Pré-eclâmp­sia: a do­en­ça si­len­ci­o­sa

Ana Maria - - GINECOLOGI­STA -

“A pré-eclâmp­sia não im­pe­de o par­to nor­mal des­de que de­vi­da­men­te con­tro­la­da. Com um bom pré-na­tal, ade­qua­do co­nhe­ci­men­to dos ris­cos en­vol­vi­dos e se­guir as ori­en­ta­ções de um pro­fis­si­o­nal ga­ba­ri­ta­do, mãe e fe­to pas­sa­rão bem”

Apré-eclâmp­sia é uma do­en­ça, mui­tas ve­zes, si­len­ci­o­sa. Tam­bém cha­ma­da de do­en­ça hi­per­ten­si­va, ela aco­me­te mu­lhe­res grá­vi­das prin­ci­pal­men­te na pri­mei­ra ges­ta­ção. Tem cor­re­la­ção tam­bém com qu­em apre­sen­ta mai­or fa­ci­li­da­de de trom­bo­se, nas do­en­ças de trom­bo­fi­li­as e em pa­ci­en­tes com mu­ta­ções que fa­vo­re­çam a co­a­gu­la­ção do san­gue. É mais co­mum após a 28ª se­ma­na de ges­ta­ção, nos me­ses de in­ver­no, em mu­lhe­res que já têm hi­per­ten­são pré­via e na­que­las com ga­nho de pe­so ex­ces­si­vo e/ou com di­a­be­tes ges­ta­ci­o­nal. O di­ag­nós­ti­co se dá por cons­ta­ta­ção de elevação de pres­são e ede­ma ge­ne­ra­li­za­do as­so­ci­a­do a si­nais de com­pro­me­ti­men­to re­nal, com per­da de pro­teí­na pe­la uri­na. As cau­sas se re­la­ci­o­nam a um au­men­to na re­sis­tên­cia ao flu­xo de san­gue den­tro da pla­cen­ta e com­pro­me­ti­men­to gra­da­ti­vo da fun­ção pla­cen­tá­ria, le­van­do à re­du­ção do ga­nho de pe­so do fe­to e do lí­qui­do am­nió­ti­co (o qua­dro po­de evo­luir pa­ra per­da de oxi­ge­na­ção do be­bê, le­van­do-o até a mor­te). A pré-eclâmp­sia po­de evo­luir pa­ra a eclâmp­sia (con­vul­são) se não di­ag­nos­ti­ca­da e tra­ta­da a tem­po. É im­por­tan­te aten­tar nes­se es­tá­gio ao sur­gi­men­to de dor de ca­be­ça, estô­ma­go e vi­são al­te­ra­da com pon­tos bri­lhan­tes ou es­cu­ros. As­sim, epi­só­di­os ex­tre­mos da do­en­ça po­dem le­var à in­su­fi­ci­ên­cia re­nal crô­ni­ca, der­ra­me ce­re­bral e até a mor­te. Mas, há me­di­das ca­pa­zes de di­mi­nuir seus ris­cos, co­mo o de­vi­do acom­pa­nha­men­to mé­di­co. Ini­ci­al­men­te, de­ve-se fa­zer re­pou­so, con­tro­lar o es­tres­se e eli­mi­nar o sal da co­mi­da. Se a pres­são se man­ti­ver ele­va­da, in­di­ca-se o uso de an­si­o­lí­ti­cos e an­ti-hi­per­ten­si­vos. Em ca­sos de trom­bo­fi­li­as ou pré-eclâmp­sia pré­via, po­de-se as­so­ci­ar um an­ti­co­a­gu­lan­te. É im­por­tan­te res­sal­tar que a pré-eclâmp­sia não im­pe­de o par­to nor­mal des­de que de­vi­da­men­te con­tro­la­da. Com um bom pré-na­tal, ade­qua­do co­nhe­ci­men­to dos ris­cos en­vol­vi­dos e se­guir à ris­ca as ori­en­ta­ções de um pro­fis­si­o­nal ga­ba­ri­ta­do, mãe e fe­to pas­sa­rão bem.

ALE­XAN­DRE PUPO Gi­ne­co­lo­gis­ta do Hos­pi­tal Sí­rio-li­ba­nês, obs­te­tra, mem­bro do cor­po clí­ni­co do Hos­pi­tal Al­bert Eins­tein. Ele tam­bém é mas­to­lo­gis­ta e mem­bro ti­tu­lar do nú­cleo de mas­to­lo­gia do Hos­pi­tal Sí­ri­o­li­ba­nês. É di­re­tor clí­ni­co da Clí­ni­ca Sou­en, on­de aten­de: www.cli­ni­ca­sou­en.com.br

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.