar. A ou­tra es­pa­lhou pa­ra a es­co­la to­da que eu era bur­ra e mi­nha mãe tro­ca­va mi­nhas no­tas na es­co­la.

Mas me man­ti­nha for­te e bus­ca­va no­vas ami­za­des, prin­ci­pal­men­te com as me­ni­nas que não eram po­pu­la­res e so­fri­am tam­bém. Cer­ta vez, cir­cu­lou pe­los ce­lu­la­res da es­co­la uma fo­to mi­nha de um show que fiz no meu ani­ver­sá­rio. A ima­gem es­ta­va edi­ta­da como se eu es­ti­ves­se de short e su­tiã. Fi­quei mal. Eu era in­se­gu­ra, en­ver­go­nha­da e in­tro­ver­ti­da. Ti­nha me­do de fa­lar com as pes­so­as, me re­la­ci­o­nar, fazer ami­za­des... Acha­va que se­ria jul­ga­da e que não gos­ta­ri­am de mim. Mi­nha au­to­es­ti­ma era bai­xa e não ti­nha au­to­con­fi­an­ça. Pen­sei em de­sis­tir e acre­di­ta­va que eu era o pro­ble­ma por sa­ber can­tar e ti­rar boas no­tas.

COMO PEDIR AJU­DA

Mes­mo so­fren­do e com me­do, nun­ca dei­xei de re­la­tar tu­do pa­ra meus pais e a es­co­la. E sem­pre ti­ve apoio de­les. Por is­so, nun­ca de­sis­ti. In­fe­liz­men­te, nem to­dos os pais en­xer­gam o pro­ble­ma. Uma das me­ni­nas que me agre­dia se des­cul­pou. Ho­je, é uma das mi­nhas me­lho­res amigas. Ela nun­ca mais fez na­da pa­re­ci­do com nin­guém. Ao con­trá­rio, quer sem­pre aju­dar a to­dos. Ho­je não so­fro mais bullying, te­nho vá­ri­os ami­gos, su­pe­rei o so­fri­men­to e sou fe­liz. Mas mui­tas cri­an­ças ain­da pas­sam por coi­sas pa­re­ci­das ou pi­o­res. As­sim, ino­cen­tes cres­cem com me­do, in­se­gu­ros... Es­ses da­nos po­dem le­vá-los ao sui­cí­dio. O bullying tem que aca­bar. Aju­de a com­ba­tê-lo. Fa­ça sua par­te não acei­tan­do a prá­ti­ca nem in­cen­ti­van­do o agres­sor. De­nun­cie-o! Pre­ci­sa­mos res­pei­tar as di­fe­ren­ças. Ca­da um é úni­co e tem seu es­pa­ço no mundo. Apoie o su­ces­so dos ami­gos. Pre­ci­sa­mos de mais amor. Di­ga não ao bullying.

BUS­QUE AU­XÍ­LIO DOS ADUL­TOS

É im­por­tan­te fa­lar com uma pes­soa mais ve­lha, pois ela tem mais ex­pe­ri­ên­cia e sa­be­do­ria pa­ra aju­dar a li­dar com a si­tu­a­ção. Mes­mo que te ame­a­cem ca­so di­ga que pro­cu­ra­rá au­xí­lio, não te­ma por achar que is­so vai pi­o­rar a si­tu­a­ção: pro­cu­re aju­da de adul­tos as­sim mes­mo.

TE­NHA IN­TE­LI­GÊN­CIA EMOCIONAL

Não en­tre na on­da de quem faz bullying. Não é van­ta­gem xin­gar, ata­car ou agir de for­ma agres­si­va. Mas tam­bém na­da de bai­xar a ca­be­ça. Bus­que equilíbrio. Olhe sem­pre fir­me pa­ra o agres­sor, de­mons­tre com fir­me­za que não es­tá gos­tan­do da brin­ca­dei­ra e ten­te con­ver­sar com ele e o gru­po. Em ge­ral, os agres­so­res nun­ca es­tão so­zi­nhos. De­mons­tre que a agres­são não es­tá correta e não é le­gal com nin­guém. Mais: que, um dia, o agres­sor po­de se vol­tar con­tra quem, ho­je, só es­tá as­sis­tin­do ao bullying.

