HUMANIZAÇíO DE PETS: is­so faz BEM pa­ra os ANI­MAIS?

Ana Maria - - CÃO CIDADÃO - MARCELA BARBIERI BORO, zo­o­tec­nis­ta, mé­di­ca ve­te­ri­ná­ria, ades­tra­do­ra e fran­que­a­da da Cão Ci­da­dão.

Vo­cê já per­ce­beu que os ani­mais de es­ti­ma­ção es­tão ca­da vez mais pa­re­ci­dos com os hu­ma­nos? Al­guns com­por­ta­men­tos se tor­na­ram tão se­me­lhan­tes que, às ve­zes, es­que­ce­mos que eles são pets. O mo­do como tra­ta­mos nos­sos bi­chos mu­dou. An­ti­ga­men­te era co­mum ca­chor­ro ape­nas ha­bi­tar o quin­tal e ter com­por­ta­men­tos ca­rac­te­rís­ti­cos, como ca­var, la­tir, ro­er e fa­re­jar. Ho­je, es­sa mes­ma ca­sa já o tra­ta de for­ma mais pró­xi­ma e in­clu­sa na ro­ti­na da fa­mí­lia. Ele ga­nhou ca­mi­nha per­to do so­fá e até um es­pa­ço na ca­ma na ho­ra de dor­mir. Is­so es­trei­tou ain­da mais a re­la­ção do ho­mem com o ani­mal, mas al­guns cui­da­dos pre­ci­sam ser to­ma­dos pa­ra ga­ran­tir o bem-es­tar de to­dos. É pre­ci­so en­ten­der que os ani­mais não são se­res hu­ma­nos e, ape­sar de vo­cê tra­tar seu cão­zi­nho como fi­lho, al­gu­mas ca­rac­te­rís­ti­cas da es­pé­cie pre­ci­sam ser pre­ser­va­das. Na ver­da­de, um ani­mal que é obri­ga­do a de­sem­pe­nhar ati­vi­da­des hu­ma­nas, como an­dar de sa­pa­tos, ves­tir rou­pas com mui­tos acessórios, a pas­se­ar ape­nas de car­ri­nho na rua e ser im­pe­di­do de ca­mi­nhar pa­ra não se su­jar, so­fre mui­to! A saú­de de­le po­de ser pre­ju­di­ca­da de vá­ri­as ma­nei­ras, tan­to fí­si­ca quan­to psi­co­ló­gi­ca, e o pet po­de apre­sen­tar dis­túr­bi­os de com­por­ta­men­to que co­me­çam a ser en­ca­ra­dos pe­lo tu­tor como bir­ra, má-edu­ca­ção etc. O amor pe­los bi­chos pre­ci­sa ir além de abra­ços e bei­jos. Pre­ci­sa­mos tam­bém res­pei­tar as ne­ces­si­da­des da es­pé­cie. Tu­do bem se vo­cê gos­ta de ves­tir o ani­mal com rou­pi­nhas no frio e tam­bém não gos­ta das pa­ti­nhas su­jas já que ele vai su­bir na ca­ma, mas ten­te ma­ne­jar is­so de uma for­ma be­né­fi­ca pa­ra ele. Pas­seie e lim­pe as pa­ti­nhas de­pois. Evi­te rou­pas com mui­tos acessórios. Dei­xe o car­ri­nho de be­bê pa­ra ser usa­do ape­nas se seu ani­mal pos­sui al­gu­ma di­fi­cul­da­de de se lo­co­mo­ver e dei­xe-o so­ci­a­li­zar e brin­car com ou­tros ani­mais qu­an­do for pa­ra a rua. Em ca­sa, for­ne­ça ati­vi­da­des que es­ti­mu­lem o fa­ro e a ca­ça. Is­so tu­do o tor­na­rá mais fe­liz e a re­la­ção de vo­cês fi­ca­rá ain­da mais sau­dá­vel e se­gu­ra.

ANI­MAL NÃO É

HU­MA­NO!

“É pre­ci­so en­ten­der que os ani­mais não são se­res hu­ma­nos e, ape­sar de vo­cê tra­tar seu cão como fi­lho, as ca­rac­te­rís­ti­cas da es­pé­cie pre­ci­sam ser pre­ser­va­das”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.