Nem tu­do deve ser só ruim...

Ana Maria - - MENSAGEM DA KARLINHA - KAR­LA PRE­CI­O­SO

Às ve­zes a gen­te pre­ci­sa apren­der do pi­or jei­to pa­ra en­ten­der que de­ve­mos mu­dar”

Leia ou­tras men­sa­gens da Kar­li­nha em: ana­ma­ria.uol.com.br

Con­ver­sa en­tre amigas

“Meu re­la­ci­o­na­men­to es­tá bem des­gas­ta­do... Não há mais res­pei­to en­tre a gen­te e bri­ga­mos o tem­po to­do. Mas te­nho mui­to me­do de não ter for­ças pa­ra su­pe­rar uma se­pa­ra­ção. O que eu fa­ço?”

E. L., por e-mail

Quem de nós nun­ca se dei­xou le­var por uma ava­lan­che de pen­sa­men­tos ne­ga­ti­vos? Por mais que te­nha­mos fé e es­pe­ran­ça, há um tem­po que a bar­ra pe­sa e dei­xa­mos a in­cer­te­za e o me­do to­ma­rem con­ta do co­ra­ção. Mas is­so tam­bém faz par­te do jo­go. E não po­de­mos nos chi­co­te­ar por não con­se­guir­mos nos man­ter fir­mes nos ins­tan­tes pe­no­sos. Po­de­mos, sim, cho­rar, nos en­tris­te­cer. Só não de­ve­mos trans­for­mar es­sa pos­tu­ra em um mo­do de vi­ver. Um dia de pe­sar é per­fei­ta­men­te ‘hu­ma­no’. No en­tan­to, uma vi­da de la­mú­ria é to­tal­men­te de­su­ma­na. En­tão, cho­re su­as do­res, mas apro­vei­te as lá­gri­mas pa­ra la­var a al­ma e abrir os olhos pa­ra a jor­na­da que ain­da deve ser lon­ga. E si­ga adi­an­te. Os mo­men­tos di­fí­ceis pas­sam e nos dei­xam a li­ção de que nem tu­do deve ser só ruim. Às ve­zes, a gen­te pre­ci­sa apren­der do pi­or jei­to pa­ra en­ten­der que de­ve­mos mu­dar, cui­dar me­lhor de nós mes­mas pa­ra, as­sim, tam­bém dar­mos o me­lhor de nós... E al­can­çar­mos bons re­sul­ta­dos. Boa se­ma­na e fi­que com Deus.

Te­mer uma de­ci­são como es­sa é com­pre­en­sí­vel. Mas a ver­da­de é: ain­da que doa, to­do mundo so­bre­vi­ve à se­pa­ra­ção. Tem mais: ela é uma al­ter­na­ti­va po­si­ti­va qu­an­do a re­la­ção não tem mais na­da de sa­dio. Lem­bre-se de que uma união só se cons­trói com amor e res­pei­to. Sem is­so não faz sen­ti­do o ca­sal per­ma­ne­cer jun­to. E, pas­sa­do o cho­que do rom­pi­men­to, vo­cê sen­ti­rá, in­clu­si­ve, um cer­to alí­vio (e es­se alí­vio vai ser mai­or que a dor), afi­nal vão aca­bar tam­bém as in­ter­mi­ná­veis dis­cus­sões. Mes­mo que vo­cê en­fren­te mo­men­tos de so­li­dão, en­ca­re-os como uma ex­ce­len­te opor­tu­ni­da­de pa­ra con­fi­ar em sua ca­pa­ci­da­de de ir em fren­te e re­a­pren­der a se amar sem es­pe­rar mais do ou­tro.

Sua ami­ga, Kar­li­nha

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.