ACEITE QUEM VO­CÊ É

Te­nha co­ra­gem pa­ra acre­di­tar em si. Não con­si­de­re o que es­sas pes­so­as fa­lam a seu res­pei­to. Vo­cê é es­pe­ci­al do jei­to que é. Te­mos que nos amar e não nos sen­tir me­no­res ou nos cul­par por cau­sa do bullying. Qu­an­do des­co­bri­mos o amor­pró­prio, fi­ca­mos mais fe­li­zes. A fe­li­ci­da­de é um es­ta­do de es­pí­ri­to que só vo­cê escolhe ter ou não. Ho­je, po­dem fa­lar o que qui­ser de mim, pois sei quem sou. E em­bo­ra te­nha de­fei­tos como qual­quer ser hu­ma­no, sei que sou bo­ni­ta do meu pró­prio jei­to. Can­to, atuo e dan­ço pa­ra mim por­que me faz bem, e não pa­ra os ou­tros. Jul­ga­men­tos não me im­por­tam mais. To­dos te­mos coi­sas que nos tor­nam úni­cos. Eis a be­le­za do ser hu­ma­no. Não po­de­mos ter ver­go­nha das di­fe­ren­ças. Nun­ca jo­gue fo­ra o seu eu pa­ra ser o que os ou­tros que­rem. Se­ja vo­cê! Va­lo­ri­ze o que te faz úni­co. Acre­di­te em si e cor­ra atrás dos seus so­nhos.

NÃO SE SINTA VÍ­TI­MA

Se che­gar a um lu­gar acre­di­tan­do que to­dos es­tão olhan­do e fa­lan­do mal de vo­cê, au­to­ma­ti­ca­men­te te­rá uma apa­rên­cia ne­ga­ti­va. E as pes­so­as a ve­rão as­sim. Ca­so en­tre com ca­be­ça bai­xa, de­mos­tran­do me­do, se­rá um pra­to cheio pa­ra o bullying. Já com pos­tu­ra, olhar fir­me, sem um olhar sub­mis­so, ime­di­a­ta­men­te im­po­rá res­pei­to. Só con­se­gui che­gar aos lu­ga­res com con­fi­an­ça qu­an­do apren­di a me amar com mi­nhas qua­li­da­des e de­fei­tos.

NA­DA DE SUBMISSÃO

Qu­es­ti­o­nar ati­tu­des dos co­le­gas que fa­zem bullying é im­por­tan­te. Ten­te se co­mu­ni­car com es­sas pes­so­as e bus­que re­sol­ver as coi­sas na con­ver­sa. Cla­ro, se a co­mu­ni­ca­ção não fun­ci­o­nar, ten­te ou­tra solução. Mas agres­si­vi­da­de nun­ca.

ES­QUE­ÇA A CUL­PA

Vo­cê não é res­pon­sá­vel pe­lo que es­tá acon­te­cen­do con­ti­go, não me­re­ce o que es­tão fa­zen­do e o que fa­lam de vo­cê não é ver­da­de. E ain­da que se­ja, as pes­so­as de­vem se amar e se­rem res­pei­ta­das pe­lo que são.

CO­LO­QUE A BO­CA NO TROMBONE

Viu al­guém so­fren­do bullying, não se ca­le. Ten­te aju­dar a ví­ti­ma e o agres­sor. Po­de ser di­fí­cil, pois quem faz bullying, em ge­ral, es­tá em po­si­ção de “po­der” e ame­dron­ta os ou­tros, que se ca­lam.

PRATIQUE O PER­DÃO

Quei­ra per­do­ar quem faz bullying, afi­nal, mu­dan­ças só acon­te­cem com amor. Te­mos que aju­dá-las a per­ce­ber que es­tão er­ra­das. Com con­ver­sa, per­dão e amor mu­da­mos as pes­so­as. Com amor e res­pei­to, mu­da­mos o mundo.

MEDIDAS im­por­tan­tes que me so­cor­re­ram e tam­bém PO­DEM SAL­VAR vo­cê do

BULLYING

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.