Destrave a QUEI­MA DE GOR­DU­RA

O es­pe­ci­a­lis­ta em nu­tri­ção Ro­dri­go Po­les­so ex­pli­ca co­mo a ba­gun­ça hor­mo­nal fun­ci­o­na co­mo um ca­de­a­do que tra­va o ema­gre­ci­men­to do cor­po. E ele en­si­na os có­di­gos ali­men­ta­res pa­ra se­car

Ana Maria - - DIETA - Por Ra­quel Bor­ges

VVo­cê pre­ci­sa fi­car sau­dá­vel pa­ra ema­gre­cer de vez”, é com es­sa frase que Ro­dri­go Po­les­so, es­pe­ci­a­lis­ta cer­ti­fi­ca­do em nu­tri­ção pe­la San Di­e­go Sta­te Uni­ver­sity, na Ca­li­fór­nia (EUA), le­va mi­lha­res de pes­so­as a as­sis­ti­rem a seus ví­de­os nas re­des so­ci­ais. Ele é cri­a­dor do pro­je­to Tri­bo For­te, mai­or even­to de saú­de, boa for­ma e es­ti­lo de vi­da da Amé­ri­ca La­ti­na, que acon­te­ceu nos úl­ti­mos di­as 28 e 29 de se­tem­bro, em São Pau­lo, e au­tor da obra Es­te Não É Mais um Li­vro de Di­e­ta (Editora Gen­te, R$ 34,90 ). Na pu­bli­ca­ção, ele der­ru­ba al­guns con­cei­tos das di­e­tas e fa­la so­bre es­ti­lo de vi­da ali­men­tar. Pa­ra o pro­fis­si­o­nal, a ideia de que as pes­so­as pre­ci­sam fi­car ma­gras pa­ra te­rem saú­de não é re­al. “É uma gran­de fa­lá­cia acre­di­tar que pre­ci­sa­mos en­xu­gar pa­ra fi­car sau­dá­vel. Por is­so, tan­ta gen­te cai em ar­ma­di­lhas e pro­mes­sas bus­can­do per­der qui­li­nhos ex­tras a todo cus­to. O re­sul­ta­do dis­so to­dos já sa­be­mos: efei­to re­bo­te, frus­tra­ção e me­ta­bo­lis­mo de­sa­jus­ta­do”, ana­li­sa em con­ver­sa com a Ana­ma­ria. Pa­ra trans­for­mar o cor­po, Po­les­so acre­di­ta que se­ja pre­ci­so des­tra­var ca­de­a­dos emo­ci­o­nais e trans­for­mar o cor­po em uma má­qui­na de quei­mar gor­du­ra.

QUAN­TO MAIS NA­TU­RAL ME­LHOR!

Se­gun­do Ro­dri­go, ema­gre­ci­men­to é uma me­ra con­sequên­cia de mu­dan­ças de es­ti­lo de vi­da ali­men­tar na di­re­ção cor­re­ta.

“Um cor­po es­ta­bi­li­za­do hor­mo­nal­men­te e me­ta­bo­li­ca­men­te quei­ma gor­du­ra até che­gar [sem es­for­ço] ao pe­so ide­al. Um si­nal de que vo­cê es­tá na di­re­ção cer­ta: sen­tir-se bem du­ran­te o pro­ces­so de re­gi­me. Ema­gre­cer não pre­ci­sa e, na ver­da­de, não de­ve ser so­fri­do. Es­ta é a ba­se da fi­lo­so­fia da ali­men­ta­ção for­te que pre­go, em que fo­co mais na qua­li­da­de do que co­me­mos e não tan­to na quan­ti­da­de”, pontua Po­les­so.

OS TAIS CA­DE­A­DOS

QUE TE IM­PE­DEM DE SE­CAR E CO­MO ABRI-LOS

"O cor­po é mais com­ple­xo do que ima­gi­na­mos e a so­lu­ção pa­ra o ema­gre­cer vai além da vi­são sim­plis­ta de que pre­ci­sa­mos co­mer me­nos e nos exer­ci­tar mais”, ex­pli­ca. E ele con­ti­nua: “Todo mun­do já sa­be dis­so e, mes­mo as­sim, con­ti­nu­a­mos en­gor­dan­do e ado­e­cen­do ca­da vez mais. Vá­ri­os me­ca­nis­mos me­ta­bó­li­cos e hor­mo­nais são im­por­tan­tes nes­ta ques­tão e des­ta­co a ação da in­su­li­na, da gli­ce­mia e do cor­ti­sol, os ca­de­a­dos que tra­vam a quei­ma de gor­du­ra”. En­ten­da por que a ba­gun­ça des­ses hormô­ni­os in­fla vo­cê e o que fa­zer pa­ra man­tê-los tra­ba­lhan­do a fa­vor do seu ema­gre­ci­men­to.

FO­RA DE CON­TRO­LE

Se vo­cê tem um cor­po com gli­ce­mia al­ta ou nor­mal, po­rém, com in­su­li­na ele­va­da cro­ni­ca­men­te (ou se­ja, vo­cê é re­sis­ten­te a es­se hormô­nio), ten­de­rá a es­tar no ca­mi­nho de do­en­ças me­ta­bó­li­cas e obe­si­da­de. So­man­do o es­tres­se de di­e­tas e da ro­ti­na, te­mos o cor­ti­sol fo­ra de con­tro­le, o que por si só agra­va o qua­dro, pro­vo­can­do mais ele­va­ção de gli­co­se no san­gue e, con­se­quen­te­men­te, a pi­o­ra na re­sis­tên­cia a in­su­li­na.

A CON­SEQUÊN­CIA

O or­ga­nis­mo re­sis­ten­te à in­su­li­na é in­to­le­ran­te à gli­co­se. Em ter­mos prá­ti­cos, te­rá ex­tre­ma di­fi­cul­da­de em per­der pe­so mes­mo que se exer­ci­te mais e co­ma me­nos.

A SO­LU­ÇÃO

"Pa­ra des­tra­var es­ses ca­de­a­dos, pre­ci­sa­mos mu­dar qua­li­ta­ti­va­men­te a ali­men­ta­ção, ou se­ja, mu­dar o que co­me­mos e não ne­ces­sa­ri­a­men­te o quan­to co­me­mos, in­clu­si­ve por­que o que co­me­mos de­fi­ni­rá, em gran­de par­te, o quan­to co­me­mos”, ava­lia. Is­so se faz por meio de uma di­e­ta ri­ca em ali­men­tos não pro­ces­sa­dos ou mi­ni­ma­men­te pro­ces­sa­dos, na­tu­ral­men­te nu­tri­ti­vos e sa­bo­ro­sos co­mo car­nes, pei­xes, fru­tos do mar, la­ti­cí­ni­os in­te­grais, ovos, ole­a­gi­no­sas, fru­tas de bai­xo ín­di­ce gli­cê­mi­co, le­gu­mes, fo­lhas e gor­du­ras bo­as.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.