Mu­lher ativona

Ana Maria - - CAPA - Por Fa­bri­cio Pel­le­gri­no Fo­tos: Mar­co Pin­to

Em ape­nas três re­fle­xões vo­cê vai se apai­xo­nar (mais ain­da!) por Re­gi­na Volpato, al­guém que pro­ta­go­ni­za a pró­pria vi­da:

1) “To­das as mu­dan­ças são bem-vin­das, por mais que no pri­mei­ro mo­men­to se­jam as­sus­ta­do­ras.”

2) “Ado­ro mo­rar so­zi­nha, ter a li­ber­da­de de não co­a­bi­tar com ou­tra pes­soa. Quan­do se di­vi­de a vi­da com al­guém é co­mum ter ri­tu­ais, ro­ti­na e acho gos­to­so eu ter es­se com­pro­mis­so co­mi­go mes­ma.”

3) “Não fi­co es­pe­ran­do ou me la­men­tan­do. Quan­do al­go não es­tá bem e te­nho que mu­dar, vi­vo um pro­ces­so: cho­ro bas­tan­te, de­pois me en­cho de co­ra­gem, ale­gria, bom hu­mor, oti­mis­mo e vou re­sol­ver as coi­sas.” Ela fis­gou vo­cê, né? Ago­ra se­rá im­pos­sí­vel não che­gar ao pon­to fi­nal da en­tre­vis­ta exclusiva que a apre­sen­ta­do­ra do Mu­lhe­res (TV Ga­ze­ta) con­ce­deu à Ana­ma­ria. E a jor­na­lis­ta ain­da fa­lou so­bre as du­as ca­chor­ri­nhas com quem mo­ra, Ága­ta e Ti­na. Es­tá ir­re­sis­tí­vel do co­me­ço ao fim

Há al­gum tem­po, já de­cla­rou que sua vol­ta à TV se deu por ca­mi­nhos que só a vi­da con­se­gue ex­pli­car, pois ti­nha ou­tros pla­nos. O que pre­ten­dia fa­zer?

Ima­gi­na­va pas­sar uma tem­po­ra­da fo­ra do Bra­sil, tra­ba­lhan­do pa­ra a in­ter­net e es­cre­ven­do tam­bém.

Vo­cê já foi mo­de­lo de lin­ge­rie, ga­ro­ta do tem­po e tra­ba­lhou na Fun­da­ção Ro­ber­to Ma­ri­nho. Co­mo foi pa­rar em ca­da um des­ses em­pre­gos?

Co­mo era mo­de­lo, aca­bei fa­zen­do bas­tan­te tra­ba­lho pa­ra lin­ge­rie. Me or­gu­lho dis­so, por­que não ti­nha Pho­toshop nem re­to­que. Em uma épo­ca foi di­fí­cil de con­ci­li­ar o tra­ba­lho in­te­lec­tu­al da fa­cul­da­de com o de mo­de­lo. Al­gu­mas ami­gas que tam­bém es­tu­da­vam e tra­ba­lha­vam co­mo mo­de­lo ti­nham um cer­to con­fli­to, ver­go­nha, mas pa­ra mim sem­pre foi tran­qui­lo.

Mas co­mo vi­rou mo­de­lo?

Um ami­go tra­ba­lha­va na Mo­da Bra­sil, re­vis­ta de su­ces­so, e me cha­mou pa­ra fa­zer umas fo­tos. Eu es­ta­gi­a­va na mi­nha área, mas o tra­ba­lho co­mo mo­de­lo re­mu­ne­ra­va mui­to mais. En­tão, tro­quei o es­tá­gio por uns fri­las na área. Mas o ga­nha-pão vi­nha do tra­ba­lho de mo­de­lo.

E a Fun­da­ção Ro­ber­to Ma­ri­nho?

