Não PRO­CU­RE MEN­TI­RAS por­que as VERDADES sem­pre te en­con­tram

Ana Maria - - SINTA & LIGA -

An­dei pen­san­do so­bre es­sa ne­ces­si­da­de que mui­tas mu­lhe­res (al­guns ho­mens tam­bém) têm de es­ca­ra­fun­char a vi­da do par­cei­ro, bus­can­do con­tra­di­ções, in­ves­ti­gan­do idas e vin­das, ami­gos, o fu­te­bol e até a di­re­ção do olhar. Pro­cu­ran­do men­ti­ras, ve­ri­fi­can­do o aves­so por­que, cla­ro, de­ve ter al­gu­ma coi­sa er­ra­da com aque­las flo­res fo­ra de ho­ra ou com o con­vi­te pa­ra jan­tar no meio da se­ma­na. Tal­vez uma cons­ci­ên­cia pe­sa­da. Ou­tro dia vi que exis­te um apli­ca­ti­vo es­pião de ge­o­lo­ca­li­za­ção pa­ra ser bai­xa­do se­cre­ta­men­te no ce­lu­lar de qu­em, na te­o­ria, é seu com­pa­nhei­ro e não um ini­mi­go po­ten­ci­al. Al­guém que es­tá com vo­cê por li­vre e es­pon­tâ­nea von­ta­de. Ah, gen­te, pa­ra, né? Co­mo as­sim? Que fal­ta de res­pei­to é es­sa com qu­em de­ve­ria fa­zer va­ler a má­xi­ma de que ad­mi­ra­ção e amor an­dam de mãos da­das? Um re­la­ci­o­na­men­to é – ou de­ve­ria ser – um exer­cí­cio de con­fi­an­ça. Não por con­for­mis­mo ou al­go pa­re­ci­do, mas por­que de­ve­mos vi­ver verdades em vez de ten­tar en­con­trar men­ti­ras. As men­ti­ras exis­tem. Nin­guém aqui vi­ve no mun­do de Ali­ce. Po­rém, quan­do elas ocor­rem, qu­em que­brou o có­di­go de con­du­ta foi o ou­tro e não vo­cê. Acre­di­tar na pes­soa que te es­co­lheu pa­ra vi­ver, nem que se­ja um pe­río­do da vi­da, não trans­for­ma nin­guém em bo­bo da cor­te. Es­se é o pa­pel de qu­em cul­ti­va pul­gas

Tu­do tem o seu tem­po de ma­tu­ra­ção: mes­mo as men­ti­ras. Até elas se re­ve­la­rem, vi­va a sua ver­da­de. Es­que­ce es­sa ideia de ir pa­ra o Go­o­gle pro­cu­rar o apli­ca­ti­vo es­pião de ge­o­lo­ca­li­za­ção

atrás da ore­lha e sa­bo­ta qual­quer pos­si­bi­li­da­de de vi­ver a dois de ma­nei­ra sau­dá­vel, mos­tran­do o seu me­lhor la­do – aque­le que, te­o­ri­ca­men­te, fez de vo­cê a elei­ta – e dan­do ao ou­tro o cré­di­to que to­do mun­do me­re­ce, até que se pro­ve o con­trá­rio. Men­ti­ras são fru­tas que ama­du­re­cem e des­pen­cam do pé bem em ci­ma da sua ca­be­ça, mas na ho­ra cer­ta. Ten­tar ar­ran­car a sa­fra an­tes do tem­po faz vo­cê en­go­lir um fru­to aze­do, que não cum­pre o pro­pó­si­to de te mos­trar a re­a­li­da­de. É im­por­tan­te lem­brar que tu­do tem seu tem­po de ma­tu­ra­ção: mes­mo as men­ti­ras. Até elas se re­ve­la­rem, vi­va a sua ver­da­de, sem mo­de­ra­ção. E es­que­ce es­sa ideia de ir pa­ra o Go­o­gle pro­cu­rar o apli­ca­ti­vo es­pião de ge­o­lo­ca­li­za­ção.

WAL REIS é jor­na­lis­ta e pro­fis­si­o­nal de co­mu­ni­ca­ção cor­po­ra­ti­va. Es­cre­ve so­bre com­por­ta­men­to e coi­sas da vi­da: www. wal­rei­se­mou­tras­pa­la­vras. com.br/blog/

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.