Fi­lho­sau­tis­tas no mer­ca­do TRA­BA­LHO

Pes­so­as em con­di­ções es­pe­ci­ais po­dem, sim, ter uma pro­fis­são. In­clu­si­ve, já exis­tem as­so­ci­a­ções sem fins lu­cra­ti­vos em­pe­nha­das em ca­pa­ci­tá-las, além de fa­zer a pon­te en­tre em­pre­ga­do e em­pre­ga­dor. Um bom ne­gó­cio pa­ra todo mun­do

Ana Maria - - FILHOS - Por Ra­quel Bor­ges

Es­ti­ma-se que mais de 650 mi­lhões de pes­so­as con­vi­vam com al­gum ti­po de de­fi­ci­ên­cia no pla­ne­ta, de acor­do com a OMS (Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al de Saú­de). Ou se­ja, al­go em tor­no de 10% da po­pu­la­ção mun­di­al. Já no Bra­sil, on­de a po­pu­la­ção do país é de 210 mi­lhões de ha­bi­tan­tes, exis­tem cer­ca de 45 mi­lhões de pes­so­as que têm al­gum ti­po de de­fi­ci­ên­cia. Des­se to­tal, ape­nas 11 mi­lhões pos­su­em ca­pa­ci­da­de de tra­ba­lho com­pro­va­da. O nú­me­ro de va­gas a se­rem pre­en­chi­das nas em­pre­sas pe­la lei de co­tas por qu­em se en­qua­dra nes­sa con­di­ção? Ape­nas 1,5 mi­lhão! Com os da­dos, cons­ta­ta-se que ain­da é lon­go o ca­mi­nho a per­cor­rer pa­ra tor­nar cor­ri­quei­ra a in­ser­ção de pes­so­as com de­fi­ci­ên­cia in­te­lec­tu­al co­mo fun­ci­o­ná­ri­os de gran­des em­pre­sas. En­tre­tan­to, al­gu­mas as­so­ci­a­ções es­tão en­ga­ja­das pa­ra, no fu­tu­ro, tor­nar a prá­ti­ca mais fre­quen­te e vi­rar o jo­go. Com es­se fo­co, in­ves­tem em ca­pa­ci­ta­ção, in­clu­são e acom­pa­nha­men­to.

A Ser Es­pe­ci­al, As­so­ci­a­ção As­sis­ten­ci­al de In­te­gra­ção ao Tra­ba­lho, em­pre­sa sem fins lu­cra­ti­vos, es­tá em­pe­nha­da nes­sa mis­são de em­pre­gar pes­so­as com al­gum ti­po de de­fi­ci­ên­cia há 17 anos. Tu­do co­me­çou com a pai­xão da edu­ca­do­ra Car­men Ly­dia Trun­ci de Mar­co pe­la pro­fis­são. For­ma­da em pe­da­go­gia e psi­co­lo­gia, des­de 1983, ela trans­for­mou a es­co­la, fun­da­da pe­la mãe, Ju­racy da Sil­va Trun­ci (fa­le­ci­da em 2003), em um co­lé­gio de in­clu­são mo­ni­to­ra­da, na ca­pi­tal pau­lis­ta. Ho­je, com o to­tal de 500 alu­nos, e cer­ca de 25% com al­gum ti­po de de­fi­ci­ên­cia, Car­men tem or­gu­lho do que cons­truiu e ain­da se­gue ar­qui­te­tan­do. “Nes­se tem­po, meus alu­nos cres­ce­ram e pre­ci­sa­vam de opor­tu­ni­da­des de tra­ba­lho. Na épo­ca, já ha­via o ser­vi­ço de co­tas no país, mas na­da acon­te­cia. En­tão, a Ser Es­pe­ci­al nas­ceu co­mo uma ideia de tor­nar-se um lo­cal on­de os ex-alu­nos já adul­tos pu­des­sem exer­cer ati­vi­da­des la­bo­rais”, ex­pli­ca Car­men, que viu na di­ver­si­da­de uma fer­ra­men­ta evo­lu­ti­va.

Por den­tro do pro­gra­ma de ca­pa­ci­ta­ção

Pa­ra co­nhe­cer de per­to o tra­ba­lho,

Ana­ma­ria vi­si­tou a se­de da as­so­ci­a­ção. Fo­mos re­ce­bi­dos pe­lo as­ses­sor téc­ni­co Jor­ge Gon­çal­ves dos San­tos, a co­or­de­na­do­ra de pro­je­tos so­ci­ais Va­nes­sa de Oli­vei­ra Di­as Cruz e a co­or­de­na­do­ra-ge­ral Ka­ren de Al­mei­da Vi­las Bôas. Eles apre­sen­ta­ram o lo­cal e ex­pli­ca­ram co­mo o pro­gra­ma de ca­pa­ci­ta­ção, in­clu­são e acom­pa­nha­men­to fun­ci­o­na. Só na­que­le dia, du­ran­te o pe­río­do de per­ma­nên­cia da re­por­ta­gem no es­pa­ço, cer­ca de 20 fun­ci­o­ná­ri­os atu­a­vam na cri­a­ção de brin­des pa­ra a Ni­de­ra, em­pre­sa fo­ca­da no agronegóci­o. “To­dos os itens que a em­pre­sa en­tre­ga aos em­pre­ga­dos são fei­tos por pro­fis­si­o­nais da Ser Es­pe­ci­al. Vai des­de por­ta-co­pos, por­ta-re­tra­tos, su­por­te pa­ra pa­ne­la, tu­do pro­du­zi­do ar­te­sa­nal­men­te”, con­ta Ka­ren. O pro­gra­ma pre­pa­ra a pes­soa com de­fi­ci­ên­cia pa­ra a in­ser­ção nas em­pre­sas. “Nos­so pa­pel não é só o de cum­prir a co­ta, mas au­xi­li­ar os em­pre­sá­ri­os a co­me­ça­rem a en­ten­der que se tra­ta de al­go mui­to mai­or. Afi­nal, um ges­tor ca­paz de li­dar com uma pes­soa com de­fi­ci­ên­cia apren­de a ser um che­fe me­lhor”, ana­li­sa Car­men.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.