Lá e tu­do o que fiz na Band, Bandnews e SBT foi por meio de tes­te. Nun­ca me cha­ma­ram por­que o tra­ba­lho ti­nha a mi­nha ca­ra, sem­pre lu­tei por to­das as va­gas. Me can­di­da­ta­va ou as pes­so­as me cha­ma­vam, mas sem­pre ti­nha o pro­ces­so de se­le­ção. O que me im­pul­si­o­na­va era a von­ta­de de ter uma re­mu­ne­ra­ção me­lhor. Sem­pre quis ter con­for­to e, tra­ba­lhan­do ho­nes­ta­men­te, sem­pre me lan­cei aos de­sa­fi­os. Re­ce­bi inú­me­ros nãos, fui re­pro­va­da em mui­tos tes­tes, não me saía bem. Fa­ço ques­tão de di­zer que fiz tes­te, por­que ca­da um que apa­re­cia eu co­me­mo­ra­va. Não ti­ve mui­tas opor­tu­ni­da­des na vi­da, mas as que apa­re­ce­ram agar­rei com unhas e den­tes.

O Ca­sos de Fa­mí­lia (2004 a 2009, no SBT) a tor­nou uma apre­sen­ta­do­ra po­pu­lar no Bra­sil in­tei­ro. Qual o prin­ci­pal apren­di­za­do da sua pas­sa­gem por lá?

Apren­der a ou­vir, en­ten­der que as re­a­li­da­des são mui­to di­fe­ren­tes. Eu mais apren­di do que en­si­nei. Nos­so país é fei­to de mui­tas di­fe­ren­ças, mas ti­nha um tra­ço co­mum nas pes­so­as que fre­quen­ta­vam o pro­gra­ma, co­mo con­vi­da­dos, que era a von­ta­de de mu­dar aque­la re­a­li­da­de e vi­ver de um jei­to mais tran­qui­lo. Apren­di tam­bém que na­da se con­se­gue sem mui­to es­for­ço e tra­ba­lho, mas is­so é um tra­ço da mi­nha car­rei­ra. É mui­to tra­ba­lho e de­di­ca­ção.

Quan­do dei­xou a Re­detv!, em 2014, acre­di­tou que não fa­ria mais te­le­vi­são. Por quê?

Por­que eu via – e ain­da ve­jo – to­dos os pos­tos ocu­pa­dos por pes­so­as mui­to com­pe­ten­tes. Não via bre­cha, es­tá tu­do amar­ra­di­nho. Ve­jo pro­fis­si­o­nais tra­ba­lhan­do que não ima­gi­no por­que sai­ri­am de on­de es­tão. En­tão, acha­va que pre­ci­sa­ria es­co­lher ou­tros ca­mi­nhos, pois a TV já es­ta­va com to­dos os seus ta­len­tos bem em­pre­ga­dos.

Lan­çou um li­vro cha­ma­do Mu­dar Faz Bem. Qual foi a mu­dan­ça na sua vi­da pe­la qual mais ba­ta­lhou?

Es­tou com 51 anos e me sin­to mu­dan­do a ca­da dia o tem­po to­do. É uma ba­ta­lha diá­ria. Não con­si­go me ver pa­ra­li­sa­da, es­tá­ti­ca em uma po­si­ção, ideia e lu­gar. To­das as mu­dan­ças são bem-vin­das, por mais que no pri­mei­ro mo­men­to se­jam as­sus­ta­do­ras. A mai­or mu­dan­ça de to­das foi quan­do me tor­nei mãe. Com a Ra­fa­e­la nas­ceu uma no­va Re­gi­na. Nem sei por que is­so acon­te­ceu, mas foi uma for­ça, uma gar­ra, uma ale­gria, uma fé na vi­da. Mu­dei a ma­nei­ra de ver a vi­da, tu­do foi por uma ou­tra pers­pec­ti­va.

Pen­sa em um no­vo li­vro?

Pra­ti­ca­men­te já es­tou fi­na­li­zan­do meu se­gun­do li­vro. Já tem du­as edi­to­ras in­te­res­sa­das, as con­ver­sas es­tão an­dan­do. Es­ta­mos es­pe­ran­do o me­lhor mo­men­to pa­ra o lan­ça­men­to de um li­vro, mes­mo por­que é um pro­du­to. O te­ma é o que pau­ta a mi­nha car­rei­ra com re­fle­xões, tex­tos le­ves e gos­to­sos de ler.

Co­mo foi vol­tar à TV no Mu­lhe­res de­pois de tan­to tem­po fo­ra do ar?

Foi uma sur­pre­sa e um pro­ces­so, pois che­guei à Ga­ze­ta só pa­ra co­brir fé­ri­as. Por umas mu­dan­ças nas pe­ças do jo­go, a Ca­tia Fon­se­ca foi pa­ra a Band. A Ga­ze­ta ti­nha pla­nos pa­ra ou­tra pes­soa as­su­mir, mas ela ti­nha aca­ba­do de ter um fi­lho. En­tão, de no­vo, con­cor­ri a es­sa va­ga e is­so mui­to me or­gu­lha. Ti­ve que pro­var du­ran­te dois me­ses que era ca­paz de fa­zer aque­le pro­gra­ma.

Lem­bra-se de co­mo se sen­tiu no dia exa­to da re­es­treia?

Na es­treia eu não es­ta­va ner­vo­sa, não es­ta­va com me­do, mas es­ta­va an­si­o­sa, por­que fa­zia aqui­lo pe­la pri­mei­ra vez na vi­da. En­tão, foi aque­le ner­vo­so gos­to­so.

An­tes do Mu­lhe­res, che­gou a re­cu­sar pro­pos­tas pa­ra vol­tar à te­le­vi­são?

Al­gu­mas pro­pos­tas che­ga­ram, mas não es­ta­vam em li­nha com o que gos­ta­ria de fa­zer, não es­ta­va em sin­to­nia com o meu mo­men­to. En­tão, con­ti­nu­ei me de­di­can­do ao que es­ta­va fa­zen­do: o li­vro e o ca­nal no Youtu­be.

Há três anos cri­ou seu ca­nal de lá pa­ra cá, quais as prin­ci­pais mu­dan­ças que no­tou na ma­nei­ra de gra­var ví­de­os?

Fo­ram mui­tas, pois a es­tru­tu­ra era pa­re­ci­da com a da te­le­vi­são. Ti­nha três câ­me­ras e dois mi­cro­fo­nes. Eu me sen­tia in­ti­mi­da­da no co­me­ço a gra­var de um jei­to mais des­po­ja­do. Fui en­ten­den­do que a pro­pos­ta do Youtu­be era ou­tra: pa­ra a pla­ta­for­ma, pa­ra os ins­cri­tos e pa­ra mim mes­ma. A gra­ça era fa­zer de ou­tro jei­to, ter uma ou­tra pe­ga­da e is­so, acho, ve­nho de­sen­vol­ven­do. Pa­ra o ano que vem, te­nho idei­as e já es­tou pen­san­do em co­mo pro­du­zir es­ses ví­de­os de uma ou­tra for­ma, pois o de­sa­fio é fa­zer di­fe­ren­te e se ar­ris­car.

Vo­cê se ca­sou ape­nas uma vez e tem uma úni­ca fi­lha. Qual foi a li­ção mais im­por­tan­te que apren­deu com o ca­sa­men­to?

Ti­ve um ca­sa­men­to fe­liz, 14 anos de re­la­ci­o­na­men­to no to­tal. Foi ma­ra­vi­lho­so, mas a vi­da de sol­tei­ra, há al­guns anos, faz mais sen­ti­do pa­ra mim. Ado­ro mo­rar so­zi­nha, ter a li­ber­da­de de não co­a­bi­tar com ou­tra pes­soa, a li­ber­da­de de fa­zer os meus ho­rá­ri­os. Quan­do se di­vi­de a vi­da com al­guém é co­mum ter ri­tu­ais, ro­ti­na e acho gos­to­so eu ter es­se com­pro­mis­so co­mi­go mes­ma.

E qual foi o en­si­na­men­to que ab­sor­veu com a sua fi­lha?

Com ela apren­do di­a­ri­a­men­te des­de quan­do in­tuí que es­ta­va grá­vi­da.

Ela es­tá com 22 anos e me traz ques­tões ma­ra­vi­lho­sas pa­ra re­fle­tir, me des­cons­truir. Ela é a mi­nha gran­de fon­te de ins­pi­ra­ção.

Que mo­men­to da sua his­tó­ria é dig­na de mais um pe­da­ço?

Me sin­to aben­ço­a­da. Sou re­a­li­za­da co­mo mu­lher, mãe e pro­fis­si­o­nal. Es­tou em uma fa­se tran­qui­la. Mas, se­gu­ra­men­te, a fa­se que eu ama­men­ta­va a Ra­fa­e­la é que va­le mais um pe­da­ço. Tra­ta-se de uma sen­sa­ção úni­ca, que es­tá vi­va na mi­nha me­mó­ria e te­nho sau­da­de.

Uma de su­as ami­gas a de­fi­niu co­mo uma mu­lher ativona. O que ela quis di­zer com is­so?

Não sei, mas na ho­ra eu en­ten­di e in­cor­po­rei que não fi­co es­pe­ran­do as coi­sas acon­te­ce­rem. Com a ida­de, apren­di a ob­ser­var o tem­po da vi­da, as di­nâ­mi­cas das coi­sas, o tem­po do uni­ver­so, o tem­po das ou­tras pes­so­as que não é o mes­mo que o meu. Não fi­co es­pe­ran­do ou me la­men­tan­do. Quan­do al­gu­ma coi­sa acon­te­ce, quan­do al­go não es­tá bem e eu te­nho que mu­dar, te­nho um pro­ces­so: cho­ro bas­tan­te, de­pois me en­cho de co­ra­gem, ale­gria, bom hu­mor, oti­mis­mo e vou re­sol­ver as coi­sas, se­ja pe­dir des­cul­pas, mu­dar o ru­mo de uma si­tu­a­ção ou mi­nha con­du­ta, in­cor­po­rar al­gu­ma ati­vi­da­de no­va. En­tão, sou ativona de en­fren­tar a vi­da de pei­to aber­to, ati­va, não me vi­ti­mi­zo. Sou pro­ta­go­nis­ta da mi­nha vi­da.

Já de­cla­rou que so­fre pre­con­cei­to por ser sol­tei­ra. E co­mo li­da com si­tu­a­ções as­sim?

Não me lem­bro de ter di­to is­so, até por­que gos­to de ser sol­tei­ra e já so­fri pre­con­cei­to na vi­da por ou­tras ques­tões, co­mo che­gar a São Pau­lo mui­to des­pre­pa­ra­da, por fal­ta de cul­tu­ra. Ape­sar de ter nas­ci­do em São Pau­lo, cres­ci no in­te­ri­or e não me fur­to de di­zer que sou cai­pi­ra e gos­to das mi­nhas ori­gens. A vi­da to­da es­tu­dei em co­lé­gio pú­bli­co e quan­do fui es­tu­dar na USP, sen­ti a diferença em com­pa­ra­ção a quem es­tu­dou em co­lé­gio par­ti­cu­lar. Não te­nho pro­ble­ma em ser sol­tei­ra e se al­guém vê pro­ble­ma nis­so eu não con­si­go cap­tar es­sa cen­su­ra.

O que um ho­mem pre­ci­sa ter ou fa­zer pa­ra vo­cê co­gi­tar se ca­sar no­va­men­te?

Ca­sar no­va­men­te é uma ques­tão mi­nha, não de­pen­de da ou­tra pes­soa. Acho per­fei­ta­men­te pos­sí­vel e até de­se­já­vel uma re­la­ção amo­rosa, in­ten­sa en­tre du­as pes­so­as, mas me ca­sar nos mol­des tra­di­ci­o­nais não faz par­te dos meus pla­nos. Acho que mo­rar na mes­ma ca­sa jun­tos, o tem­po to­do, não aju­da no re­la­ci­o­na­men­to. Não acho sau­dá­vel.

Que lu­ta vo­cê acha que a hu­ma­ni­da­de es­tá per­den­do?

Não sei se es­tá per­den­do, pois não ve­jo co­mo um fim. Ve­jo as coi­sas co­mo um pro­ces­so, de uma for­ma cir­cu­lar. Re­pa­ro que o mun­do es­tá en­tran­do em uma on­da que me dei­xa um pou­co as­sus­ta­da, que é a fal­ta de in­to­le­rân­cia, de pa­ci­ên­cia, hu­mor, jo­go de cin­tu­ra, is­so em vá­ri­as fren­tes. Mas is­so faz par­te do pro­ces­so, por­que pa­ra to­da ação tem uma re­a­ção. Se tem uma on­da in­do pa­ra um ca­mi­nho es­qui­si­to, tem ou­tra de pes­so­as se or­ga­ni­zan­do, des­co­brin­do e ten­tan­do fa­zer fren­te a es­se mo­vi­men­to.

Vo­cê tem du­as ca­chor­ri­nhas: a Ága­ta e a Ti­na. Co­mo ca­da uma foi pa­rar na sua vi­da?

A Ti­na tem uns 15 anos e a Ága­ta, pre­su­mo, 6, por­que ela foi ado­ta­da e já che­gou em ca­sa gran­de. A Ti­na foi um pre­sen­te que de­ram pa­ra a mi­nha fi­lha. A Ága­ta, ado­tei por­que achei que a Ti­na já es­ta­va cai­di­nha e pre­ci­sa­va de com­pa­nhia. A Ága­ta era de um mo­ra­dor em si­tu­a­ção de rua, não sei por­que eles fo­ram se­pa­ra­dos, ela es­ta­va acor­ren­ta­da em uma pra­ça pú­bli­ca e um ami­go, o Cas­sio Sca­pin, que não po­de ver um ca­chor­ro aban­do­na­do, trou­xe pra mim.

A Ti­na es­tá ce­ga?

A Ti­na tem glau­co­ma. Ela já per­deu gran­de par­te de uma vi­são. É pos­sí­vel ope­rar, mas con­ver­sei com a ve­te­ri­ná­ria de­la e co­mo a vi­são não é o sen­ti­do pri­mor­di­al do ca­chor­ro e a Ti­na so­fre mui­to quan­do pre­ci­sa fa­zer exa­me, fi­ca es­tres­sa­da, pre­fe­ri dei­xar a na­tu­re­za se­guir o cur­so e ela não vai ope­rar.

São ne­ces­sá­ri­os al­guns cui­da­dos es­pe­ci­ais pa­ra ela fi­car mais con­for­tá­vel em ca­sa?

É im­por­tan­te não fi­car mu­dan­do mó­veis de lu­gar, pois ela já tem uma ro­ti­na. Não no­tei ne­nhum pre­juí­zo no com­por­ta­men­to de­la, na cir­cu­la­ção. Ela es­tá co­mo se na­da ti­ves­se acon­te­ci­do. En­tão, até es­que­ço que já per­deu a vi­são de um dos olhos, pois se mo­vi­men­ta mui­to bem. Pre­ci­so fi­car ob­ser­van­do, ca­so ela en­tre em so­fri­men­to ou com­pro­me­ta a vi­da de­la, aí vou to­mar uma pro­vi­dên­cia.

Co­mo ela e vo­cê con­se­gui­ram se adap­tar a es­sa con­di­ção?

Co­me­cei a no­tar que ela es­ta­va com a vis­ta es­bran­qui­ça­da, fo­mos a uma con­sul­ta e sou­be do glau­co­ma. Ela não mu­dou em na­da. A Ti­na é mui­to en­gra­ça­da, se­gu­ra de si, tran­qui­la, quer as coi­sas na ho­ra de­la e con­ti­nua sen­do as­sim.

As pai­xões de Re­gi­na. Na fo­to mai­or, Ti­na, de 15 anos. A ca­de­li­nha tem glau­co­ma. À esq., com Ága­ta. Co­mo foi ado­ta­da gran­de, pre­su­me-se que te­nha cer­ca de 6 anos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.